AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


terça-feira, 14 de março de 2017

A DOIDA ! - Cristas aprovou projecto de resolução do BES sem o ler


O Conselho de Ministros nunca se discutiu "com profundidade" os eventuais problemas no Banco Espírito Santo (BES). A garantia veio da líder do CDS-PP, Assunção Cristas, que explicou ao jornal Público que houve apenas "uma referência" do então primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, sobre o tema. A líder centrista adiantou um detalhe polémico: Cristas foi contactada "durante as férias" pela ministra das Finanças, Maria Luís Albuquerque, para assinar "com urgência" - "sem conhecer o dôssier"- a resolução do Banco de Portugal sobre o BES.
"Estava no início de férias e recebi um telefonema da ministra das Finanças a dizer: 'Assunção, por favor vai ao teu email e dá o OK, porque isto é muito urgente, o Banco de Portugal tomou esta decisão e temos de aprovar um decreto-lei'. (...) Como pode imaginar, de férias e à distância e sem conhecer os dossiês, a única coisa que podemos fazer é confiar e dizer: 'Sim senhora, somos solidários, isso é para fazer, damos o OK'. Mas não houve discussão nem pensámos em alternativas possíveis — isto é o melhor ou não —, houve confiança no Banco de Portugal, que tomou uma determinada decisão", explicou Cristas. 
"É aí que critico um bocadinho esta coisa de não termos nada que ver, o Conselho de Ministros não tem nada que ver, mas no fim da história é ele que tem de aprovar o decreto-lei", lamentou a líder centrista.
Quanto à questão do Conselho de Ministros, Cristas explica que nas reuniões em que esteve presente nunca se discutiu o BES "com profundidade". "Não posso garantir tudo porque, de vez em quando, havia um ou outro Conselho de Ministros em que eu não estava, por razões de representação do ministério. Mas discussão em profundidade do problema do BES, das soluções, das alternativas, das hipóteses, isso nunca aconteceu", disse Cristas ao Público.
Contudo, a líder centrista recorda-se de uma referência por Pedro Passos Coelho à questão de injectar 12 mil milhões de euros da troika no Estado, tal como defendia o socialista António José Seguro na altura. Contudo, o ex-primeiro-ministro não quis usar porque não se sabia se poderia haver problemas no BES.


www.sabado.pt

Sem comentários:

Enviar um comentário