AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


quinta-feira, 22 de junho de 2017

Territórios, Memórias, Identidades de Loulé em destaque no Mosteiro dos Jerónimos, em Lisboa





Ontem, dia 21 de junho, foi um dia em grande para o Concelho de Loulé. Na presença do Ministro da Cultura, os Museus Nacional de Arqueologia e Municipal de Loulé inauguraram, no Mosteiro dos Jerónimos, em Lisboa, a exposição que revela aos visitantes portugueses e internacionais os mais de sete mil anos de história do território do Concelho.
Um ato inaugural com pompa e circunstância que reuniu centenas de pessoas, entre as quais inúmeras entidades oficiais, com destaque para o Ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes; a embaixadora de Cuba, Johana Ruth Tablada de la Torre, o presidente da Câmara Municipal de Loulé, Vítor Aleixo, o vice-presidente da autarquia louletana Hugo Nunes e a vereadora Ana Machado; os adjuntos do presidente da CML, Abílio Sousa e Carlos Carmo; o presidente da Assembleia Municipal de Loulé, Adriano Pimpão; o presidente do Turismo do Algarve, Desidério Silva; os deputados algarvios eleitos pelo PS, Jamila Madeira, Fernando Anastácio e António Eusébio; o presidente da Junta de Freguesia de S. Clemente – Loulé, Carlos Filipe, o presidente da Junta de Freguesia de Quarteira, Telmo Pinto e Sónia Neves, do seu executivo; a presidente da Inframoura, Fátima Catarina; Jorge Moedas, diretor de operações da Vilamoura World; o antigo diretor da Lusotur, Carlos Rocha, atual CEO da JJW Hotels & Resorts; o ex ministro Guilherme d’Oliveira Martins; a escritora Lídia Jorge, etc.
De referir que, numa das paredes da sala, iam sendo projetadas as fotografias de diversos dadores de peças, na sua maioria cidadãos anónimos de Quarteira que recolheram peças em Loulé Velho e no mar.
No final da inauguração, os visitantes foram brindados com um Loulé de Honra com produtos tradicionais algarvios.
“LOULÉ. Territórios, Memórias, Identidades” torna visível, para todo o país, a riqueza do património cultural do maior Concelho do Algarve, que é também o mais povoado e onde se situam alguns dos melhores resorts turísticos da Europa.
Ao todo, foram inventariados 1200 bens culturais para a realização desta exposição, dos quais 504 bens foram selecionados e 166 restaurados. Os bens culturais provêm de 12 instituições distintas, entre as quais se destacam o Museu Municipal de Loulé e o Museu Monográfico do Cerro da Vila, em Vilamoura, que emprestam mais de 80% das peças à exposição, às quais se juntam o Museu Nacional de Arqueologia, o Arquivo Municipal de Loulé, a UNIARQ – Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, o Museu Municipal de Faro, o Museu Municipal da Figueira da Foz, o Museu Municipal de Arqueologia de Albufeira, o Museu Municipal de Arqueologia Silves, a Universidade do Algarve, a Faculdade de Ciências e Tecnologias da Universidade Nova e o Museu da Lourinhã.
“LOULÉ. Territórios, Memórias, Identidades” é um “Portugal em miniatura” que espelha a história de Portugal, da Península Ibérica e da Europa. Um verdadeiro ponto de partida para uma viagem obrigatória até Loulé para descobrir o Concelho e os seus tesouros mais bem guardados, como o Castelo de Salir, o Cerro da Villa e o Centro Histórico da cidade de Loulé.
Por: Jorge Matos Dias / PlanetAlgarve

CLIQUE NAS IMAGENS

Sem comentários:

Enviar um comentário