AVISO

O administrador deste blogue não é responsável pelas opiniões veiculadas por terceiros, nem a sua publicação quer dizer que delas partilhe, apenas as publica como reflexo da sociedade em que se inserem, dando-lhes visibilidade, mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia de situações menos claras do ponto de vista ético.

Atenção este blog tem tradutor se quiser traduzir clique com o botão direito do rato ou procure o tradutor no fim da publicação e clique onde diz traduzir para português ou outro idioma.


quinta-feira, 16 de março de 2017

Pirata de 16 anos invade site da PJ



Indiciado por sabotagem informática e acesso ilegítimo.

Primeira grande operação aconteceu em fevereiro de 2015. Foram levadas a juiz oito pessoas 
A primeira grande operação da Polícia Judiciária na luta contra hackers aconteceu em fevereiro de 2015 com a detenção de oito suspeitos. 

Nessa altura, o fundador do site Tugaleaks, Rui Cruz, também foi detido e foram constituídos 17 arguidos. Em maio do ano passado, foi lançada a operação Caretos II, que levou à constituição de mais 16 arguidos. Os ataques não terminaram e agora a PJ deteve mais um elemento do extenso grupo Anonymous. Tem 16 anos, é estudante e integra o grupo responsável por vários ataques a sites ligados a organismos do Estado. 

O jovem está indiciado por sabotagem informática e acesso ilegítimo. No ano passado, o grupo elaborou um ataque concertado a vários sites - Supremo Tribunal de Justiça, Citius e Parlamento. No mundo empresarial foi atingido o site do Novo Banco. 

O grupo ousou invadir o site da própria Polícia Judiciária, que esteve inoperacional durante largas horas. Este jovem de 16 anos integrou o grupo e mesmo com a detenção dos outros elementos continuou a aceder a sites de forma ilícita. Segundo a Polícia Judiciária, "esta investigação insere-se num modelo de atuação que visa a identificação de autores de crimes desta natureza, bem como a intervenção a nível preventivo, sobre a atividade criminosa conotada com o chamado hacktivismo". O jovem vai ser levado a um juiz para aplicação das medidas de coação.

 http://www.cmjornal.pt/

Sem comentários :

Enviar um comentário