AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


terça-feira, 20 de junho de 2017

MEIA DÚZIA DE DIAS E JÁ DÃO BARRACA ! Ministra da Defesa francesa demite-se devido a polémica sobre criação de empregos fictícios


“Desejo estar em condições para demonstrar a minha boa-fé”, explicou a ministra da Defesa francesa, Sylvie Goulard, num comunicado, evocando o inquérito que está a ser feito ao partido MoDem, a que pertence, sobre eventuais empregos fictícios para funções de assistentes no Parlamento Europeu


A ministra da Defesa francesa, Sylvie Goulard, renunciou esta terça-feira ao cargo para poder "demonstrar livremente" a sua "boa-fé" num inquérito, em curso, sobre suspeitas de alegados casos de criação de empregos fictícios.
"Desejo estar em condições para demonstrar a minha boa-fé", explicou a ministra centrista num comunicado, evocando o inquérito que está a ser feito ao partido MoDem, a que pertence, sobre eventuais empregos fictícios para funções de assistentes no Parlamento Europeu (PE).
Na segunda-feira, o Eliseu anunciou uma "remodelação técnica" no Governo após as eleições legislativas de domingo, que deram uma maioria clara ao partido do Presidente Emmanuel Macron.
Presidente "decidiu restaurar a confiança na ação pública, reformar a França e relançar a Europa", lê-se hoje num comunicado da ministra da Defesa francesa, uma centrista eleita eurodeputada em 2009 e reeleita em 2014.
A 09 deste mês foi aberto um inquérito preliminar para averiguar se o partido pagou o salário de empregados do MoDem em França, tendo assinado contratos de trabalho como assistentes parlamentares europeus.
Na semana passada, o líder do MoDem, François Bayrou, que chegou a ministro da Justiça a 17 de maio último, negou as suspeitas


.expresso.sapo.pt

Sem comentários:

Enviar um comentário