AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


terça-feira, 16 de maio de 2017

“Homem de direita” vai liderar governo francês


Emmanuel Macron escolheu o conservador Édouard Philippe para primeiro-ministro.


Édouard Philippe (à direita) com o antecessor, Bernard Cazeneuve

O conservador Édouard Philippe, da ala moderada dos Republicanos, foi ontem escolhido pelo presidente Emmanuel Macron para liderar o governo francês, numa decisão vista como uma tentativa de ganhar apoios do centro-direita antes das eleições legislativas de junho.
Numa entrevista ao canal TF1, Philippe afirmou ter aceite o cargo devido à atual situação "única" da França, que implica "tentar algo que nunca foi tentado antes". Assumindo-se como "homem de direita", o novo primeiro-ministro lembrou, porém, que a proposta do presidente Macron passa por constituir uma "maioria do progresso com gente de direita e de esquerda".
O movimento político criado por Macron, o República Em Marcha, tem apenas um ano, pelo que o presidente terá de reunir figuras de diferentes campos políticos para ter um bom resultado nas eleições legislativas de junho.
Édouard Philippe, de 46 anos, era até ontem presidente da Câmara de Havre e deputado dos Republicanos na Assembleia Nacional. Foi militante do Partido Socialista antes de virar à direita e se juntar à UMP, onde foi o braço-direito de Alain Juppé.
Foi porta-voz do antigo primeiro-ministro nas eleições primárias do partido, nas quais Juppé foi derrotado por François Fillon, que ficou em terceiro lugar na primeira volta das eleições presidenciais. Nessa altura, Philippe já tinha abandonado a campanha republicana devido à polémica sobre os empregos fictícios dos familiares de Fillon, acabando por declarar o seu apoio a Emmanuel Macron na segunda volta.
"É um homem de grande talento, que conhece perfeitamente as engrenagens da atividade parlamentar. Desejo-lhe boa sorte", disse ontem Alain Juppé. Outros conservadores não foram, porém, tão compreensivos para com o antigo colega, lamentando o que consideram uma "decisão individual" e acusando-o de "abandonar a sua família política".
Macron e Merkel admitem rever tratados europeus  Emmanuel Macron e a chanceler alemã Angela Merkel admitiram ontem uma possível alteração dos tratados europeus.
O novo presidente francês, que se deslocou a Berlim no primeiro dia no cargo, garantiu que o assunto "deixou de ser tabu" para a França e prometeu trabalhar em conjunto com Merkel, que defendeu que a UE depende de uma França forte.


www.cmjornal.pt

Sem comentários:

Enviar um comentário