NOTA


Os textos assinados por outrem ou retirados de outros blogs ou sítios não reflectem necessáriamente a opinião ou posição do editor do "desenvolturasedesacatos"

sexta-feira, 30 de junho de 2017

MERCADOR AMBULANTE VENDENDO MÚMIAS NO EGIPTO EM 1865

Durante a era vitoriana de 1800, a conquista do Egito por Napoleão abriu as portas da história do Egito para os europeus. Naquela época, as múmias não receberam o respeito que mereciam das elites europeias e, de fato, as múmias podiam ser compradas dos vendedores ambulantes -como mostrado na foto- para serem usadas como o principal evento para festas e encontros sociais que ocorreram no século XVIII.

Mercador ambulante vendendo múmias no Egito, em 1865
As elites da era muitas vezes faziam "Festas de desempacotamento", que, como o nome sugere, era tipo um "unboxing" cujo tema principal sria uma Múmia que seria desembrulhada na frente de uma plateia turbulenta, torcendo e aplaudindo ao mesmo tempo.

Durante esse período, os restos bem conservados dos antigos egípcios foram rotineiramente moídos em pó e consumidos como remédio medicinal. Na verdade, tão popular se tornou a múmia pulverizada que até instigou um mercado negro para atender a demanda, em que a carne dos mendigos era vendida como a dos antigos egípcios mumificados.

À medida que a Revolução Industrial progrediu, as múmias egípcias foram exploradas para fins mais utilitários: um grande número de múmias humanas e animais foram destruídas e enviadas para a Grã-Bretanha e Alemanha para uso como fertilizante. Outras foram usadas ​​para criar pigmento marrom múmia ou foram despojados de seus invólucros, que foram posteriormente exportados para os EUA para uso na indústria de fabricação de papel.

À medida que o século XIX avançava, as múmias tornaram-se objetos de exibição apreciados e um grande número delas foi comprada pelos ricos colecionadores privados europeus e americanos como lembranças turísticas. Para aqueles que não podiam pagar uma múmia inteira, os restos desarticulados, como uma cabeça, mão ou pé, podiam ser comprados no mercado negro e contrabandeados.

Tão rápido foi o comércio de múmias na Europa que, mesmo depois de saquear túmulos e catacumbas, simplesmente não havia suficientes corpos egípcios antigos para atender a demanda. E assim falsas múmias foram fabricadas dos cadáveres de criminosos executados, idosos, pobres e dos que morreram de doenças horríveis, enterrando-os na areia ou enchendo-os de betume e expondo-os ao sol.

www.mdig.com.br

Sem comentários:

Enviar um comentário