AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


quarta-feira, 24 de maio de 2017

Divulgadas primeiras imagens do autor do atentado em Manchester




Salman Abedi, o bombista suicida que matou 22 pessoas na segunda-feira à noite em Manchester, Inglaterra, era conhecido dos serviços secretos britânicos, mas não estava a ser investigado.
O jornal britânico "The Guardian" adianta que o autor do ataque era visto como uma figura periférica, tal como o atacante de Westminster, Khalid Masood.
Soube-se agora que as autoridades britânicas não queriam que a identidade do suspeito fosse divulgada, mas os dados de Abedi foram tornados públicos por responsáveis norte-americanos, revela o mesmo jornal.
Até ao momento, ainda não foi possível saber se atuou sozinho, ou envolvido numa rede terrorista, que o poderia ter ajudado com o fabrico da bomba com que se fez explodir no final do concerto de Ariana Grande, na Manchester Arena.

Discreto e reservado
"Era um jovem muito discreto, sempre muito respeitoso para comigo", testemunhou um cidadão líbio de Manchester citado pelo jornal "The Guardian".
"O seu irmão Ismael era muito sociável, mas Salman [Abedi] era muito reservado", acrescentou.
A polícia afirmou que o autor do atentado foi Salman Abedi, de 22 anos, estudante na universidade de Salford e morto na explosão que ele mesmo provocou na segunda-feira à noite, no final de um espetáculo da cantora norte-americana Ariana Grande.
"Posso confirmar que o homem suspeito de ter cometido a atrocidade da noite passada foi identificado com o nome de Salman Abedi", disse terça-feira o comissário de polícia Ian Hopkins, sem mais pormenores.
De acordo com a imprensa britânica, Salman Abedi terá nascido em Manchester em 1994, filho de pais líbios que se refugiaram no Reino Unido, primeiro em Londres e depois no bairro residencial periférico de Fallowfield, no sul de Manchester, nos últimos dez anos.
Nesse bairro, formado por casas modestas de tijolo vermelho, o fim de uma rua foi bloqueado pela polícia hoje ao fim da tarde.
Havia polícias parados à porta de uma pequena casa de tijolo, outros andavam no jardim, levando a pensar que se trata de um local onde Abedi residiu, constatou o jornalista da agência francesa AFP no local.
Na vizinhança, poucos conhecem o suspeito: "Nem tenho a certeza de saber como era o seu rosto, para dizer a verdade. No entanto, devia cruzar-me com ele todos os dias", comentou Rachel Harding, de 37 anos, que mora numa casa vizinha e se disse "chocada, surpreendida, amedrontada".
O bairro, "que não é, claramente, um dos mais ricos de Manchester, é muito tranquilo", garantiu, como outros vizinhos inquiridos pela AFP.
O "Daily Telegraph" escreveu que Salman era o terceiro de uma família de quatro filhos.
O grupo 'jihadista' Estado Islâmico (EI) reivindicou o atentado que fez 22 mortos, entre os quais uma menina de oito anos e outras crianças, bem como 59 feridos.
"A nossa prioridade continua a ser descobrir se ele agiu sozinho ou no âmbito de uma rede", recordou o comissário Hopkins.
Os investigadores fizeram buscas também na casa do irmão do suspeito, igualmente no sul de Manchester.
Os dois irmãos frequentavam a mesquita local de Didsbury, noticiou ainda o "The Guardian". O pai do suspeito é bastante conhecido na comunidade líbia de Manchester, mas encontra-se atualmente em Tripoli, acrescentou o diário.
Um homem de 23 anos foi detido algumas horas antes em Chorlton, no sul de Manchester, por ligação ao atentado, embora a polícia não tenha querido precisar a natureza dessa ligação.
Salman Abedi estudava na universidade de Salford, em Manchester, disse à agência Press Association um responsável do estabelecimento de ensino superior, Sam Grogan.


www.jn.pt

Sem comentários:

Enviar um comentário