AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


sábado, 18 de março de 2017

Marcelo e Soares dos Santos


Entre outros, dois fundamentos 
impecáveis para uma condecoração

Até vem na Wikipédia
Corrida ao Pingo Doce de 2012

Data1 de maio de 2012
Resultado50 ocorrências registadas pela PSP; inúmeros desacatos; pelo menos 2 feridos transportados para um hospital.
«A 1 de maio de 2012, como resultado de uma campanha de vendas que garantia desconto de 50% para clientes que adquirissem mais de 100 euros em compras, promoção aliás bastante comum em países desenvolvidos, como os Estados Unidos da América, verificou-se uma corrida à cadeia de hipermercados Pingo Doce, nas mais de 369 lojas espalhadas por todo Portugal.
A promoção resultou num afluxo anormal de viaturas e consumidores para junto das lojas, tendo a Polícia de Segurança Pública registado cerca de cinquenta ocorrências, entre as quais desacatos e agressões, tendo mais de metade ocorrido na região deLisboa.[1] Um desentendimento entre dois clientes num estabelecimento comercial naSenhora da Hora provocou dois feridos, que foram transportados para o Hospital Pedro Hispano, no Porto. Foram ainda registadas agressões entre clientes, em Lisboa, em duas superfícies da Amadora, e uma em Loures, onde um homem foi conduzido à esquadra para identificar e registar a ocorrência.[2]
O grupo Jerónimo Martins, detentor do Pingo Doce, negou acusações de dumping após a atração mediática que os incidentes tiveram na imprensa e opinião pública portuguesa. A Autoridade de Segurança Alimentar e Económica encontra-se a investigar eventuais infrações levadas a cabo com a campanha.[3] A questão foi ainda debatida na Assembleia da República, onde a esquerda parlamentar acusou o grupo Jerónimo Martins de práticas ilegais: Catarina Martins, do Bloco de Esquerda, acusou a Jerónimo Martins de “esmagar” a concorrência “aproveitando a situação de aflição dos portugueses”. Agostinho Lopes, do Partido Comunista Português, fala de “mais um ato de prepotência de um grande grupo de distribuição”, constatando que “aparentemente são eles que mandam no Governo”.[4]
Várias pessoas que testemunharam os acontecimentos publicaram vídeos em sites de partilha, como o YouTube, que mostram multidões e prateleiras vazias.[5] Um dos vídeos é uma paródia à grande afluência de pessoas à campanha do dia 1 de maio de 2012 do Pingo Doce.[6]2 de agosto, a Autoridade da Concorrênciaaplicou ao Grupo Jerónimo Martins uma multa de 29.927,88 euros, a que se somam 250 euros de custas, pela prática de 15 contraordenações relativas à campanha.»


Este artigo encontra-se em: o tempo das cerejas 2 http://bit.ly/2nvQmt2

Sem comentários:

Enviar um comentário