AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


quarta-feira, 7 de junho de 2017

PROPOSTA DO VEREADOR DA CDU ANTÓNIO MENDONÇA - Câmara de Faro quer, Bombeiros sonham, mas aumento salarial (ainda) não nasce


A proposta veio do vereador António Mendonça (CDU), a quem se associou a vereação do PS, foi votada por unanimidade, em reunião de Câmara de 29 de Maio, mas ainda não é certo que «cerca de 40 a 42» bombeiros profissionais de Faro venham a ter salários equiparados aos sapadores.
Em causa, está a regularização dos vencimentos de bombeiros que, até são, desde 2012, considerados sapadores (com formação que os habilita para tal), mas cujo ordenado é diferente.
Fonte da Câmara de Faro adiantou ao Sul Informação os números: «ordenado base de 557 euros» para estes bombeiros (anteriormente municipais), contra «900 euros dos sapadores».
Depois, entram na equação as «diferentes categorias» de cada sapador, segundo explicou, ao nosso jornal, Sílvia Branquinho, uma das bombeiras que está nesta situação de indefinição.
A proposta votada agrada à Câmara de Faro, mas a autarquia tem «algumas dúvidas» de que esta regularização salarial venha a acontecer.
«A Câmara pode votar o que quiser, mas temos de saber se as coisas prosseguem, o que seria justo», disse a mesma fonte autárquica. Por agora, serão seguidos os passos legais, com a decisão final a pertencer ao Ministério da Administração Interna.
Rogério Bacalhau, presidente da Câmara de Faro, também já se manifestou, na Assembleia Municipal de 23 de Fevereiro, contra esta situação que apelidou de «vergonha completa», por haver «bombeiros, que são especializados e fazem um trabalho que mais ninguém faz, a serem comparados a assistentes operacionais».
Isto em termos salariais, e com os assistentes operacionais a merecerem, contudo, «todo o respeito», explicou. Ainda assim, há diferenças como o facto de «estes homens [os bombeiros] precisarem de formação», reforçou o edil.
Quanto às limitações, Rogério Bacalhau confirmou-as, mas garantiu também que, «se houver capacidade» irá tomar medidas que permitam a «mobilidade» destes profissionais. «Se pudesse, já o teria feito há muito tempo», disse.
A desconfiança por parte da autarquia farense pode advir do facto de estar a ser preparado, pelo Governo, um Estatuto Profissional dos Bombeiros.
Em entrevista ao jornal Notícias ao Minuto, Fernando Curto, presidente da Associação Nacional de Bombeiros Profissionais, explicou que o Estatuto poderá vir a «equiparar o salário dos Bombeiros Municipais e Sapadores, tendo em conta que os Bombeiros Municipais ganham menos do que os Bombeiros Sapadores».
«Mas, a balizar os valores, tem de se balizar pelas remunerações dos Bombeiros Sapadores. Não consigo entender – e acho que não é isso que vai acontecer – que o Governo queira reduzir o salário dos Sapadores», acrescentou.
Por agora, ainda nada é certo neste estatuto, mas a proposta votada pela Câmara de Faro vem nesse sentido: equiparar os salários entre bombeiros, também profissionais, que fazem o mesmo trabalho do que o sapadores, apesar de ganharem menos.
Na proposta aprovada em reunião da autarquia farense, a que o Sul Informação teve acesso, são dados 15 dias para proceder «à preparação do Quadro de Pessoal de Bombeiros Sapadores», a submeter, depois, «à próxima reunião da Assembleia Municipal de Faro».
Os vereadores do PS e da CDU concluem a sua proposta dizendo que a deliberação «vem, por demais, tardando, em benefício da nossa comunidade, da defesa dos seus bens e haveres e pela dignidade dos profissionais face ao contexto em que são chamados a participar».
A bombeira profissional Sílvia Branquinho acrescenta: «tem sido uma grande luta, com muitas reuniões, mas conseguimos finalmente esta proposta».


www.sulinformacao.pt

Sem comentários:

Enviar um comentário