AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


sexta-feira, 31 de março de 2017

gostar da terra

E eles, elas, gostam muito da sua terra sómente quando os buracos da estrada não lhes estragam os pneus do pópó, quando há bailarico e se sentam à mesa do casal rico, quando largam um vibrante yehaaaaa! na linguagem que não é de cá, quando tagarelam na mesa do café em gritarias e histerismo de grande cholé.*
Do país, das gentes, a maioria que vive mal, desconhecem, não se importam, vivem à revelia dessas preocupações, elas ajeitam o penteado, eles coçam os colhões.

* cholé=barulho (calão)
António Garrochinho

Sem comentários:

Enviar um comentário