NOTA


Os textos assinados por outrem ou retirados de outros blogs ou sítios não reflectem necessáriamente a opinião ou posição do editor do "desenvolturasedesacatos"

sábado, 25 de fevereiro de 2017

Sonae anunciou que teve lucros de 500 mil euros por dia em 2016 - Grande adesão à greve na Sonae


A greve dos operadores de armazém das logísticas da Sonae, na Maia e na Azambuja, por aumentos salariais, pelo fim da discriminação na sua carreira profissional e contra a precariedade, obteve uma elevada adesão
https://www.abrilabril.pt/sites/default/files/styles/jumbo1200x630/public/assets/img/sonae_azambuja_24_fev.jpg?itok=0MF6d4-g
Trabalhadores em greve com Arménio Carlos, secretário-geral da CGTP-IN, no entreposto da Azambuja
Trabalhadores em greve com Arménio Carlos, secretário-geral da CGTP-IN, no entreposto da AzambujaCréditos
Para além da grande adesão à greve, os trabalhadores da logística da Sonae realizaram piquetes de greve e manifestações na Maia e na Azambuja, informa o Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços de Portugal (CESP).
Há operadores de armazém das logísticas da Sonae, com «cinco, dez, 15, 20 anos de casa», que auferem 557 euros. O sindicato denuncia que a Sonae anunciou salários de 565 euros para as novas admissões, valor que não abrange todos os trabalhadores, para além de não ser reconhecida a diferenciação entre níveis de qualificação.
A empresa paga a estes trabalhadores baixos salários, mas não deixam de anunciar estrondosos lucros – a própria Sonae anunciou que em 2016 teve lucros de 500 mil euros por dia.
Continua a existir a diferença entre a carreira profissional de operador de armazém e a de operador de loja, sendo que, no topo da carreira, as diferenças salariais chegam a ultrapassar os 80 euros por mês. O sindicato afirma que continua a não haver uma proposta, quer da Sonae, quer da associação patronal (Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição – APED) para que haja uma correcção desta discriminação.
A empresa paga a estes trabalhadores baixos salários, mas não deixam de anunciar estrondosos lucros – a própria Sonae anunciou que em 2016 teve lucros de 500 mil euros por dia. Os trabalhadores também lutam pela passagem a efectivos dos trabalhadores contratados a termo ou colocados por empresas de trabalho temporário.
Concentração dos trabalhadores da Sonae nas instalações da Maia
Perante a mobilização dos trabalhadores, a Sonae, em reuniões que teve com o CESP no dia 22 de Fevereiro e hoje mesmo, já anunciou que está a trabalhar em conjunto com a APED para a apresentação de uma contraproposta que vá ao encontro das reivindicações dos trabalhadores. Segundo afirma o sindicato, os trabalhadores estão determinados em prosseguir as acções de protesto se na reunião de negociação do contrato colectivo agendada para o dia 9 de Março não forem apresentadas propostas que venham ao encontro das reivindicações dos trabalhadores.

www.abrilabril.pt

Sem comentários:

Enviar um comentário