NOTA

OS TEXTOS ASSINADOS POR OUTRÉM OU RETIRADOS.
DE OUTROS BLOGUES OU SÍTIOS NÃO REFLECTEM NECESSÁRIAMENTE
A OPINIÃO OU POSIÇÃO DO EDITOR DO "desenvolturasedesacatos"

As publicações e imagens de minha autoria
só podem ser reproduzidas
por outrem
para fins não comerciais
e desde que mencionem
a minha
autoria e o meu blog donde
tenham sido
retirados, total ou parcialmente.



Acerca de mim

terça-feira, 4 de abril de 2017

QUEM PAGA A BANCA



Paula Ferreira* – Jornal de Notícias, opinião









O número é avassalador. Numa década, o Estado português injetou na Banca 13 mil milhões de euros. Quantas escolas deixaram de ser feitas, quantos hospitais de média dimensão ficaram no papel? Os números, divulgados ontem pelo "Jornal de Notícias", são do INE e não deixam margem para dúvidas. Portugal, este pequeno país, gastou mais com a Banca do que o Reino Unido - sendo o sexto, da União Europeia, onde os gastos com os bancos em dificuldades são maiores.

E de que valeu? Parece, à luz dos novos desenvolvimentos, muito pouco. Os depositantes ficaram sem parte das suas poupanças e o país foi flagelado por duras medidas de austeridade. Para que os bancos não falissem, os portugueses viram as suas condições de vida recuar décadas: o desemprego aumentou em flecha, os apoios sociais encolheram, os ordenados também, os direitos dos trabalhadores foram atacados. António Costa não correria o risco de vir dizer que a venda ou doação do Novo Banco (um dia se saberá qual foi a modalidade) não vai custar nada aos contribuintes. Ninguém lhe perdoaria se o assumisse.

Agora, o Novo Banco foi transacionado e o Estado ficou com 25 por cento do seu capital. Para mandar alguma coisa ou para assumir os riscos que os americanos do Lone Star podem encontrar? O primeiro-ministro garante que os portugueses não terão de gastar um cêntimo. Se algum problema houver, as garantias serão dadas pelo Fundo de Resolução.

Marcelo Rebelo de Sousa, como já vem sendo habitual, reforça a posição de António Costa. Ainda ontem, em Viseu, o presidente da República garantiu: "são os bancos que, realmente, a 30 anos, caso seja possível, irão pagando aquilo que for a diferença, esperando que seja o mínimo possível". Ora aí está. Sendo o Fundo de Resolução constituído pelo capital dos bancos, nunca ninguém viu a Banca assumir as perdas que lhe são imputadas. Como o presidente da Caixa de Crédito Agrícola deixou claríssimo, numa entrevista à Antena 1, os bancos farão refletir esses custos junto dos seus clientes. Alguém acharia que seria de outra maneira?

*Editora executiva-adjunta


paginaglobal.blogspot.pt

Sem comentários:

Enviar um comentário