AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


quinta-feira, 1 de junho de 2017

Enfermeiros dizem que Passos Coelho encontrou o Hospital de Faro «como o deixou»





O Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) diz que Pedro Passos Coelho encontrou o Hospital de Faro «como o deixou» e que as críticas que endereçou ao atual Governo também “servem” ao que o presidente do PSD liderou entre 2011 e 2015.

Um dia depois da visita do ex primeiro-ministro ao Hospital de Faro, onde se encontrou com o representante do SEP no Algarve, os sindicalistas reagem às declarações de Passos Coelho, que disse aos jornalistas que a situação desta unidade de saúde se agravou, desde que António Costa foi para São Bento, e que «há uma retórica que não casa com a realidade» no que toca ao anunciado investimento de 19 milhões de euros no Centro Hospitalar do Algarve, que ainda não foi feito.
O líder do PSD também lembrou o «aumento dos tempos de espera e dificuldades de resposta às solicitações na área da cirurgia e outras especialidades, o que leva a que as pessoas se desloquem ao privado ou sejam transferidas para outras unidades públicas».
«O SEP questiona se Pedro Passos Coelho estará a referir-se ao atual Governo ou a si próprio, uma vez que todas as falhas por ele agora identificadas já existiam na altura em que governava sem que as tenha resolvido, pelo contrário, agravou-as», acusaram os sindicalistas.
«Relembra ainda o SEP que se houve “poupança” na Saúde foi à custa dos cortes nos salários e direitos dos profissionais e da saúde dos utentes que viram a resposta às suas necessidades muito limitada. É preciso ter lata!», concluiu a delegação regional do Sindicato dos enfermeiros.


www.sulinformacao.pt

Sem comentários:

Enviar um comentário