AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


sábado, 29 de abril de 2017

A França de hoje em dia


por Amato
Compreender a vontade dos povos é um exercício que exige uma boa dose de honestidade, mais do que qualquer outra coisa.

Todos os analistas dizem que os franceses estão muito desiludidos com o governo do invertebrado Hollande e, por isso penalizaram o PS francês. Têm razão em estar desiludidos. Têm razão para penalizar o PS francês com uma humilhante derrota eleitoral. Hollande prometeu uma política “à esquerda” e tornou-se no lambe-botas primordial da Alemanha de Merkel, bem como o seu principal imediato na propaganda da austeridade por toda a Europa. Mas, então, perante o exposto, os franceses escolhem Macron?! Um ex-ministro da economia de... Hollande?! O mesmo indivíduo que fez campanha eleitoral pela liberalização do mercado laboral e da sociedade francesa?!

“Ah, Macron é independente e tal...”, antes de se dizer disparates olhe-se para a forma como Macron tem subido na carreira política e profissional, veja-se aí a sua independência política e não noutro lado qualquer.

A única explicação plausível para esta escolha — ainda mais grave quando verificamos que a segunda candidata foi a da extrema direita e não um candidato moderado ou de esquerda — é que os franceses penalizam o PS francês de Hollande por não ter sido suficientemente “à direita” na sua ação, por não ter sido suficientemente liberalizador da sociedade, por não ter sido mais nacionalista, por não ter vedado suficientemente a entrada de emigrantes, etc.

É importante que tenhamos plena consciência desta conclusão. Esqueça-se a França das revoluções e transformações sociais. Esqueça-se a França da Liberté, égalité, fraternité. A França de hoje em dia é muito diferente desses ideais mais ou menos intangíveis. A França de hoje em dia é maioritariamente de direita extrema, da falta de solidariedade, da desigualdade e, talvez — veremos —, da falta de liberdade também.

https://s-media-cache-ak0.pinimg.com/736x/b7/7a/75/b77a75df8b662b4913d8bb5acbe4cc58.jpg


portodeamato.blogs.sapo.pt

Sem comentários:

Enviar um comentário