NOTA

OS TEXTOS ASSINADOS POR OUTRÉM OU RETIRADOS
DE OUTROS BLOGUES OU SÍTIOS NÃO REFLECTEM NECESSÁRIAMENTE
A OPINIÃO OU POSIÇÃO DO EDITOR DO "desenvolturasedesacatos"

segunda-feira, 29 de maio de 2017

O RANHO ! - ELEIÇÕES FRANÇA 2017 Portuguesa é candidata pela Frente Nacional porque defende "a bandeira francesa"


Lucinda Carvalho é candidata às eleições legislativas de 11 e 18 de junho em França pela Frente Nacional (FN) porque defende "a bandeira francesa" num país que "perdeu muitos valores".

FN
"Não sei se há muitos portugueses a votar Front National mas, como eu, há pessoas que são portuguesas na alma e também francesas e querem defender a bandeira francesa. A França perdeu muitos valores", explicou, em português, a candidata a deputada que nasceu na freguesia de Tourém, no concelho de Montalegre, há 50 anos.
A franco-portuguesa chegou a França em 1970, com três anos, e adquiriu a nacionalidade francesa em 1988, tendo sempre falado português em casa dos pais e tendo chegado a integrar uma associação portuguesa de Pau, no sudoeste do país, uma cidade dirigida por François Bayrou que foi nomeado ministro da Justiça.
Insistindo sentir-se "portuguesa na alma", a candidata que entrou na FN em 2012 esboçou um retrato de França como "um país que fez vir muitos estrangeiros e deu a possibilidade a todos de ter uma vida melhor", incluindo aos seus pais, mas considera que se chegou a uma rutura.
"Agora, a França não pode receber tanta pessoa estrangeira porque não há trabalho. A França perdeu na economia, perdeu muito trabalho, muitas fábricas foram para países onde se trabalha a preço bem baixo. Antes havia trabalho para toda a gente, havia respeito. Hoje não há nada disso, a França perdeu muito valor. É preciso uma França que encontre os valores que tinha antes", argumentou a educadora de infância.
Lucinda Carvalho, que se candidata pela segunda vez a um lugar de deputada, considerou que durante a vaga migratória de portugueses para França, nos anos 60 e 70, "havia trabalho, havia respeito" e que "não havia, como agora, pessoas que vêm de outros países e que querem obrigar a comer diferente" ou a "ensinar línguas estrangeiras que não interessam nas escolas".
"Nós temos todos a mesma religião e temos uma maneira de respeitar as pessoas. Há pessoas que vêm de outros sítios que não têm nada a ver connosco e querem impor-nos a cultura delas. Eu não sou racista porque sou de origem portuguesa, mas há pessoas que vêm para a França e não a respeitam como nós - os portugueses ou os espanhóis - a respeitámos", considerou.
A luso-francesa defendeu, ainda, que o partido de extrema-direita "não é fascista porque defende os valores do país, a economia, o trabalho, as pessoas que vivem em França", acreditando que os que defendem a FN "são pessoas respeitadoras e com valores".
A candidata na terceira circunscrição do distrito Pyrinées-Atlantiques tem 13 adversários e acredita que "ir à segunda volta é possível" porque alega que a FN teve "bons resultados" na sua região durante as presidenciais.
Na reta final para as legislativas, Lucinda Carvalho promete intensificar a campanha, nomeadamente junto dos "muitos portugueses" da sua região, seja em associações, em feiras onde distribui panfletos ou em reuniões públicas, afirmando que "ficava contente se os portugueses" votassem nela.
Lusa

Sem comentários:

Enviar um comentário