AVISO

O administrador deste blogue não é responsável pelas opiniões veiculadas por terceiros, nem a sua publicação quer dizer que delas partilhe, apenas as publica como reflexo da sociedade em que se inserem, dando-lhes visibilidade, mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia de situações menos claras do ponto de vista ético.

Atenção este blog tem tradutor se quiser traduzir clique com o botão direito do rato ou procure o tradutor no fim da publicação e clique onde diz traduzir para português ou outro idioma.


segunda-feira, 20 de março de 2017

Zeca – Maior que o Pensamento pelo TAL no Cine-Teatro Louletano


O Cine-Teatro Louletano registou lotação esgotada domingo á tarde para a peça Zeca – Maior que o Pensamento pelo TAL – Teatro Análise de Loulé, inserido no Cenários – XII Mostra de Teatro de Loulé.
Se há vozes que crescem no interior da terra com tal força telúrica, não admitindo impedimentos e, em liberdade, percorrem os vastos céus rumo ao infinito, perpetuando-se no espaço e no tempo, entre elas, destaca-se certamente a do “menino de oiro” – José Afonso, ou mais na intimidade “Zeca Afonso” que, cantando, profetizava a liberdade, “não há luz que não resista / à noite cega.”
Esta produção teatral é um texto original, uma história possível do Zeca, dentro da nossa História, com muitos outros personagens, do escritor e amigo José Sequeira Gonçalvez.
Pelo palco passaram os mais diversos personagens da História de Portugal, tais como: D. Afonso Henriques; D. Dinis; Padeira de Aljubarrota; Luís Vaz de Camões; D. Sebastião; Marquês de Pombal; Afonso Costa; Salazar; Catarina Eufémia; Gen. Humberto Delgado; Henrique Galvão; Soldado Português; Inspetores da PIDE; Karl Marx; Jesus Cristo; José Afonso e o seu irmão, entre outros.
O espetáculo terminou com todos os atores em palco a cantarem em coro com o público “Grândola Vila Morena”, de José Afonso.
Ator é aquele que faz acontecer e leva as palavras aos atos. Por isso, no Teatro há sempre verdade. No desenrolar dos papéis, ator e espetador são ao mesmo tempo partícipes da história comum e reaprendem ambos, independentemente dos credos, origens culturais ou politicas, porque lhes veste as personagens, as épocas e o processo histórico e cultural.
É isso que acontece na produção de um espetáculo como este. É também uma homenagem da Casa da Cultura de Loulé ao Zeca e ao seu legado de participação associativa, cívica e cultural porque sempre se disponibilizou, de forma voluntária, para ajudar as mais diversas associações culturais, associações de moradores, pequenos clubes recreativos, agremiações, cooperativas, etc.
Assim, TAL como somos e estamos, dizemos passados 30 anos da sua partida: VIVA JOSÉ AFONSO – A VOZ DA LIBERDADE!
Encenação: José Teiga / Casa da Cultura Loulé
Produção: Casa da Cultura de Loulé
Realização: Câmara Municipal de Loulé / Cine-Teatro Louletano























































planetalgarve.com

Sem comentários :

Enviar um comentário