NOTA


Os textos assinados por outrem ou retirados de outros blogs ou sítios não reflectem necessáriamente a opinião ou posição do editor do "desenvolturasedesacatos"

quinta-feira, 1 de junho de 2017

A história de Maurice Bavaud a provadora de comida de HItler

Parece que a sorte (e um certo sexto sentido) acompanhou Hitler nas diferentes ocasiões em que tentaram eliminá-lo, bem individualmente como o estudante suíço Maurice Bavaud ou o carpinteiro Georg Elser, bem em operações perfeitamente orquestradas como a Operação Valquíria. Mesmo assim, e como era lógico, aumentaram as medidas de segurança como a de empregar provadores para experimentar toda a comida do Führer. Esta é a história de uma delas... Margot Woelk, a única que sobreviveu a guerra.

Margot Woelk, a provadora de comida de Hitler
Quando começou a guerra, Karl, o marido de Margot, foi recrutado para ir à frente e ela, uma secretária de 23 anos, ficou sozinha em Berlim. Depois de dois anos sem ter notícias de seu marido e quando seu apartamento tinha sido danificado pelos bombardeios aliados, ela decidiu abandonar Berlim e refugiar-se na casa que seus sogros tinham em Gross-Partsch (hoje Parcz), um pequeno povoado no meio do bosque, na Polônia. Um lugar idílico com um pequeno inconveniente: Wolfsschanze, a Toca do Lobo -um dos quartéis gerais de Hitler- se encontrava a uns três quilômetros.

Margot consegui desfrutar pouco tempo daquele do sossego daquele local bucólico porque, apenas alguns dias após sua chegada, se apresentaram vários membros das SS e a levaram... ela e mais 14 jovens do povoado para servirem de provadoras da comida de Hitler. Foram alojadas em uma casa próximo ao bunker e a cada amanhã deviam provar a comida que saía das cozinhas.
Margot Woelk, a provadora de comida de Hitler
Tudo mudou em 20 de julho de 1944 quando explodiu no bunker a maleta que o coronel Von Stauffenber tinha deixado para matar Hitler. A guarda foi reforçada e as provadoras foram apartadas do complexo e encerradas em uma velha escola abandonada de onde só saíam para fazer seu trabalho.

Ali viveria um dos piores momentos de sua vida quando uma noite um porco oficial da SS entrou na escola e a violou. Margot, fez das tripas coração, e tratou de seguir com sua vida ocultando aquela lembrança no mais profundo de sua alma.
Margot Woelk, a provadora de comida de Hitler
Em 1945, ante o avanço do Exército Vermelho, Hitler ordenou demolir Wolfsschanze com explosivos e abandonaram o lugar. Um oficial alemão levou-a em separado e disse para que fugisse.

Margot conseguiu chegar a Berlim onde se refugiou na casa de um médico amigo de seu marido. Ela era procurada pela SS. 
Margot Woelk, a provadora de comida de Hitler
Em 1946 ela voltou a se encontrar com o oficial que tinha salvado sua vida na Toca do Lobo, que lhe disse que todas as outras provadoras morreram lá mesmo.

Estava sozinha e desesperada, não tinha vontade de viver até que reencontrou seu marido. Certo dia ela abriu a porta para um homem de uniforme com uma atadura na cabeça. Ela não o reconheceu. A partir dali apoiaram-se um no outro e foram felizes durante 34 anos até que em 1980 Karl faleceu.

Em muitas ocasiões, os sonhos de Margot faziam com que revivesse aqueles momentos, mas ela nunca contou nada até que em 2014, quando recebeu a visita de um jornalista local no seu 95º aniversário, decidiu romper seu silêncio e contar sua história.
Hitller era vegetariano e um porco
Margot Woelk, a provadora de comida de Hitler
Ela vive hoje no oeste de Berlim, no apartamento onde nasceu, e na entrevista ao Der Spiegel ela conta que o pessoal de serviço trazia bandejas com verdura, molhos, massa e frutas exóticas que deviam ser provadas pelas moças que eram obrigadas a cada dia a pôr sua vida em jogo por um homem que detestavam profundamente.

- "Nunca tinha carne, porque Hitler era vegetariano. A comida era boa, inclusive muito boa, mas não podíamos desfrutar, pois existiam rumores de que os aliados pretendiam envenenar o ditador", explicou Margot.
Margot Woelk, a provadora de comida de Hitler
Não obstante, a mulher jamais pensou em fugir, pois não tinha para onde: o apartamento familiar em Berlim estava danificado pelas bombas, seu marido Karl não dava notícias e ela pensou que ele estava morto. Ao menos em Gross-Partsch tinha seus sogros próximos.
Margot Woelk, a provadora de comida de Hitler
Quando fala do marido Margot sorri: não é uma mulher amargurada, contudo; apesar dos infernos pelos quais passou. Quando questionada de porque só agora havia resolvido contar o que tinha passado, Margot disse que se sentia aliviada e que após aquele tempo todo superou seu sentimento de vergonha:
Margot Woelk, a provadora de comida de Hitler
- "Unicamente queria contar o que ocorreu, que Hitler era um tipo asqueroso... e um porco", concluiu.
Fonte: Mirror.


www.mdig.com.br

Sem comentários:

Enviar um comentário