NOTA


Os textos assinados por outrem ou retirados de outros blogs ou sítios não reflectem necessáriamente a opinião ou posição do editor do "desenvolturasedesacatos"

segunda-feira, 13 de março de 2017

poesia: António Garrochinho

A poesia vem de dentro dele, dos escombros
das recordações sábias que transporta nos ombros
da face enrugada, espelho da solidão
do milho que ele dá aos pombos
que não o temem e lhe vêm comer à mão
a poesia vem de dentro dele, o mar agora calmo
que conhecedor da vida lhe cabe num palmo
velho marujo combatente de tormentas
da profundeza do seu pensamento como um salmo
das mãos calejadas conhecedoras das ferramentas
a poesia vem, virá sempre
do magma e da lava que rompe
a terra que mesmo virgem é impotente
e deseja ser desflorada
pelo poeta que é gente
António Garrochinho

Sem comentários:

Enviar um comentário