AVISO

O administrador deste blogue não é responsável pelas opiniões veiculadas por terceiros, nem a sua publicação quer dizer que delas partilhe, apenas as publica como reflexo da sociedade em que se inserem, dando-lhes visibilidade, mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia de situações menos claras do ponto de vista ético.

Atenção este blog tem tradutor se quiser traduzir clique com o botão direito do rato ou procure o tradutor no fim da publicação e clique onde diz traduzir para português ou outro idioma.


segunda-feira, 20 de março de 2017

Despedimentos coletivos diminuíram 22% em 2016


Dos 421 processos de despedimento coletivos realizados em 2016, quase todos foram desencadeados por micro e pequenas empresas

Desde 2008 que o mecanismo de despedimento coletivo não era tão pouco utilizado por empresas portuguesas. No ano passado, 421 empresas fizeram despedimentos coletivos para dispensar 4712 trabalhadores. Por comparação com números de 2015, o número de despedimentos coletivos caiu 22%, conta o “Diário de Notícias” esta segunda-feira.
Dos 421 processos de despedimento coletivos realizados em 2016, a grande maioria foi desencadeada por micro e pequenas empresas – uma tendência recorrente nos últimos anos.
Segundo os dados da Direção-Geral do Emprego e das Relações de Trabalho, 2016 foi o ano em que a diferença entre o universo de trabalhadores sinalizados para serem despedidos e aqueles que efetivamente o foram mais se acentuou. Nos últimos anos, os despedidos equivaliam a cerca de 93% dos sinalizados, mas em 2016 foram 84%.

Sem comentários :

Enviar um comentário