AVISO

O administrador deste blogue não é responsável pelas opiniões veiculadas por terceiros, nem a sua publicação quer dizer que delas partilhe, apenas as publica como reflexo da sociedade em que se inserem, dando-lhes visibilidade, mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia de situações menos claras do ponto de vista ético.

Atenção este blog tem tradutor se quiser traduzir clique com o botão direito do rato ou procure o tradutor no fim da publicação e clique onde diz traduzir para português ou outro idioma.


sábado, 18 de março de 2017

Parece uma pena, mas são milhares de humanos



Um monte de penas flutuando no ar ou um monte de corpos deitados em um fundo preto? Em um primeiro momento, a resposta óbvia é a primeira; em um segundo, porém, ao olhar mais atentamente a obra de Angelo Musco, repara-se que ali estão seres humanos e não plumas.

Entitulada “As Aves”, a série é composta por nove penas que simbolizam os nove meses de gestação dos seres humanos. As obras fazem parte do estilo de Musco, que tenta humanizar paisagens através da arquitetura da natureza. Em seu último projeto, por exemplo, ao invés de penas ele fazia ninhos compostos por humanos.

“Eu chamo de ‘Paradoxo da Leveza’ porque existe esse poder e força que vem da comunidade de milhares de corpos entrelaçados, porém é só uma pena. Ironicamente, parece ser esforço e elegante, mas é o resultado de um processo coordenado e meticuloso de muito tempo. Os modelos não se conhecem, apenas se juntam e trabalham duro para se transformar nesta mágica coreografia”, afirma Musco.

Assista ao vídeo abaixo e veja os detalhes da composição da obra:


bizarroeestranho.blogspot.pt

Sem comentários :

Enviar um comentário