AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


sexta-feira, 21 de abril de 2017

PCP rejeita eleitos "na secretaria" e acusa PSD de estar preso ao passado



"É evidente que essa proposta assentava que nem uma luva ao PSD, que continua preso ao passado, não digeriu a derrota que teve, porque perdeu 700 mil votos e não é coisa pouca. Agora vem com essa proposta artificiosa", afirmou o líder comunista, Jerónimo de Sousa, à margem de uma visita a uma instituição de cuidados infantis e geriátricos, na Amadora.

O líder parlamentar do PSD, Luís Montenegro, defendeu hoje um sistema político que aproxime mais eleitos de eleitores e apontou como exemplo um sistema eleitoral como o helénico, que dá um 'bónus' de 50 deputados ao partido vencedor.
Montenegro desafiou mesmo os partidos de esquerda a ponderarem a solução, considerando que "escolher em eleições legislativas significa escolher um caminho", privilegiar a escolha que o povo fez num líder ou numa liderança, mas assegurou não estar "a olhar para trás", para as eleições de 2015.
Confrontado com esta sugestão de Luís Montenegro, o secretário-geral do PCP recusou a eleição de deputados "na secretaria".
"Não estamos nada de acordo com deputados eleitos na secretaria. Um deputado eleito significa que tem o voto popular. Tentar com um bónus ultrapassar essa questão democrática de fundo é inaceitável", disse o líder comunista, recusando qualquer "visão interesseira".
"Não temos uma visão interesseira. Aquilo que está na Constituição está bem, o método de Hondt e proporcional continua a ser fundamental. Eleitos para a Assembleia da República devem ter o voto popular", concluiu Jerónimo de Sousa.



Sem comentários:

Enviar um comentário