AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


sexta-feira, 21 de abril de 2017

Militares de Abril pedem medalha para “ostentar no peito o orgulho” pela revolução


O pedido foi feito pelo coordenador da obra Operação Viragem Histórica”, lançada na Associação 25 de Abril perante o Presidente da República.
O lançamento do livro Operação Viragem Histórica foi aproveitado pelo coordenador da obra, Carlos Almada Contreiras, para lamentar o “esquecimento da instituição militar” quanto à criação de uma medalha militar comemorativa da Revolução de Abril e insistir na sua importância.
“Seria uma forma de todos os que participaram na Operação Viragem Histórica poderem ostentar no seu peito o orgulho de nela terem participado”, afirmou aquele que era o chefe do centro de comunicações da Armada no momento da revolução, tendo sido, por estas funções, um elemento fundamental para o sucesso da mesma.
O alerta foi dado na Associação 25 de Abril, na presença de dezenas de antigos militares e de dois dos protagonistas, Vasco Lourenço e Otelo Saraiva de Carvalho, tendo na primeira fila o Presidente da República e comandante supremo das Forças Armadas.

Na sua internvenção, Marcelo Rebelo de Sousa não respondeu ao repto, até porque não lhe competia. Preferiu antes agradecer. Agradecer o convite e a obra, que enalteceu como documento histórico incontornável, mas também à Associação 25 de Abril e aos militares que participaram na revolução. E deixar alertas.
“Viver em democracia faz esquecer o que significa viver em liberdade e democracia. Mas este facto não é evidente nem um dado adquirido, é uma realidade que custou a construir e que tem de ser construída todos os dias”, afirmou. Face aos populismos e aos movimentos anti-sistémicos que “prometem regressos a passados impossíveis ou a futuros inviáveis”, avisou que “a capacidade para responder a estes novos desafios tem de estar presente” nas instituições democráticas, mas também nos movimentos sociais, culturais e de intervenção.
“A mais imperfeita democracia é melhor que a aparentemente mais perfeita ditadura”, disse, arrancando uma das várias salvas de palmas com que foi brindado na sala. Mesmo sendo de direita, como fez questão de sublinhar: “Trata-se de um desafio transversal que tem de ser assumido como nacional”.


Sem comentários:

Enviar um comentário