AVISO

OS COMENTÁRIOS, E AS PUBLICAÇÕES DE OUTROS
NÃO REFLETEM NECESSARIAMENTE A OPINIÃO DO ADMINISTRADOR DO "desenvolturasedesacatos"

Este blogue está aberto à participação de todos.


Não haverá censura aos textos mas carecerá, obviamente, da minha aprovação que depende da actualidade do artigo, do tema abordado, da minha disponibilidade, e desde que não contrarie a matriz do blogue.

Os comentários são inseridos automaticamente, com a excepção dos que o sistema considere como SPAM, sem moderação e sem censura.

Serão excluídos os comentários que façam a apologia do racismo, xenofobia, homofobia ou do fascismo/nazismo.


sexta-feira, 26 de maio de 2017

A pneumónica ou gripe espanhola de 1918 - Gripe que matou mais de 60 mil portugueses






Foi na Primavera que a gripe chegou a Portugal. "Os primeiros casos de pneumónica ocorreram no final de Maio de 1918, em Vila Viçosa"



Trazida por portugueses que trabalhavam em Badajoz ou em Olivença, a doença propagou-se rapidamente pelo Alentejo.
Em Junho registaram-se os primeiros casos em Lisboa e no Porto, mas só em Setembro a pneumónica chegou à Madeira.
A bordo do vapor Mormugão iam passageiros infectados e a doença alastrou logo que a embarcação atracou no Funchal.
O mesmo aconteceu nos Açores, a 21 de Setembro.
As cerca de 60 pessoas que viajavam num navio proveniente de Bordéus transmitiram a doença aos habitantes de Ponta Delgada.
Uma das figuras centrais no combate à pneumónica foi Ricardo Jorge, "que era um epidemiologista visionário".
Director do então Instituto Central de Higiene, "surpreendeu pela forma organizada de resposta à dispersão da doença".
Decretou a notificação obrigatória de todos os casos, o isolamento de doentes e a interdição das migrações das forças militares ou dos trabalhadores agrícolas.


As farmácias foram obrigadas a não aumentar os preços dos medicamentos e criaram-se comissões de socorro para acudir aos doentes.





cold_comfort_01.jpg

Enfermaria improvisada









Sem comentários:

Enviar um comentário