AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


terça-feira, 21 de março de 2017

Portugal comprou 524 toneladas de carne contaminada do Brasil


De acordo com os dados do Instituto Nacional de Estatística, importações representaram 3,44 milhões de euros. Presidente brasileiro tenta minimizar danos do caso da carne adulterada


Portugal importou de forma direta, em 2016, 524.519 quilos de carne do Brasil, equivalentes a 3,44 milhões de euros, de acordo com os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), 2,29 milhões de euros (equivalente a 284.812 quilos) de carne de bovino congelada, a que se soma 1,02 milhões de euros (284.812 quilos) de carne fresca ou refrigerada de vaca e 85,1 mil euros de carne fresca, refrigerada ou congelada de aves (52.008 quilos), avança esta terça-feira o jornal Público.
Esta semana, a polícia federal do Brasil realizou uma grande operação contra a venda ilegal de carne para desarticular uma organização criminosa formada por grandes empresas do ramo alimentar que supostamente pagavam luvas para fiscais federais libertarem produtos sem verificação.
Entre as empresas envolvidas no caso estão a BRF e a JBS, duas companhias do Brasil que atuam no mercado global, disse o delegado federal Maurício Moscardi Grillo. O portal de notícias G1 citou escutas policiais para informar que as empresas envolvidas chegaram até a alterar produtos para vender carne estragada do Brasil para o exterior.
Em comunicado, a Polícia Federal explicou que "a operação detetou, em quase dois anos de investigação, que as Superintendências Regionais do Ministério da Pesca e Agricultura do Estado do Paraná, Minas Gerais e Goiás atuavam diretamente para proteger grupos empresariais, em detrimento do interesse público".
Entretanto, a Comissão Europeia garantiu que está a acompanhar a investigação a fraudes envolvendo produtos animais de consumo e que todas as empresas envolvidas estão impedidas de exportar para a União Europeia (UE).
"A Comissão está informada sobre a investigação que decorre no Brasil e pediu, na sexta-feira, clarificações às autoridades brasileiras", disse o porta-voz do executivo comunitário para a saúde, Enrico Brívio, na conferência de imprensa diária.
Bruxelas, adiantou, "garantirá que todas as empresas envolvidas na fraude estão impedidas de exportar para a UE", adiantando que a Comissão pediu aos Estados-membros para aumentarem os controlos sobre a carne vinda do Brasil.


www.dn.pt

Sem comentários:

Enviar um comentário