AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


segunda-feira, 20 de março de 2017

Trabalhadores do Dia/Minipreço exigem fim do assédio e melhores salários


O CESP/CGTP-IN convocou uma greve para dia 13 de Abril nos supermercados Dia/Minipreço, tendo em conta que «todas as reivindicações exigidas» pelos trabalhadores «foram ignoradas ou relativizadas pela empresa».
https://www.abrilabril.pt/sites/default/files/styles/jumbo1200x630/public/assets/img/minipreco-cesp1.jpg?itok=IGMwZ2rw
Trabalhadores do Dia/Minipreço exigem que se ponha cobro às discriminações salariais e às situações de assédio moral
Trabalhadores do Dia/Minipreço exigem que se ponha cobro às discriminações salariais e às situações de assédio moralCréditos
O Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços de Portugal (CESP) denuncia a atitude «prepotente e arrogante» da empresa, especificando que esta impôs «limitações ao livre exercício da actividade sindical» no local de trabalho e que «continua a não querer resolver as questões de discriminação salarial e de assédio moral» que diariamente ocorrem, lê-se no comunicado que esclarece os motivos que conduziram à marcação da greve.
O aumento dos salários (no valor de 40 euros, para todos os trabalhadores), o fim do assédio, das pressões e da repressão exercidos sobre os trabalhadores, e o livre exercício da actividade dos delegados sindicais são precisamente algumas das razões apontadas para a greve que os trabalhadores dos supermercados Dia/Minipreço vão realizar a 13 de Abril.
Exigem ainda: subsídio de alimentação de seis euros; horários regulados e que respeitem a conciliação com a vida pessoal e familiar; e a correcção da injustiça na carreira profissional dos operadores de armazém.
«O desrespeito pela vida pessoal e familiar dos trabalhadores, patente nos horários de trabalho, é também um grave problema de assédio moral» e «deve ser resolvido urgentemente», sublinha o sindicato, que acusa ainda a empresa de incentivar «os responsáveis de loja a atribuir uma má avaliação aos operadores, chegando ao ponto de ordenarem a reavaliação quando a consideram muito boa».

Trabalhadores do Auchan exigem aumentos salariais

O CESP informa, numa nota, que tanto os trabalhadores do grupo Auchan como a organização sindical continuam a exigir o aumento dos salários (no valor mínimo de 40 euros, para todos os trabalhadores), bem como o cumprimento das regras da organização dos horários de acordo com o contrato colectivo de trabalho (CCT) em vigor.
Os trabalhadores também reivindicam 25 dias úteis de férias e o subsídio de alimentação no valor de 5,60 euros. Tendo a conta a recusa da empresa em aumentar o subsídio de alimentação e os salários, que são baixos – 580 euros para trabalhadores com cinco, oito e mais anos de casa, e 632 euros em topo de carreira –, o sindicato denuncia que os lucros da Auchan são obtidos «à custa das exploração dos trabalhadores».
No que respeita aos horários de trabalho, o incumprimento, por parte da Auchan, «das normas para a organização dos horários de trabalho está a fazer a vida dos trabalhadores um autêntico inferno», pelo que o CESP exige que a questão seja resolvida de acordo com as normas estabelecidas no CCT.


www.abrilabril.pt

Sem comentários:

Enviar um comentário