AVISO

OS COMENTÁRIOS, E AS PUBLICAÇÕES DE OUTROS
NÃO REFLETEM NECESSARIAMENTE A OPINIÃO DO ADMINISTRADOR DO "desenvolturasedesacatos"

Este blogue está aberto à participação de todos.


Não haverá censura aos textos mas carecerá, obviamente, da minha aprovação que depende da actualidade do artigo, do tema abordado, da minha disponibilidade, e desde que não contrarie a matriz do blogue.

Os comentários são inseridos automaticamente, com a excepção dos que o sistema considere como SPAM, sem moderação e sem censura.

Serão excluídos os comentários que façam a apologia do racismo, xenofobia, homofobia ou do fascismo/nazismo.


terça-feira, 13 de junho de 2017

Alfonsiva e o mar - vídeo e poema em português




Alfonsina e o Mar

Pela branda areia que lambe o mar
Sua pequena pegada não volta mais
Um caminho sozinho de pena e silêncio chegou
Até a água profunda
Um caminho sozinho de penas mudas chegou
Até a espuma
Só Deus sabe a angústia que te acompanhou
Que dores antigas calaram tua voz
Para que se recostasse embalada no canto
Das conchas marinhas
A canção que canta no fundo escuro do mar
A concha
Lá vai Alfonsina com tua solidão
Que poemas novos foste buscar?
Uma voz antiga de vento e sal
Te elogia a alma e a vai levando
E te vás para lá como nos sonhos
Adormecida, Alfonsina, vestida de mar
Cinco sereias te levaram
Por caminhos de algas e coral
E fosforescentes cavalos marinhos
Passearão ao teu redor
E os habitantes da água brincarão
Ao seu lado
Baixe a lâmpada um pouco mais
Enfermeira, deixe-me dormir em paz
E se chamarem diga que não estou
Diga que Alfonsina não volta mais
E se chamarem diga que não estou
Diga que fui embora
Lá vai Alfonsina com tua solidão
Que poemas novos foste buscar?
Uma voz antiga de vento e sal
Te elogia a alma e a vai levando
E te vás para lá como nos sonhos
Adormecida, Alfonsina, vestida de mar

Sem comentários:

Enviar um comentário