NOTA


Os textos assinados por outrem ou retirados de outros blogs ou sítios não reflectem necessáriamente a opinião ou posição do editor do "desenvolturasedesacatos"

quarta-feira, 14 de junho de 2017

A NOSSA HISTÓRIA REESCRITA - FORAM ENCONTRADOS RESTOS DO HOMO SAPIENS COM 300 MIL ANOS

Os restos de cinco Homo sapiens de 300.000 anos de antiguidade foram desenterrados no noroeste da África. Estes fósseis são 100.000 anos mais velhos que o recorde anterior, o que adianta a origem de nossa espécie por uma margem significativa. E, dado que foram descobertos no Marrocos, longe do suposto ponto de origem de nossa espécie, a descoberta também muda nossas noções sobre onde e como evoluíram os humanos modernos.

Nossa história foi reescrita: encontram fósseis de Homo sapiens 100 mil anos mais antigos
A origem de nossa espécie está envolvido em mistério devido aos escassos registros fósseis e a uma insuficiente evidência genética. A descoberta surpreendente dos restos fossilizados de cinco seres humanos primitivos em uma jazida de Jebel Irhoud, no Marrocos -junto com evidências de ferramentas de pedra, ossos de animais e o uso do fogo- acrescenta uma peça importante a este quebra-cabeças arqueológico frustrantemente incompleto.

Como demonstra esta descoberta, nossa espécie, conhecida na nomenclatura científica como Homo sapiens, existe durante bem mais tempo do que pensávamos. Cem mais mil anos, para ser preciso. Agora podemos dizer, com uma confiança razoável, que a espécie que você e eu pertencemos surgiram na África há uns 300.000 anos. É concebível, por suposto, que os arqueólogos possam encontrar exemplares mais antigos no futuro, mas este agora é o limite superior para a origem do H. sapiens.

Nossa espécie não se originou em uma zona confinada da África, senão mais bem ao longo de todo o continente. Como explica o co-autor do estudo, Jean-Jacques Hublin, do Instituto Max Planck de Antropologia Evolutiva:

- "Não há Jardim do Éden na África, porque o Jardim do Éden é a África." Os primeiros hominídeos bípedes dos quais descendemos poderiam ter surgido do interior africano, mas os condutores evolutivos que criaram o H. sapiensestavam em todo o continente, e no noroeste da África em particular. Estas conclusões agora aparecem em dois estudos separados, ambos publicados na revista científica Nature. No primeiro artigo, os cientistas descrevem os fósseis encontrados na jazida; no segundo, analisam e datam as ferramentas de pedra.
Nossa história foi reescrita: encontram fósseis de Homo sapiens 100 mil anos mais antigos
Antes desta nova descoberta, as amostras de H. sapiens mais antigas conhecidas foram descobertas na Etiópia e datavam de 150.000-200.000 anos atrás. No entanto, os neandertais e o arcaico Homo sapiens (isto é, os humanos que imediatamente precedem ao H. sapiens e que viveram há 300.000-150.000 anos) divergiram de um antepassado comum faz uns 500.000 a 600.000 anos. A falta de evidência fóssil de 200.000 anos levou a alguns cientistas a teorizar que H. sapiens surgiu de repente, provavelmente de uma espécie predecessora conhecida como Homo heidelbergensis.

Esta nova descoberta, que mostra que tinha uma versão precoce do H. sapiens no noroeste de África faz aproximadamente 300.000 anos, questiona esta teoria de aparecimento rápida. Após divergir de um antepassado comum, um grupo de H. sapiens arcaico estendeu-se ao longo da África, adquirindo gradualmente os traços que chegariam a caracterizar nossa espécie.
Nossa história foi reescrita: encontram fósseis de Homo sapiens 100 mil anos mais antigos
Para chegar a esta conclusão, os autores do novo estudo combinaram evidências fósseis novas e antigas. Na década de 60 encontraram fósseis humanos na mesma jazida de Jebel Irhoud junto a alguns ossos de animais. Os fósseis foram datados originalmente com uns 40.000 anos de antiguidade, e achavam que eram de alguma forma de neandertal africano.

Insatisfeitos com esta interpretação, os pesquisadores do Instituto Max Planck de Antropologia Evolutiva e do Instituto Nacional de Arqueologia e Patrimônio de Marrocos decidiram renovar a pesquisa, que incluiu novas escavações na jazida marroquina. Isto levou à descoberta dos restos parciais do esqueleto de cinco indivíduos -três adultos, um adolescente e uma criança- junto com ferramentas de pedra, ossos de animais e sinais de uso do fogo.

Os arqueólogos tropeçaram com uma antiga gruta utilizada pelos primeiros seres humanos para processar e consumir carne animal, principalmente gazelas e zebras. E sim, os arqueólogos originais não viram estes cinco espécimes, mas então as escavações em uma mina que agora é um canteiro gigante.

Usando uma técnica conhecida como termoluminiscência, os pesquisadores dataram os objetos descobertos no lugar com datas entre 300.000 e 350.000 anos de antiguidade, e utilizaram as ferramentas de pedra para datar os fósseis encontrados entre estes artefatos. Agora consideram a evidência mais antiga jamais encontrada dos primeiros membros da linhagem de H. sapiens.
Nossa história foi reescrita: encontram fósseis de Homo sapiens 100 mil anos mais antigos
É importante destacar que esta descoberta desvia a origem geográfica de nossa espécie longe do interior da África. Faz centenas de milhares de anos, o Saara estava cheio de bosques e vastas planícies, o que permitia aos primeiros hominídeos se mover para o norte, para o que é agora o Marrocos. No caso deste primeiros H. sapiens, é provável que seguissem às manadas de gazelas à medida que emigravam através da África, evoluindo novas habilidades cognitivas ao longo do caminho que lhes permitiram criar ferramentas mais sofisticadas e adotar comportamentos sociais complexos. Ao propagar-se pela maior parte de África, estes hominídeos adquiriram os mesmos traços que chegaram a definir nossa espécie.

Curtis W. Marean, um especialista na origem humana na Universidade Estatal de Arizona que não participou no estudo, diz que a nova descoberta é importante e não totalmente surpreendente.

- "A anterior idade estimada do hominídeo de Jewell Irhoud nunca fez sentido, por duas razões", explicou Marean. - “Primeiro, porque a morfologia era muito primitiva para a idade relativamente jovem. E segundo, porque as evidências sugeriam que o Magreb foi abandonado durante um tempo em que quase certamente era muito árido, de modo que esta maior antiguidade tem muito sentido. Estou feliz de ver esta equipe resolver este problema."

Marean diz que os fósseis têm uma surpreendente semelhança com um crânio claramente humano, chamado o crânio de Florisbad e descoberto na África do Sul em 1932. A semelhança com este espécime sugere que neste momento tinha uma população panafricana que talvez fosse da mesma espécie.
Nossa história foi reescrita: encontram fósseis de Homo sapiens 100 mil anos mais antigos
É importante assinalar que o termo "Homo sapiens" não é análogo ao termo "humano moderno". Os antigos humanos encontrados no Marrocos eram ligeiramente diferentes dos seres humanos de hoje em dia, mas estas diferenças não foram o suficientemente importantes para os pesquisadores definirem uma espécie separada, ou para marcá-los como outro tipo de H. sapiens arcaico. Mediante a realização de microtomografias computadorizadas dos fósseis, os pesquisadores detectaram algumas características primitivas tais como um crânio mais longo, menor e uma cara grande. Mas também tinham pômulos delicados, um rosto claramente moderno e dentes e mandíbulas que eram virtualmente idênticos aos do H. sapiens. Como assinala Jean-Jacques Hublin, esta gente não se destacaria se os conhecêssemos na rua.

O arqueólogo Chris Stringer do Museu de História Natural de Londres, que não participou no estudo, diz que antes não se sentia assim, mas agora acha que os arqueólogos e os antropólogos deveriam adotar uma definição mais ampla de Homo sapiens.

- "Eu costumava ​​argumentar que os seres humanos anatomicamente modernos, incluindo os fósseis que essencialmente se parecem a nós, são o único grupo que deveria ser chamado Homo sapiens", explicou. - "Agora acho que os humanos anatomicamente modernos são só um subgrupo dentro da espécie Homo sapiens, e que devemos reconhecer a diversidade de formas dentro dos primeiros Homo sapiens, alguns dos quais provavelmente se extinguiram."

De fato, existiram muitos grupos diferentes de seres humanos ao redor desta época, mas foi o Homo sapiens o que eventualmente triunfou, se estendendo para fora da África faz 60.000-70.000 anos e depois se estendendo pela Ásia, Austrália e América do Norte e do Sul. Nossa espécie é tudo o que fica dos diversos "experimentos" evolutivos hominídeos que aconteceram durante centenas de milhares de anos em grande parte da África.
Fonte: Nature 1. e Nature 2.


www.mdig.com.br

Sem comentários:

Enviar um comentário