AVISO

OS COMENTÁRIOS, E AS PUBLICAÇÕES DE OUTROS
NÃO REFLETEM NECESSARIAMENTE A OPINIÃO DO ADMINISTRADOR DO "desenvolturasedesacatos"

Este blogue está aberto à participação de todos.


Não haverá censura aos textos mas carecerá, obviamente, da minha aprovação que depende da actualidade do artigo, do tema abordado, da minha disponibilidade, e desde que não contrarie a matriz do blogue.

Os comentários são inseridos automaticamente, com a excepção dos que o sistema considere como SPAM, sem moderação e sem censura.

Serão excluídos os comentários que façam a apologia do racismo, xenofobia, homofobia ou do fascismo/nazismo.


domingo, 12 de março de 2017

Publicação no Facebook gera revolta feminina contra vereador



Uma publicação do vereador da Cultura e Turismo da Câmara da Maia no Facebook gerou uma onda de protestos que alvoroçou a Autarquia.

Mário Nuno Neves escreveu - de forma insultuosa, segundo quem contesta - sobre o Dia Internacional da Mulher e a reação não se fez esperar: muitos protestos, incluindo na própria estrutura municipal, que tem as mulheres em maioria.
A polémica terá chegado mesmo ao presidente, Bragança Fernandes.
"Na maioria das retóricas sobre o Dia da Mulher não consigo deixar de perceber um paternalismo camuflado. Nada que me espante. O que me faz pasmar é o ar de felicidade bovina da maioria das mulheres quando escutam estas baboseiras. Filha minha dava-lhes com a cadeira na cabeça", escreveu o autarca, que rematou a frase com um sorridente boneco. Numa Autarquia com maioria feminina, gerou-se a revolta.
"Não entendo", desabafou o autarca na sexta-feira, quando contactado pelo JN. "Só podem transformar o que eu escrevi num libelo machista por estupidez ou má-fé. É precisamente o contrário", sublinhou.
Mário Nuno Neves explica que a sua intenção foi criticar o "chorrillo de baboseiras" dos discursos oficiais e que as mulheres precisam é de ações e de serem reconhecidas "nas suas relações sentimentais, sociais e laborais". "É por isso que não entendo porque sorriem, muitas delas, bovinamente (no sentido plácido e cândido) quando escutam as baboseiras oficiais, que não passam de retórica que nem os factos nem as práticas sustentam", referiu, numa publicação posterior, para tentar dissipar a polémica.
"O cúmulo da má-fé traduz-se no facto de alegadamente ter afirmado que daria com uma cadeira na cabeça a uma filha minha por assistir a essas manifestações, quando o que escrevi é que "uma filha minha daria, com toda a certeza, com uma cadeira na cabeça a quem proferisse tamanhas baboseiras". Diferente, não?", concluiu.


www.jn.pt

Sem comentários:

Enviar um comentário