AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


quinta-feira, 20 de abril de 2017

Pão de Mértola vence ouro e prata em concurso nacional


Duas padarias do concelho de Mértola foram premiadas no 6º Concurso Nacional de Pães, Broas e Empadas Tradicionais Portugueses, na Categoria Pão de trigo alentejano, promovido pela Associação Qualifica.
A empresa Costa, Esperança, Dias e João Lda, sediada em São Pedro de Sólis, venceu a medalha de ouro, enquanto a empresa Seara de Pão de São Miguel, em S. Miguel do Pinheiro, ganhou a medalha de prata.
O pão alentejano é caracterizado por ter uma côdea rija e miolo compacto, de cor branca, que se mantém bom para consumo, isto é, com miolo firme e sem desenvolvimento de bolores, durante vários dias.
No Baixo Alentejo, e em particular no concelho de Mértola, o pão sempre desempenhou um papel fundamental, não só na alimentação das populações, como também, como atividade ligada à cultura do trigo e posterior transformação no produto final.
A importância desta atividade ao longo do tempo é ainda hoje visível através dos vários moinhos de vento ou de água existentes no concelho, alguns deles a funcionar como ponto de atração turística, nas aldeias do concelho de Mértola, como é o caso do Moinho de S. Miguel.
Os antigos fornos e as eiras, comunitários ou privados, existentes em quase todas as povoações do concelho, são também o espelho da importância desta atividade para as comunidades locais.
Com a evolução da sociedade, surgiram pequenas unidades de produção do pão, que passaram a fornecer esse alimento indispensável na alimentação alentejana às comunidades locais, de porta a porta e nalguns casos, mais tarde, ao Algarve e à Grande Lisboa.
Atualmente, estão em atividade 13 padarias no concelho de Mértola, revela a Câmara local.
«Apesar da descaracterização a que o pão de trigo tem sido sujeito, devido à intensificação agroindustrial derivada da necessidade de fornecer grandes quantidades de pão às zonas urbanas a preços acessíveis e concorrenciais, o fabrico de pão alentejano de Mértola tem mantido a sua genuinidade e especificidade», garante a autarquia.
Ao contrário da maior parte dos pães fabricados de forma industrial, o pão alentejano fabricado em Mértola é «caracterizando por fermentações prolongadas, realizadas por fermentos naturais resultantes de pedaços de massa do dia anterior e por cozeduras prolongadas e lentas, em fornos de lenha».


www.sulinformacao.pt

Sem comentários:

Enviar um comentário