AVISO

OS COMENTÁRIOS, E AS PUBLICAÇÕES DE OUTROS
NÃO REFLETEM NECESSARIAMENTE A OPINIÃO DO ADMINISTRADOR DO "desenvolturasedesacatos"

Este blogue está aberto à participação de todos.


Não haverá censura aos textos mas carecerá, obviamente, da minha aprovação que depende da actualidade do artigo, do tema abordado, da minha disponibilidade, e desde que não contrarie a matriz do blogue.

Os comentários são inseridos automaticamente, com a excepção dos que o sistema considere como SPAM, sem moderação e sem censura.

Serão excluídos os comentários que façam a apologia do racismo, xenofobia, homofobia ou do fascismo/nazismo.


sábado, 10 de junho de 2017



«O MEU CÃO (*)
«O meu perdigueiro “Ventoinha” (é aquela cegueira da cauda sempre a abanar) está para ali, num canto do quintal… triste como a noite.
«Que ninguém lhe liga - diz ele - que está cheio de saudades daquele senhor que quando chegava este dia falava do “Dia da Raça”… e os olhos vão-lhe ficando brilhantes e molhados…
«Tento consolar o pobre, tento explicar-lhe que não era da raça dele que o estropício falava… mas não adianta! Fica para ali… “cãobisbaixo”, no canto do quintal, ganindo muito baixinho.
«Eu não tenho cão, nem quintal… mas se tivesse, este 10 de Junho estaria a ser uma tristeza para ele.
«* Desculpe lá, António Gedeão!»

Sem comentários:

Enviar um comentário