AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


terça-feira, 23 de maio de 2017

TODAS AS MÃES

TODAS MÃES
O momento foi breve, mas foi um compêndio de compaixão rácica e de absoluta ineficácia sentimental planetária.
Uma jornalista da BBC entrevista, ao telefone, a mãe de uma menina manchesteriana, de 15 anos apenas, desaparecida no ataque nauseabundo de ontem. O seu desespero interior será incalculável por outro ser humano, pois só ela pode avaliar aquele sentir específico.
Sem alardes, como fazem os canais lusos, aqueles minutos foram de uma dureza terrível, o clima era irrespirável e a jornalista fez questão de realçar, para o mundo, o sofrimento inaudito (reforço eu de novo) daquela mulher inglesa no limite da dor.
Logo a minha solidariedade se prolongou a outros territórios da Humanidade, onde milhares de outras mães desesperam e sofrem a perda das suas crias, tantas vezes esfaceladas, desconstruídas, selvaticamente trucidadas. Lembrei-me delas no Iémen, no Afeganistão, na Nigéria, na Síria, “hélas”…
Com fastio, nesses casos, a BBC dá nota monocórdica de uns tantos(as) que morreram em luta contra a “liberdade”, contra os desígnios do “bem” e do Ocidente.

Guilherme Antunes (facebook)

Sem comentários:

Enviar um comentário