AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


sexta-feira, 23 de junho de 2017

Conversas (des)cruzadas


«...A minha pergunta para hoje é só esta:
«Nos anos 90 houve financiamento comunitário a fundo perdido para reorganizar a área florestal, quer para proprietários particulares, quer para associações florestais, quer para Juntas de Freguesia (os famosos baldios). Havia dinheiro a jorro e eu elaborei e participei na elaboração de centenas de projectos. A equipa de trabalho à qual eu pertencia não preconizou a plantação de um único pé de eucalipto. Os proprietários eram compensados monetariamente durante 25 anos até que a floresta plantada lhes voltasse a dar rendimento. ...
«Onde é que pára essa floresta?
«Como é que essas ajudas foram geridas?
«Rui Esteves: Não seja injusta. Os assessores da dona Assunção podem nunca ter calçado botas para ir ao campo, mas ela emitiu uma directiva a dispensá-los de usar gravata. E não vejo ninguém a falar na poupança que essa medida trouxe na factura da electricidade do ministério.»
Sim: onde está?

Sem comentários:

Enviar um comentário