AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


domingo, 9 de abril de 2017

PCP contra venda a privados e “fatura ao povo”


08/04/2017

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, assegurou hoje que os comunistas serão sempre contra qualquer solução que passe por vender o Novo Banco "a grupos privados e passar a fatura ao povo".

"Todas as decisões que visem integrar o Novo Banco no setor público bancário contarão com a nossa força e a nossa iniciativa. Para vender o banco a grupos privados e passar a fatura ao povo, sabem que contarão com a nossa oposição", afirmou o secretário-geral, no discurso de encerramento do encontro nacional do PCP sobre as eleições autárquicas de 01 de outubro que hoje decorreu em Lisboa.
Para o líder comunista, o processo de venda do Novo Banco confirma que "a banca ou é pública ou é entregue aos estrangeiros".
"A venda do Novo Banco que o governo PS quer agora concretizar é a posição defendida desde o início por PSD e CDS, é uma opção que prejudica país e o povo e que o PCP rejeita", sublinhou.
O secretário-geral do PCP questionou ainda se será possível o Estado vir a recuperar o dinheiro que tem no Fundo de Resolução, criticando a "imposição do Banco Central Europeu" de adiamento do prazo de pagamento ao Estado pelos bancos, por 30 anos, de 4,9 mil milhões de euros.
"Milhões que o país dificilmente verá", lamentou.
No seu discurso, Jerónimo de Sousa criticou de forma global a estratégia do atual Governo em relação ao setor financeiro.
"No Banif, com a imposição da sua entrega ao maior banco espanhol a preço de saldo e com pesados encargos para o erário público. Viu-se na Caixa Geral de Depósitos com a imposição da solução de financiamento junto a fundos do grande capital especulativo para financiar a recapitalização a taxas inaceitáveis, com desemprego e fecho de balcões", criticou.
Se, por um lado, Jerónimo de Sousa vincou que os avanços conseguidos em relação ao programa do PS só foram possíveis pela posição reforçada de PCP e Verdes no parlamento - que suportam através de posições conjuntas o Governo socialista minoritário, em conjunto com o BE -, também se demarcou de opções como as da redução do défice "a todo o custo" ou a submissão "aos instrumentos de domínio" da União Europeia.
"Nós não deitamos foguetes pela diminuição do défice, se ele continuar a ser feito à custa do investimento, do desenvolvimento e para pagar milhões de juros agiotas de uma dívida que nos afunda e poderia ser renegociada", disse.


Sem comentários:

Enviar um comentário