AVISO

O administrador deste blogue não é responsável pelas opiniões veiculadas por terceiros, nem a sua publicação quer dizer que delas partilhe, apenas as publica como reflexo da sociedade em que se inserem, dando-lhes visibilidade, mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia de situações menos claras do ponto de vista ético.

Atenção este blog tem tradutor se quiser traduzir clique com o botão direito do rato ou procure o tradutor no fim da publicação e clique onde diz traduzir para português ou outro idioma.


segunda-feira, 13 de março de 2017

poesia: António Garrochinho

A poesia vem de dentro dele, dos escombros
das recordações sábias que transporta nos ombros
da face enrugada, espelho da solidão
do milho que ele dá aos pombos
que não o temem e lhe vêm comer à mão
a poesia vem de dentro dele, o mar agora calmo
que conhecedor da vida lhe cabe num palmo
velho marujo combatente de tormentas
da profundeza do seu pensamento como um salmo
das mãos calejadas conhecedoras das ferramentas
a poesia vem, virá sempre
do magma e da lava que rompe
a terra que mesmo virgem é impotente
e deseja ser desflorada
pelo poeta que é gente
António Garrochinho

Sem comentários :

Enviar um comentário