NOTA


Os textos assinados por outrem ou retirados de outros blogs ou sítios não reflectem necessáriamente a opinião ou posição do editor do "desenvolturasedesacatos"

quinta-feira, 11 de maio de 2017

Fátima, a versão oficial dos factos - Convém aqui esclarecer que a Lúcia é, na opinião de muitas pessoas, uma doente mental, certamente devido à hereditariedade que sobre ela pesa, pois o pai morreu vitimado pelo alcoolismo, sendo considerado o homem mais ébrio da freguesia.



Faz cem anos sobre as chamadas aparições de Fátima. Tenciono assinalar aqui o centenário com o que me ocorrer à pena. 
Começo por transcrever este texto, primeiro porque não o consegui encontrar na internet o que, se não é inabilidade minha, considero uma grande falta; segundo porque se trata dum documento único relativamente à versão oficial dos factos; terceiro porque entendo que há que recuperar a imagem do seu autor enquanto vítima duma história tão mal contada.

Artur de Oliveira Santos escreveu este relatório em 31 de Outubro de 1924.

Extraído de Tomás da Fonseca, Fátima: Cartas ao Patriarca de Lisboa, Rio de Janeiro, Editorial Germinal, 1955,pp.365-377.

Relatório do Administrador do Concelho de Ourém

Ex.mo Sr. Governador Civil do Distrito de Santarém

Encarregado por V. Ex.ª de elaborar com a máxima urgência, um relatório circunstanciado sobre a peregrinação de Fátima e seus antecedentes, “se os promotores estão ao abrigo das leis, motivo porque não se proibiu a peregrinação, em face das ordens transmitidas, e qual a corporação encarregada do culto”, vou desempenhar-me dessa missão, embora não possa, como era meu desejo, apresentar um trabalho completo, pois que assunto de tal magnitude levam muito tempo a tratar e faltam diversos elementos que é difícil, neste momento conseguir, tanto mais que o chamado milagre de Fátima tem  ramificação em muitos concelhos, onde principalmente impera o espírito fanático e reaccionário, sobretudo em Leiria. Esforçar-me-ei, contudo por corresponder, com honestidade e zelo, à prova de confiança que me é dada por V. Ex.ª.

Em 13 de Maio de 1917, Lúcia de Jesus, filha de António dos Santos, o Abóbora, e de Maria dos Santos Porvilheira, que ao tempo tinha 11 anos de idade, e Francisco e Jacinta, de 9 e 7, respectivamente, filhos de Manuel Pedro Marto e Olímpia de Jesus, todos residentes em Aljustrel, freguesia de Fátima, foram como era de costume, apascentar, de manhã, umas ovelhas, para a Cova de Iria, que fica a dois quilómetros da sede de freguesia e a 12 da sede do concelho. A Lúcia, que estava fixando o Sol, disse para o Francisco e Jacinta, que lhe tinha aparecido uma Senhora muito bonita em cima duma azinheira, vinda do lado do Sol, e que a convidara a aparecer no dia 13 de cada mês, à uma hora da tarde, durante o tempo de seis meses, porque tinha um segredo a dizer-lhe no mesmo sítio. Os dois parentes (de Lúcia) nada presenciaram; só mais tarde, a instâncias de interessados, se lembraram de dizer que também tinham visto a senhora. Convém aqui esclarecer que a Lúcia é, na opinião de muitas pessoas, uma doente mental, certamente devido à hereditariedade que sobre ela pesa, pois o pai morreu vitimado pelo alcoolismo, sendo considerado o homem mais ébrio da freguesia. Regressando a casa, a Lúcia repetiu aos pais e aos vizinhos o que dissera aos dois parentes.

Em 13 de Junho do mesmo ano, por ocasião da tradicional festa de Stº António, na sede de freguesia, foram à Cova de Iria umas 60 pessoas, movidas por curiosidade, e a Lúcia lá compareceu com os dois parentes a fitar o Sol e dizendo ver uma santa com um manto branco, bordado a oiro e um resplendor na cabeça. A 13 de Julho, repetiu-se a cena, tendo comparecido umas 2500 pessoas. Era o bastante para a exploração clerical. Os Boletins Paroquiais e o Mensageiro de Leiria tocaram a rebate. O milagre realizava-se! A Virgem Maria honrava Fátima com a sua divina presença – diziam eles (aqueles órgãos do clero). Era necessário – acrescentavam – comparecer ali, para ver o milagre, em 13 de Agosto. Padres e seminaristas lá foram, arrastando consigo 12 a 15000 pessoas, tendo o concelho de Torres Novas dado o maior contingente. O que não deixa de ser interessante (como ainda hoje) é que o povo da freguesia de Fátima, sendo profundamente religioso, é quase indiferente (à parte o interesse mercantil) à realização destas manifestações.
Exercia eu então o cargo de Administrador do Concelho e na madrugada do referido dia 13, tendo deixado de prevenção uma força da Guarda Nacional Republicana na sede do concelho, dirigi-me, em companhia do oficial da Administração, Cândido Jorge Alho, à povoação de Aljustrel, no intuito de trazer os três protagonistas (as crianças) para esta vila, a fim de evitar a continuação da especulação clerical, que em torno delas se estava fazendo. Junto da casa de habitação dos pais de Francisco e Jacinta, já se encontrava o padre João, pároco em Porto de Mós, falando com a mãe daqueles, e, junto a um pequeno largo, bastantes seminaristas. A Lúcia, interrogada, a meu pedido, pelo padre, reeditou o que anteriormente, havia dito. Convenci os pais de Lúcia, de Francisco e de Jacinta e os padres a consentirem que as crianças fossem interrogadas pelo pároco da freguesia de Fátima, a fim de se apurar alguma coisa de concreto, e, uma vez em Fátima, em lugar das crianças seguirem para a Cova de Iria, como esperava mais duma dúzia de padres, consegui trazê-las para minha casa, junto da minha família, num carro previamente alugado. Não faltaram ameaças de morte. Chegaram mesmo dois grupos, para tal preparados, a seguirem em automóveis, em perseguição do nosso carro, desistindo do seu intento apenas quando souberam que o carro que me conduzia e às crianças, se encontrava já nesta vila, protegido por força militar.

Quando na Cova de Iria tiveram conhecimento do caso, grupos de populares, à mistura com padres, clamaram ser preciso ir à Aldeia (Vila Nova de Ourém), matar os republicanos e os pedreiros-livres. Não tendo comparecido na Cova de Iria as crianças naquele dia, o milagre não se realizou e tudo debandou sem incidente de maior. Eram então governadores civis efectivos e substituto os srs. Drs. Manuel Alegre e Manuel Branco, respectivamente, e era minha opinião que as crianças fossem inspeccionadas por uma junta médica e internadas numa casa de educação, subtraindo-as, deste modo, aos clericais, de maneira firme e precisa, para que lhes não servissem de instrumentos de exploração. Compartilhava desta opinião o segundo daqueles cidadãos, sendo de parecer contrário o primeiro, convencido de que, deixando-se os clericais à vontade, a mistificação, com todos os seus elementos, cairia pelo ridículo.

Em 13 de Setembro de 1917, nova manifestação se realizou, tendo comparecido umas 20 000 pessoas. Os jornais monárquicos e católicos fizeram uma propaganda tenaz por todo o país, com estrondoso reclame, anunciando para o dia 13 de Outubro, na Cova de Iria, o aparecimento da Virgem, que revelaria nessa ocasião a Lúcia o “grande segredo” que lhe tinha sido confiado. Um dos concelhos onde mais propaganda se fez neste sentido foi o de Torres Novas, chegando os padres, nas igrejas, a anunciarem, como coisa certa, o milagre. Resultado de toda esta bem urdida publicidade: 30 a 40 000 pessoas dos mais diversos pontos do país, e até de Espanha, se juntaram ali, para assistirem ao famoso milagre.

Este devia observar-se das 12 para as 13 horas, mas a chuva foi torrencial, e só das 14 e meia para as 15 é que o Sol, liberto das nuvens, começou a aparecer. Foi o momento Solene em que a Lúcia gritou: Já lá está a Senhora! Fechem os chapéus e rezem! Uma parte do povo fechou os chapéus, ajoelhou, fitou o Sol, fixamente, e declarou que o astro andava à volta (“o Sol bailou”, como disse Avelino Almeida em o Séculode 15 de Outubro de 1917); a outra parte, apesar de ser também religiosa, que não via senão o Sol a brilhar.

É muito elucidativo e importante o artigo do Dr. Pinto Coelho, conhecido católico, no nº507 de 16 de Outubro de 1917, do jornal A Ordem que classifica de “fantasmagoria” o chamado milagre, dizendo ter ido a Fátima, não como peregrino, mas como curioso, o que lhe valeu dos próprios correligionários as maiores censuras. A Lúcia, que andou nos braços de um homem, de grupo em grupo, teatralmente, revelou o que a Virgem misteriosamente lhe dissera: “ a guerra terminou; os soldados vêm já a caminho de casa!”. A chamada “aparição” errou lamentavelmente, pois a guerra terminou em 11 de Novembro de 1918. 

O anúncio da página 4 do Diário de Notícias no dia 10 de março de 1917

(Convém informar, de passagem, que a mãe da Lúcia tinha um livro -Missão Abreviada - no qual, muitas vezes, lhe lia a parte relativa à aparição de La Salette, que deve ter produzido grande impressão no espírito da pobre criança.) 

Em 13 de Novembro, nova peregrinação, mas esta muito menos concorrida. Em 9 de Dezembro do mesmo ano, a Associação do Registo Civil mandou aqui uma comissão composta dos cidadãos Augusto José Vieira, Machado Toledo e Conceição Vasques, a qual realizou na Cova de Iria um comício de protesto contra a mistificação, comício que teve fraca concorrência do povo, porque o pároco convencera a população a não comparecer. No regresso a esta vila, foram os oradores apedrejados, valendo-lhes alguns soldados da Guarda Republicana que os acompanhavam. Na véspera, no Centro Republicano de Ourém, realizara-se imponente sessão, na qual tomaram parte as pessoas referidas e que foi imensamente concorrida e os oradores ovacionados pelas afirmações de combate à mistificação da Cova de Iria.

Veio o Dezembrismo (ou sidonismo), que colocou os reaccionários à vontade, e por esse motivo levantou-se uma pequena capela no local da fantástica aparição, onde todos os meses, no dia 13, era exibida a imagem denominada de Senhora do Rosário, oferecida por um indivíduo de Torres Novas, de nome Gilberto Fernandes dos Santos, por alcunha o Bicanca, o qual, junto à entrada do templo, ia recebendo as esmolas “para a santa”, mas que, afirma-se geralmente, revertiam em benefício daquele, pois vivendo, até então, em dificuldades, conseguiu passar a viver em situação desafogada. Os padres não se conformaram com este recebedor e trataram do substituir. 

Continuaram as romarias todos os meses, umas mais, outras menos concorridas, com a exibição de imagens, irmandades, missas campais, etc., sem que houvesse da parte das autoridades a menor proibição, ou que os promotores dos actos de culto externo necessitassem requerer autorização para estes. Depois da queda do Dezembrismo, ainda se realizaram procissões religiosas na via pública, as quais, depois, lhe foram proibidas.

Em 1919, faleceu em Fátima, de pneumonia, o pequeno Francisco, e, em Maio de 1920, no hospital D. Estefância, em Lisboa, a pequena Jacinta, de pleurisia purulenta, sendo transportada da Igreja dos Anjos, na capital, para o cemitério desta vila, onde ficou sepultada no jazigo do Barão de Alvaiázere. Haviam este e outros aristocratas projectado transportar o corpo da Jacinta, processionalmente, desta vila para Fátima, o que nunca chegaram a fazer devido aos protestos do povo liberal.

Em 13 de Outubro do mesmo ano (1919), a peregrinação foi pequena, devendo ter comparecido umas 6000 pessoas. Houve diversos actos de culto externo. Antes do dia 13 de Maio seguinte, tendo o governo da presidência do saudoso republicano coronel António Maria Baptista recebido protestos vários para proibir a especulação, fui convidado por S. Ex.ª para assumir o lugar de Administrador, que aceitei com a condição de serem mobilizados todos os meios de transporte em quatro distritos, impedindo, nos dias 12 e 13, a marcha dos que se dirigissem para Fátima. Tentaram alguns promotores de Torres Novas que, apesar de tudo a peregrinação se fizesse, o que não conseguiram. Tendo conseguido autorização do comandante da força, para irem à Cova de Iria os peregrinos daquele concelho, tal não se chegou a realizar por eu me opor. Um grupo, capitaneado pelo professor do liceu de Santarém padre Formigão, tentou, à viva força, atravessar por entre as fileiras dos soldados, mas estes, apenas com desembainhar as baionetas, puseram-nos a todos em debandada. Quase ao mesmo tempo, sucedia facto idêntico noutro local, não tendo havido, porém, mais incidentes  dignos de menção. Apareceu a Lúcia vestida de branco e com um ramo de flores na cabeça, a qual foi entregue aos pais, e o chamado milagre não se verificou. Compareceram uma 1000 pessoas, que se conservaram sempre na Fátima, por ser a maior parte daquela freguesia, o que era costume, por neste dia (Quinta-Feira da Ascensão) frequentarem a igreja.

Em 13 de Junho do mesmo ano, apesar de haver festa e feira em Fátima, nada digno de menção houve na Cova de Iria, a não ser a ida ao local de algumas centenas de pessoas.

Depois desta data, tendo eu deixado a Administração do Concelho, foi proibido e permitido, sucessivamente, o culto externo, mas as peregrinações ou romarias nunca mais tiveram a mesma importância de algumas anteriores. Posteriormente é que o bispo de Leiria, José Alves Correia da Silva, se resolveu a intervir. O primeiro acto foi levar Lúcia para fora de Fátima, a pretexto de a mandar educar, o que a própria família confirma, não se sabendo, porém, do seu paradeiro.
De vez em quando, escreve à mãe (ou alguém escreve por ela), dizendo estar bem, num colégio, e recomenda que ninguém duvide do milagre da Cova de Iria. Consta estar num convento em Espanha, o que é dito pelo vizinho Casimiro Rodrigues Esteves. Em Lisboa, na Rua dos Bacalhoeiros, Hospedaria dos Bicos, o proprietário desta, igualmente de nome Casimiro, um velho republicano, alguma coisa sabe sobre o assunto.

Para avaliar o critério do Bispo, basta ler, na provisão que vai junta a este relato e que foi publicada no jornal A Época, de Lisboa, nº1019, de 14 de Maio de 1922, a seguinte passagem: “Demais a mais, a pequena saiu da terra, nunca mais lá apareceu e, não obstante, o povo acorre ainda em maior número à Cova de Iria.” A sua intolerância é de tal ordem que, em 23 de Abril de 1923, mandou uma circular aos párocos da sua diocese, proibindo-lhes assistir a qualquer festividade religiosa onde comparecesse  a filarmónica dos Pousos (Leiria), pelo facto de aquela ter tomado parte numa festa liberal, julgo que comemorativa da Lei da Separação. O seu egoísmo e cupidez são grandes. A testemunhá-lo basta a caça feita à herança de D. Constança Teixeira Albuquerque, de Caldelas, freguesia da Caranguejeira (Leiria), uma pobre viúva que deixou os parentes sem recursos, para legar ao bispo uma fortuna que deve orçar por 800 contos.
O mesmo Bispo de Leiria foi quem veio dar alento à mistificação. Inteligente e astuto como é, procede com discrição e prudência. O dinheiro recebido da Cova de Iria (larga depressão de terreno como o nome indica), remetido, todos os dias 13, à consignação do bispo, é incalculável. Em Maio de 1923, o semanário republicano A Voz do Povo, de Leiria, que não foi desmentido pelos jornais católicos, noticiava que o dinheiro recolhido no dia 13 do referido mês somava 200 contos. Por informações que reputo fidedignas, a receita nos dias 12 e 13 do corrente mês de Outubro de 1924 foi de 120 contos. E há a notar que, encontrando-se a igreja paroquial em obras, nenhuma das importâncias recebidas na Cova de Iria foi entregue para a referida igreja. É tudo ensacado e levado a S. Ex.ª, para Leiria, no próprio dia 13 de cada mês.
Em Fevereiro de 1922, a pequena capela erguida na Cova de Iria foi destruída por um incêndio, atribuído aos liberais; mas o que é deveras significativo é que a imagem, que pouco antes do incêndio se encontrava exposta na capela, foi dali retirada para casa de Manuel Carreira, do lugar de Monte Redondo, que transita, todos os dias 13 de cada mês, para a Cova de Iria e vice-versa. Confessou o Manuel carreira ter visto, na noite do incêndio, luz na capela, o que não era costume, não se percebendo que, sendo ele o zelador do templo, se não importasse com o caso.
Antes de 13 de Maio de 1922, foi feita, pela imprensa monárquica e católica, uma intensíssima propaganda para impressionar o espírito católico e conservador, tendo até o próprio Diário de Notícias, de 11 de Maio de 1922, publicado um artigo encimado por grossos caracteres, no qual se incitava o povo a visitar o local da aparição. Esse artigo era acompanhado de fotografias dos três videntes e da pequena capela e também da provisão do bispo de Leiria. Compareceram 25 a 30.000 pessoas.
Em Outubro do mesmo ano, saiu o primeiro número do semanário Voz de Fátima, que foi distribuído gratuitamente e que actualmente deve ter uma tiragem de 20 000  exemplares, cuja impressão é paga por subscritores e que são profusamente distribuídos, não só em Portugal, como também no estrangeiro, fazendo a perniciosa propaganda de curas milagrosas e sobrenaturais – puras fantasias – para explorar o vulgo, sem origem na verdade, e que a superstição ampliou até o absurdo. Dirige o referido semanário o Dr. Manuel Marques dos Santos, de Leiria, tudo com a aprovação do bispo.
A concorrência, no dia 13 de Outubro, foi inferior à de 13 de Maio do mesmo ano. Houve missa campal, mas não se realizou a procissão. Em 13 de Maio de 1923, a aglomeração  foi superior à de 13 de Outubro de 1917, mas isto devido à grande propaganda e  à circunstância de o referido dia ser domingo. A força enviada não chegou a intervir, apesar de na Cova de Iria se efectuarem procissões sem a permissão da autoridade.

A este tempo já estava quase concluído um enorme poço, que o bispo de Leiria mandara fazer, para recolher as águas pluviais, pois a Cova de Iria que, como disse, tem a designação de depressão de terreno, deve comportar 500 pipas de água, não que ali brote, como falsamente tem sido propagado, mas que ali armazenam, para vender ao público, o que constitui larga receita. Começaram já a murar o terreno adquirido, que deve ter, aproximadamente, 250 metros de comprimento por 150 de largura. A compra do terreno deve ter custado 80 contos.

São muitos os promotores ou interessados desta peregrinação, mas o principal é o bispo de Leiria. É quem tudo orienta e dirige. Na procissão, a que já me referi, nomeou uma comissão para averiguar da “veracidade do milagre” e organizar o processo segundo as leis canónicas. Conheço alguns dos nomeados – autênticos inimigos do regime republicano e criaturas vulgares, que antecipadamente o bispo muito bem sabe que implicitamente lhe aprovarão por unanimidade o grande milagre. Constituem a referida comissão os padres João Quaresma, vigário geral da diocese; Manuel Marques dos Santos, director da Voz de Fátima; Joaquim Coelho Pereira, prior da Batalha; Joaquim Ferreira Gonçalves Neves, prior de Santa Catarina da Serra; Agostinho Marques Ferreira, pároco de Fátima; Manuel Pereira da Silva, professor do Seminário; Manuel Nunes Formigão, professor do liceu de Santarém, e Faustino G. Jacinto Ferreira, vigário da Vara de Ourém. Pelo falecimento deste, foi nomeado o sobrinho, Faustino Ferreira, também vigário da vara. Como as obras da cerca estão a concluir-se, deve estar também a concluir-se o processo canónico. Nenhum orçamento ou estatuto até hoje passou pela Administração do Concelho, nem se sabe verdadeiramente onde o dinheiro é aplicado.

Pelo artigo 57 da Lei da Separação, só serão permitidas manifestações de culto externo, onde e quando constituírem um costume inveterado. Ora, na via pública, na estrada 121 (ramal), tal não acontece e por isso não poderão ser permitidos actos de culto externo. Na Cova de Iria foi feita da capela uma casa, espécie de chalé, onde os padres têm a santa, pregam sermões e dizem missa. Foi-lhes retirada autorização para qualquer acto de culto fora daquele local.

A multidão que vem à Cova de Iria é composta de diferentes classes. Vão os crentes ingénuos e simples, arrastados pela crendice; vão os negociantes de comes-e-bebes e vendilhões de rosários, das estampas, etc.; vão os petisqueiros com os seus farnéis; vão os curiosos, os descrentes, politiqueiros, etc., uns sozinhos, outros com a família ou os amigos, mas a grande maioria é decerto constituída por gente rude, de longes terras, onde predomina o fanático e o reaccionário. Os concelhos que fornecem maior número de pessoas são: Torres Novas, Vila de Rei, Mação, Proença-a-Nova, Oleiros, Idanha-a-Nova, Fundão, Sardoal, Ferreira do Zêzere, Sabugal, Vila Velha de Ródão, Pedrogão Grande, Figueiró dos Vinhos, Ponte de Sor, Alter do Chão, Fronteira, Pombal, Alvaiázere, Porto de Mós, Batalha, etc.

Fátima é hoje, no país, uma etapa da Reacção, que procura ponto de apoio para base da sua resistência. O facto de se não ter impedido eficazmente a peregrinação deveu-se simplesmente a terem as forças armadas chegado tarde. É certo que foram postas à minha disposição forças das unidades mais próximas porque aquelas que chegaram no dia 12, à tarde, eram insuficientíssimas, mas, requisitando mais, tinha dois caminhos que trariam para o Regime inconvenientes novos.

As forças que eu requisitasse das unidades mais próximas, só aqui chegariam no dia 13. Ora no dia 12, já estavam em Fátima, seguramente, 25000 pessoas. Com o auxílio de novas forças poderia eu ter ido a Fátima dispersar 50000 a 60000 pessoas? O sangue que fatalmente correria não seria uma arma terrível contra o governo e contra o Regime? Por outro lado, não me utilizando a força, cairia, pelo menos, no ridículo, e não querendo, por princípio algum, desobedecer a V. Ex.ª, preferi não requisitar mais a tropa e mandar a pequena força para onde fora requisitada, fora do local da Cova de Iria, tanto mais que a mesma força seria suficiente para impedir a saída da procissão  de Fátima, caso teimassem em realizá-la, o que, todavia, não era preciso, pois que eu já tinha conseguido impedir a sua realização por outros meios mais dissuasórios, embora não deixassem de causar receio ao pároco da freguesia e a outras pessoas.

Às 22 horas da noite de 12, veio o Dr. Andrade e Silva (a pedido da Sr.ª D. Madalena Serrão Machado, que tem feito a perigosa propaganda da cura do cancro pelas águas pluviais da Cova de Iria) pedir a realização da procissão. Neguei-lhe terminantemente permissão para esta e fiz-lhe saber que no dia 13, prenderia o pároco da freguesia. Pediu-me então aquele cidadão que tal não fizesse, tão convencido estava o Dr. Andrade e Silva de que eu tinha esse intuito.

Na comunicação enviada a V. Ex.ª, julgo que em 10 do corrente mês, frisava eu que havia duas maneiras de intervir.
1ª) O Governo mobilizaria os meios de transporte em diversos distritos; 2ª) ou, então, a Guarda Republicana impediria que se realizassem  actos de culto externo. Embora, como V. Ex.ª sabe, me prejudique materialmente continuar por muito tempo neste lugar, que V. Ex.ª se dignou confiar-me, eu não terei essa dúvida, se assim for preciso, de nele me conservar, porque nunca hesitei no cumprimento dos deveres de republicano, que me prezo de ser, desde há longos anos.

A Reacção vai triunfando, hipocritamente, e a Liberdade perde terreno, fazendo-lhe concessões. Aquela está fora da lei e é necessário metê-la na ordem. Julgo que há maneira de jugular a Reacção da Cova de Iria. Quando o Governo não possa, ou, para melhor dizer, não queira mobilizar os meios de transporte em diversos distritos, tomar-se-iam, a pouca distância da Cova de Iria, as embocaduras das estradas que conduzem a Fátima, anunciando-se devidamente o caso com certa antecedência. Fazendo isto, durante meses consecutivos estou certo que a Reacção sofreria um grande golpe, deixando a pretensão de ter um Estado dentro do Estado.

Junto vários documentos.
Saúde e fraternidade!

Vila Nova de Ourém, 31 de Outubro de 1924.

O Delegado do Governo encarregado do inquérito,

ARTUR DE OLIVEIRA SANTOS.

aspalavrassaoarmas.blogspot.pt

32 comentários:

  1. É pá! Mas onde é que eu já li isto?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A grande mentira de Fátima que faz render milhões ! Ahahahah

      Eliminar
    2. MARGARIDA BILEU, POR A SENHORA SER DESCRENTE NAO E DIZER QUE NAO ACREDITA; POIS NAO QUEIRA TIRAR A FÉ AOS QUE ACREDITAM NELA, NEM QUE NAO FOSSE VERDADE UMA COISA E, QUE HÁ DEUS HÁ, E ESTE LUGAR SEJA UM LUGAR SAGRADO ONDE AS PESSOAS SE POSSAM JUNTAR PARA ORAR E REZAR, PARA QUE HAJA MAIS PAZ NO MUNDO E QUE A FÉ SEJA MAIS FORTE E QUE MANTENHAM PAZ PELO MUNDO E PELOS HOMENS, POIS SE A SENHORA NAO ACREDITA ENTAO E MELHOR NAO ESCREVER NADA PORQUE CADA UM TEM A SUA CRENCIA E ESTA REALIDADE DE ACREDITARMOS E UMA DELAS QYE NINGUEM PODE TIRAR AOS QUE SAO CRENTES DE NOSSA SENHORA E DEUS NOSSO SENHOR!

      Eliminar
    3. MARGARIDA BILEU, POR A SENHORA SER DESCRENTE NAO E DIZER QUE NAO ACREDITA; POIS NAO QUEIRA TIRAR A FÉ AOS QUE ACREDITAM NELA, NEM QUE NAO FOSSE VERDADE UMA COISA E, QUE HÁ DEUS HÁ, E ESTE LUGAR SEJA UM LUGAR SAGRADO ONDE AS PESSOAS SE POSSAM JUNTAR PARA ORAR E REZAR, PARA QUE HAJA MAIS PAZ NO MUNDO E QUE A FÉ SEJA MAIS FORTE E QUE MANTENHAM PAZ PELO MUNDO E PELOS HOMENS, POIS SE A SENHORA NAO ACREDITA ENTAO E MELHOR NAO ESCREVER NADA PORQUE CADA UM TEM A SUA CRENCIA E ESTA REALIDADE DE ACREDITARMOS E UMA DELAS QYE NINGUEM PODE TIRAR AOS QUE SAO CRENTES DE NOSSA SENHORA E DEUS NOSSO SENHOR!

      Eliminar
    4. Da mesma maneira que o L João acredita, a Margarida tem o direito a não acreditar. Que eu saiba não há provas que Deus exista, no entanto vocês muito gostam de afirmar que não há dúvidas disso. E nem foi isso que a Margarida disse, e como ela há muitos padres que não acreditam no suposto milagre de Fátima - que a ciência explica como um fenómeno natural (quem olha demasiado tempo para o Sol normalmente sofre logo consequências disso).

      Eliminar
    5. "para que haja mais paz no mundo"...

      então porkékenão há?

      Eliminar
  2. Interessante. A hipocrisia continua e assume contornos assustadores. Não importa se sou crente ou não, nem duvido ou questiono a fé de milhares de pessoas que vão ao local, o que me enoja mesmo, é o aproveitamento que certas personalidades, reconhecidos "pedreiros livres", fazem deste fenómeno. Basta ver o que está a acontecer neste momento, 12 e 13 de Maio 2017.

    ResponderEliminar
  3. Muito boa pesquisa e obrigada pela divulgação! Esta "galinha dos ovos de oiro" que a i.c.a.r. criou e alimenta, nunca mais nos livraremos desta aberração, a competir com o futebol para distrair o pagode das coisas importantes?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Perdoai-lhe porque não sabe o que diz.a ignorância é alimentada por quem não quer nunca aprender...e só sabe ofender, ...

      Eliminar
    2. Fala o anónimo, e ainda é condescendente com alguém que tem os olhos abertos para a realidade...

      Eliminar
    3. porkéke uma pessoa que não acredita tá logo a "ofender"?

      é ofender alguém não acreditar no deus?

      por outro lado, aproveitarem-se da credulidade de milhares éké ofender a nossa inteligência!

      Eliminar
  4. Lendo as cartas de Tomás da Fonseca se percebe bem como foi montada a tramóia. Isto foi o Fátima ! Mais tarde voltaram á carga. Veio o Fátima 2 que segue até ao presente.

    ResponderEliminar
  5. Os comunistas e radicais de esquerda ateus continuam a querer negar as evidências com argumentos de merda.....

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. evidências? Esta vígarice é uma "evidência"?? deixe de ser perguiçoso mental e de acreditar em tretas...

      Eliminar
    2. Mas o que é que os comunistas têm a ver com as vigarices de Fátima ???

      Eliminar
  6. > Esta publicação tem alguns esclarecimentos interessantes sobre o que eu considero como a maior "Mentira Lucrativa" de sempre, até hoje engendrada e associada às "Religião, Fé e Crença"... !
    Pior, é que passados "Cem Anos", as pessoas continuam a aceitar a Mentira e a Exploração, como se de uma
    "Graça Divina" se tratasse ... !
    Não encontro uma resposta válida para tão "Carinhosa" aceitação da coisa...!
    "Crime Abençoado ... Crime Perdoado" ...!
    É este o Lema ... ? ? ?

    ResponderEliminar
  7. O maior inimigo da igreja católica continua a ser a maçonaria.Esta é intocável,porquê? Porque esconde muito, e este muito é muito mau.são muitos os políticos que se banham no secretismo. Quem não deve, não teme! Porque temem a igreja, que não se esconde,mas dá a vida pelos demais e defende o amor ao inimigo sempre.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ó sr Anónimo: não sou crente nem maçon e acho isto tudo uma vigarice com 2 mil anos!

      a igreja católica é a empresa mais bem sucedida do mundo e da História. fátima é das maiores vigarices perpetradas aos católicos e crentes - porque os há que não o são! - e é um atentado à inteligência de quem tem coragem para ver claro...

      mas há sempre quem goste de ser enganado!

      Eliminar
  8. Não foi o mesmo que sucedeu com a Cova da Iria ?? veja-se a seguinte passagem bíblica.

    "É aqui que entra a figura de Gamaliel. Pediu que retirassem um pouco os apóstolos e disse aos membros do sinédrio: "Israelitas, atentai bem no que ides fazer a estes homens. Porque, antes destes dias, se levantou Teudas, insinuando ser ele alguma coisa, ao qual se agregaram cerca de 400 homens; mas ele foi morto, e todos quantos lhe prestavam obediência se dispersaram e deram em nada. Depois desse, levantou-se Judas, o galileu, nos dias do recenseamento, e levou muitos consigo; também este pereceu, e todos quantos lhe obedeciam foram dispersos. Agora, vos digo: dai de mão a estes homens, deixai-os [agora entra a famosa frase]; porque, se este conselho ou esta obra vem de homens, perecerá; mas, se é de Deus, não podereis destruí-los, para que não sejais, porventura, achados lutando contra Deus" (At 5.35-39).

    ResponderEliminar
  9. A razão deve estar muito mais próxima do Padre Mário Oliveira que propriamente dos restantes elementos do Clero Romano, isto porque, históricamente o Cristianismo teve uma necessidade cíclica premente de se afirmar e rentabilizar um negócio promissor, cujo mercado sempre teve a maior incidência ou público alvo nas classes mais desprovidas económica e culturalmente. Assim, no século XI, as Cruzadas serviram para ampliar o negócio e no século seguinte criaram uma nova técnica de venda e, pelos vistos tecnicamente assustadora, a Inquisição que haveria de perdurar até finais do século XVIII sob o signo do combate à heresia, mas cuja realidade subjacente era claramente outra. De permeio, durante este período (séc.s XI e XVIII), tal como na atual vida política, que a cada passo gera um novo partido ou movimento, também no Cristianimo se assistiu à proliferação das ordens religiosas tal como os Beneditinos, Franciscanos, Jesuítas, Templários e outras. Já na segunda década do séc. passado, Fátima terá sido mais uma animação do mercado fortemente especulativo e, mais uma vez num cenário de pobreza. Sem querer cometer qualquer heresia, provavelmente aquilo que o mundo precisa é de muitos Mários Oliveira.

    ResponderEliminar
  10. Passear num raio de Sol até Fátima é obra, ou seja é milagre! :)

    ResponderEliminar
  11. Por favor é claro que os pastorinhos n fazem milagres, só Deus o faz, só a nossa fé pode fazer os verdadeiros milagres, como o papa disse fatima er apenas um exemplo que devemos seguir como uma senhora humilde e mae de Jesus,nada mais,que isso.

    ResponderEliminar
  12. Ninguém é mais cristão por acreditar em Fátima,membros do clero nunca acreditaram. Mas parece que agora, maior valor é a fé, mesmo que acente na mentira. Ninguém quer saber de factos ou documentos, querem milagres tal como em 1917

    ResponderEliminar
  13. Isto não passa e um negócio bem montado onde a igreja recebe os louros muitos lucros e estado muitos impostos. E quem paga tudo isso nem é? As pessoas sedentas de soluções para a sua vida e depositam ali tudo o que têm e fins o que têm num desespero alcunhado de Fé

    ResponderEliminar
  14. Até. Bastante esclarecedor, de facto o enquadramento temporal e a situação política da época é fundamental para entender o milagre da "Fátima" de hoje.

    ResponderEliminar
  15. Alguém, muito crente, que me explique porque é que esconderam Lúcia durante toda a sua vida!

    ResponderEliminar
  16. Se fosse verdade, a Nossa Senhora não teria deixado que o Francisco e a Jacinta morressem, para poderem espalhar o que tinha acontecido, e a Lúcia não devia ter sido enclausurada num convento. Para mim, desde que li o livro "Fátima desmascarada", que saiu logo após o 25 de Abril e pouco tempo depois foi retirado, tudo não passa de um grande negócio.

    ResponderEliminar
  17. A morte deles em novos foi também uma profecia de Nossa Senhora. Não podia voltar com a palavra atrás. ;-)
    https://pt.wikipedia.org/wiki/Jacinta_Marto

    ResponderEliminar
  18. O artigo é mt interessante, mas a "carta" do Delegado do Governo encarregado do inquérito,
    ARTUR DE OLIVEIRA SANTOS, contem muitas lacunas de declarações históricas e provadas em outros documentos.
    É preciso também entender ser este documento (já bastante divulgado) é redigido por um fanático do regime, sem se preocupar por fazer o contraditório.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como por exemplo, a data da morte de Santa Jacinta - morreu em 20 de Fevereiro de 1920 e não em Maio. Existem os registos do Hospital Dona Estefânia.

      Eliminar