AVISO

O administrador deste blogue não é responsável pelas opiniões veiculadas por terceiros, nem a sua publicação quer dizer que delas partilhe, apenas as publica como reflexo da sociedade em que se inserem, dando-lhes visibilidade, mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia de situações menos claras do ponto de vista ético.

Atenção este blog tem tradutor se quiser traduzir clique com o botão direito do rato ou procure o tradutor no fim da publicação e clique onde diz traduzir para português ou outro idioma.


domingo, 12 de março de 2017

Publicação no Facebook gera revolta feminina contra vereador



Uma publicação do vereador da Cultura e Turismo da Câmara da Maia no Facebook gerou uma onda de protestos que alvoroçou a Autarquia.

Mário Nuno Neves escreveu - de forma insultuosa, segundo quem contesta - sobre o Dia Internacional da Mulher e a reação não se fez esperar: muitos protestos, incluindo na própria estrutura municipal, que tem as mulheres em maioria.
A polémica terá chegado mesmo ao presidente, Bragança Fernandes.
"Na maioria das retóricas sobre o Dia da Mulher não consigo deixar de perceber um paternalismo camuflado. Nada que me espante. O que me faz pasmar é o ar de felicidade bovina da maioria das mulheres quando escutam estas baboseiras. Filha minha dava-lhes com a cadeira na cabeça", escreveu o autarca, que rematou a frase com um sorridente boneco. Numa Autarquia com maioria feminina, gerou-se a revolta.
"Não entendo", desabafou o autarca na sexta-feira, quando contactado pelo JN. "Só podem transformar o que eu escrevi num libelo machista por estupidez ou má-fé. É precisamente o contrário", sublinhou.
Mário Nuno Neves explica que a sua intenção foi criticar o "chorrillo de baboseiras" dos discursos oficiais e que as mulheres precisam é de ações e de serem reconhecidas "nas suas relações sentimentais, sociais e laborais". "É por isso que não entendo porque sorriem, muitas delas, bovinamente (no sentido plácido e cândido) quando escutam as baboseiras oficiais, que não passam de retórica que nem os factos nem as práticas sustentam", referiu, numa publicação posterior, para tentar dissipar a polémica.
"O cúmulo da má-fé traduz-se no facto de alegadamente ter afirmado que daria com uma cadeira na cabeça a uma filha minha por assistir a essas manifestações, quando o que escrevi é que "uma filha minha daria, com toda a certeza, com uma cadeira na cabeça a quem proferisse tamanhas baboseiras". Diferente, não?", concluiu.


www.jn.pt

Sem comentários :

Enviar um comentário