AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


sexta-feira, 2 de junho de 2017

VÍDEO - ELE RECUPEROU E FALA DA CRACOLÂNDIA E A DEPENDÊNCIA DA DROGA MALDITA



O crack não destrói apenas o usuário, arremete com toda cólera contra os familiares, que acabam se tornando codependentes da adição. É dessa forma que famílias inteiras acabam sendo arrastadas pelo vício de apenas uma pessoa. Pode parecer inverossímil, mas já me contaram sobre pai trocando brinquedo do filho por crack; um vizinho de bairro, quando notou que o filho estava "fumando a casa", fez um barraco no fundo do quintal e não permite que ele entre mais em casa. Todos acabamos tendo uma história triste para contar sobre este lixo.

A mais doída para mim foi a de uma amiga, mãe solteira, que viveu toda uma vida dedicada ao filho, que se viciou primeiro em cocaína e depois em pedra. No velório, depois de buscar o corpo do menino no IML, ela me disse:

- "Estou triste e envergonhada, triste que uma parte de mim se foi e envergonhada porque estou me sentindo aliviada." E quem é que poderia condenar esta mãe?

Eu fiz todo este preâmbulo em relação ao sofrimento familiar para falar sobre a polêmica sobre a cracolândia de São Paulo. Eu pretendia escrever um textão, mas daí descobri um ótimo relato na timeline de um amigo do Facebook, que mostra Márcio Américo, um escritor que já viveu o problema de perto, aliás, ele foi parte do problema e conseguiu evadir-se dos os flagelos da droga.
www.mdig.com.br

Sem comentários:

Enviar um comentário