AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


domingo, 9 de abril de 2017

VEJAM BEM QUEM GUTERRES PROPÕE COMO ENVIADO PESSOAL PARA O SAHARA OCIDENTAL - Guterres propõe Horst Koehler para novo enviado pessoal para o Sahara Ocidental


Horst KoehlerO novo enviado pessoal para o Sahara Ocidental proposto pelo SG, António Guterres, é o alemão Horst Köhler, tanto Marrocos como a Frente POLISARIO ainda não deram o seu acordo. Köhler é um homem que teve que renunciar ao cargo de presidente da Alemanha após declarações controversas sobre os benefícios económicos do envio de tropas alemãs para zonas de conflito. Foi também um dos principais negociadores do tratado de Maastricht.
Horst Köhler é um político alemão da CDU (União Democrata Cristã) e foi Presidente da Alemanha de 2004 a 2010. Como candidato dos dois partidos irmãos cristãos democratas, CDU e CSU, e do liberal FDP, Köhler foi eleito presidente pela Assembleia Federal Alemã em 23 de maio de 2004 e foi reeleito para um segundo mandato em 23 de maio de 2009.
Horst Köhler está ligado ao grupo Bilderberg, e fez parte da Comissão Trilateral (1).
O ex-presidente da Alemanha, Horst Köhler, renunciou ao cargo sem aviso prévio em 31 de maio de 2010, depois de uma intensa crítica às observações em que sugeria que o envio de militares alemães eram fundamentais para os interesses econômicos do país.
Köhler, ex-presidente do Fundo Monetário Internacional (FMI), afirmou que o público em grande parte pacifista da Alemanha estava finalmente a aceitar o conceito de que o seu país não podia mais evitar o envolvimento em missões militares, que ajudavam a “proteger nossos interesses, por exemplo, as rotas de livre comércio, ou a prevenir a instabilidade regional, que certamente poderia ter um efeito negativo no nosso comércio, empregos e receitas”.
Economista de profissão. Antes de sua eleição como presidente, Köhler teve uma carreira distinta na política e na função pública e como executivo bancário. Foi Presidente do Banco Europeu de Reconstrução e Desenvolvimento.
Entre 2010 e 2011, Köhler foi membro da Iniciativa Palais Royal, um grupo convocado por Michel Camdessus, Alexandre Lamfalussy e Tommaso Padoa-Schioppa para reformar o sistema monetário internacional.
De 2012 a 2013, Köhler integrou o Painel de Alto Nível das Nações Unidas para a Agenda de Desenvolvimento pós-2015, co presidido pelo Presidente Susilo Bambang Yudhoyono da Indonésia, pela Presidente Ellen Johnson Sirleaf da Libéria e pelo Primeiro-Ministro David Cameron de o Reino Unido. O conselho consultivo foi criado pelo secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, para moldar a agenda de desenvolvimento global para além de 2015, data-limite para os Objectivos de Desenvolvimento do Milénio. O Painel elaborou um relatório final com recomendações e, assim, contribuiu para a elaboração da Agenda para o Desenvolvimento Sustentável de 2030, que foi adotada por todos os Estados membros da ONU em setembro de 2015.
Na Alemanha, Köhler é amplamente considerado um dos especialistas em África mais experientes da Alemanha.
Desde 2016, Köhler co-preside, juntamente com o ex-secretário-geral da ONU, Kofi Annan, um Painel Especial do Banco Africano de Desenvolvimento (BAD).
O representante da CDU foi ainda o líder das negociações para o Tratado de Maastricht em 1992, nomeado pelo então chanceler alemão, Helmut Kohl.
Um político conservador, ligado aos interesses do grande capital que agora foi nomeada para ser o enviado pessoal do SG, António Guterres para o Sahara Ocidental.
Os interesses e parceiras económicas, entre a Alemanha e Marrocos, não podem deixar de ser referidas quando se fala desta nomeação. A Alemanha através das suas multinacionais gigantes na área da energia renovável e também os investimentos nesta área da Deutsche Bank que não recuam perante o facto de actuarem num território ocupado, não pode ser considerada neutra no que toca o conflito do Sahara Ocidental.

(1) Noam Chomsky argumenta que um relatório publicado pela Comissão, intitulado The Crisis of Democracy (“A Crise da Democracia”), que propõe soluções para o “excesso de democracia” da década de 1960, encarna “a ideologia da ala liberal do Estado capitalista elite dominante”. Chomsky também argumenta que o grupo teve uma influência indevida na administração de Jimmy Carter

porunsaharalibre.org

Sem comentários:

Enviar um comentário