NOTA

OS TEXTOS ASSINADOS POR OUTRÉM OU RETIRADOS
DE OUTROS BLOGUES OU SÍTIOS NÃO REFLECTEM NECESSÁRIAMENTE
A OPINIÃO OU POSIÇÃO DO EDITOR DO "desenvolturasedesacatos"

domingo, 30 de abril de 2017

Matou-se um homem a quem o Estado tudo tirou


“O Victor Alexandre (ex-trabalhador de Fábricas Mendes Godinho - Rações Sol) decidiu, consigo próprio, que hoje (dia 27 de abril) era o dia do encontro com a morte. 

Nestes últimos tempos, a vida não lhe era fácil de aceitar. Com uma carreira longa de descontos para a Segurança Social (42 anos ) não tinha forma ( idade)de obter reforma.
O Victor vivia de facto uma situação de grande (in)justiça social. Depois de décadas de descontos no ordenado, sentia uma revolta enorme por já não ter direito a nada, a não ser ao estatuto de desempregado com subsídio esgotado. 
Aqui fica a minha sentida homenagem a um homem que nada ficou a dever ao Estado, mas a quem o Estado tudo tirou, até a VIDA. O Vitor descansa agora em paz. E a segurança social poupa na pensão dele.”
                                               Alice Marques

O texto que acima publicamos foi partilhado por Alice Marques no facebook. Aqui o reproduzimos pela acutilância da mensagem e pelo murro no estômago que todos sentimos perante situações dramáticas e injustas como esta.
Victor Manuel Pereira Alexandre pôs termo à vida no dia 27 pelo método de enforcamento. Deixa mulher e dois filhos.
Depois de dois dias à espera de autópsia, o corpo está agora em câmara ardente na casa mortuária de S. Pedro. O funeral realiza-se neste domingo, dia 30, depois da missa na igreja de S. Pedro pelas 11 horas, para o cemitério da freguesia.
À família enlutada apresentamos sentidas condolências.


tomarnarede.blogspot.pt

1 comentário:

  1. É triste, que 43 anos depois do 25 de Abril, um homem com 42anos de descontos, seja muito novo para se reformar e muito velho para trabalhar, ou receber um subsídio de desemprego por tempo mais prolongado.
    É triste e revoltante que num país em que se distribuem subsídios sem fiscalizar a necessidade deles, em que se destribuem subsidios por quem nunca fez descontos, nunca trabalhou e nunca procurou trabalhar, não existam mecanismos para prolongar subsidios de desemprego a quem muito trabalhou e descontou para os outros.
    Victor matou-se, mas o Estado foi sem dúvida o gatilho.
    Descansa em paz companheiro.

    ResponderEliminar