AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


quinta-feira, 9 de março de 2017

Luís Cunha Ribeiro e Lalanda de Castro, arguidos da operação "0 Negativo", estão em liberdade desde 1 de março, a


Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa alterou medidas de coação

Luís Cunha Ribeiro e Lalanda de Castro, arguidos da operação "0 Negativo", estão em liberdade desde 1 de março, avança a SIC Notícias. De acordo com esta fonte, o ex-presidente da Administração Regional de Saúde de Lisboa e do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) e o ex-administrador da farmacêutica Octapharma em Portugal tiveram as suas medidas de coação alteradas pelo Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa.
Os dois arguidos estavam em prisão domiciliária. O Tribunal decidiu agora colocá-los em liberdade com proibição de manterem contacto um com o outro e de saírem do país.
No inquérito da 'Operação O Negativo', dirigido pelo Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Lisboa, investigam-se suspeitas de que Lalanda e Castro e Luís Cunha Ribeiro - ex-presidente do INEM -, que estava ligado a procedimentos concursais públicos na área da saúde, terão acordado entre si que este último utilizaria as suas funções e influência para beneficiar indevidamente a Octapharma.
Em causa estão factos suscetíveis de se enquadrarem na prática de crimes de corrupção ativa e passiva, recebimento indevido de vantagem e branqueamento de capitais.


www.dn.pt

Sem comentários:

Enviar um comentário