NOTA

OS TEXTOS ASSINADOS POR OUTRÉM OU RETIRADOS
DE OUTROS BLOGUES OU SÍTIOS NÃO REFLECTEM NECESSÁRIAMENTE
A OPINIÃO OU POSIÇÃO DO EDITOR DO "desenvolturasedesacatos"

quinta-feira, 30 de março de 2017

A perversidade do torpor


Esta é a história de um homem que estava preso em si próprio.

Ele tinha uma cabeça arrumada, consistente. Era uma pessoa sabedora, eloquente, de palavra áspera. Pensava bem e pensava sobre o que não se via, o que é uma qualidade rara nos homens. Era frontal e sensível, afável com quem lhe era afável, um ouvido inteligente que aproveitava ideias.

Tinha porém defeitos que lhe gostavam de perdoar. Era teimoso. Não por feitio, mas por convicções. Se era atacado, não esquecia, e isso assemelhava-se a ser vingativo. E quando parecia ser vingativo, tornava-se teimoso por feitio e fechava-se.

Era capaz de se anular em nome de uma estratégia colectiva, ou mesmo na ausência dela. Porque, a seus olhos - mesmo que não fosse a melhor solução - era a mais adequada, por ser o ponto de equilíbrio do momento. E com esse raciocínio, entrava em torpor, deixava que a realidade corresse, esperando que o tempo passasse até chegar ao ponto em que ele estava sentado. E nessa ruminação, perdia a sua visão do futuro.

Um dia, cometeu um erro. E ele soube que o cometera, mas estava naquele momento de torpor. E no seu erro, e enquanto a realidade não passou, prejudicou muitas pessoas. Durante anos.

Sabia que a decisão que tomara fora imperfeita e, na sua imperfeição, acabara por ter o efeito inverso ao que desejara. Sabia que, para o reverter, tinha de reverter o seu erro. Mas temia-o. “Vou parecer um tonto”, disse ele uma vez em público. Não via que um erro é um erro. E que maior é a alma de quem sabe corrigir o que possa ter feito. Sem receios, sem vaidade. Ninguém é perfeito, apenas pode ser perfeita a vontade de fazer bem, com aquilo que se sabe. E quando se sabe mais, faz-se melhor.

Mas ele apenas via os risos alarves. E os jornais a arranjar fotos em que parecesse tonto. E os seus colegas estrangeiros a pressioná-lo. E ao temê-los a todos, caia no seu torpor, e ficava à espera que o tempo passasse por tudo aquilo. Que os estrangeiros se fossem embora, que os jornais não fossem buscar o passado, que os risos nunca surgissem. E quando era invectivado, respondia de forma teimosa, fechada.

Mas interiormente sabia que estava a prejudicar pessoas e que iria prejudicá-las por mais tempo. E acabava a pensar-se que era temeroso. Fraco. Egoísta. Entorpecido. Adiado.

Mas voltava a tudo fazer outra vez. Sem pensar nos outros. Apenas em si. Preso em si próprio

ladroesdebicicletas.blogspot.pt

Sem comentários:

Enviar um comentário