NOTA


Os textos assinados por outrem ou retirados de outros blogs ou sítios não reflectem necessáriamente a opinião ou posição do editor do "desenvolturasedesacatos"

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

MÚSICA COUNTRY

OUTLAW COUNTRY

O Outlaw Movement surgiu após muitos artistas da música Country reivindicarem o seu direito por suas músicas, ele foi uma reação contra o que ocorria em Nashville. No final dos anos 60, a musica Country não passava pelo seu melhor momento. Os movimentos Nashville Sound/Countrypolitan estavam dominando o mercado, os artistas que não estavam mais felizes com aquele aspecto requintado e a mesmice nos estúdios de produção, passaram a se tornar "desviados" daquela cultura onde a música Country fazia união com a musica Pop da época.

Hank Williams
O som dominante da música Country durante a década de 40 e início dos anos 50 foi o Honky-Tonk, popularizado por Ernest Tubb, Hank Williams, Lefty Frizzell, Webb Pierce e Faron Young, logo, para o meio da década de 50, o Honky Tonk abriu espaço para o Rockabilly, que contava com astros como Elvis Presley, Johnny Cash, Carl Perkins e Jerry Lee Lewis. O Honky-Tonk se originou no Texas e no estado do Oklahoma, enquanto o Rockabilly veio de Memphis, no Tennessee. No entanto, foi em Nashville, também no Estado do Tennessee, que a música Country deu um grande passo, principalmente por suas transmissões pelos palcos/rádios do país. No final dos anos 50, uma nova produção estava se desenvolvendo em Nashville, e foi rapidamente batizada por "Nashville Sound". O Nashville Sound fez com que a cidade de Nashville tivesse ainda mais os holofotes da música Country virados para ela.
VÍDEO



Em resumo, o Nashville Sound nasceu com o intuito de extinguir o Rockabilly e embelezar o Honky-Tonk, como já pudemos ver na historia desse movimento, o que eles acrescentaram de novo e removeram de sua musicalidade. O objetivo do Nashville Sound foi emplacar por todo país e por todo mundo, funcionou. Com a vinda do movimento Countrypolitan, Nashville era conhecida até mesmo nas telas de Hollywood.

Outro subgênero surgiu com a chegada do final dos anos 50, o Bakersfield Sound. Esse foi a música Country feita na cidade de Bakersfield, na Califórnia. Um dos seus principais pioneiros, Buck Owens, trouxe o Western Swing, dos anos 30, e deu ao Honky Tonk um toque rústico, respeitando muito ao Honky Tonk de Ernest Tubb e Hank Williams, nos anos 40, Owens exagerou no pedal steel e nos solos de guitarra. Buck Owens e Merle Haggard estavam entre as maiores estrelas da época, "cara a cara" com Nashville. O Bakersfield Sound influenciou muitos artistas, isso inclui até a cena Neo-tradicional, dos anos 80 e principalmente, o Country Rock/Neofolk/Southern Rock, estrelas como: The Flying Burrito Brothers, Creedence Clearwater Revival, Poco, e Eagles, foram um desses nomes. Conheça mais sua história aqui: A história do Bakersfield Sound.

VÍDEO



Enquanto a música que saia de Nashville, tornava-se cada vez mais "elegante", os tradicionalistas, artistas e fãs da musica Country, procurou a autenticidade da música Country dos velhos tempos, o Bluegrass, Folk e o Honky Tonk. Com o Honky-Tonk sendo um dos estilos mais comuns e mais conhecidos, foi esse estilo que passou a ser recuperado pelo "Outlaw Movement" no início dos anos 70, mas claro, com uma diferença, afinal, estamos falado sobre os "renegados", ao contrário da música tradicional Country, em que o baixo normalmente levava a música, no "Outlaw Country" tornou-se comum o uso de bateria, assim como ocorreu com suas guitarras amplificadas. Além disso, o conteúdo em suas canções era retratadas de modo livre, eles falavam sobre o uso excessivo de drogas e álcool, o trabalho pesado, e relações sexuais com várias mulheres ou prostitutas. Inquestionavelmente, esse subgênero da música Country também tinha uma certa concorrência com o Rock n' Roll. O Coração do Outlaw Movement e de muitos artistas, veio do Texas e não de Nashville... Assim como a maioria de seus sucessos foram gravadas lá.

No ano de 1976, a RCA Victor lançou um álbum que daria início a mudança de curso na música Country. O álbum inteiro consistia de 11 faixas, que já haviam sido lançadas anteriormente. O álbum não era uma simples compilação de criadas em base de um certo "greatest hits". Muito diferente disso, o álbum definiu o movimento que estava em crescimento. Ele contava com quatro artistas que foram então, considerados os "criadores" de um novo subgênero: Waylon Jennings, Willie Nelson, Jessi Colter e Tompall Glaser. O disco foi intitulado por "Wanted! The Outlaws". O disco chegou em primeiro lugar nas paradas, e foi o primeiro disco do subgênero a alcançar 1 milhão de cópias.

Hank Williams Jr.
Se reconhecia um "Outlaw" pela sua aparência, por mais que muitos ainda lutassem contra o estereótipo taxado. Os astros do Outlaw Movement, no ápice dos anos 70, viraram bons usuários de simples calças jeans, o chapéu de cowboy encharcado de suor, quando usado, era uma marca registrada. As barbas sempre cheias, botas velhas, camisas do dia-a-dia-, sempre de mangas arregaçadas e botões abertos e colete de couro. O traje deles remetiam ao de simples trabalhadores, que cansados, passavam no bar no resto da noite para tomar uma cerveja e fumar um cigarro... Esse jamais seria um traje fino, como o de antes, onde homens estavam sempre de rostos lisos, cabelo impecável com super pomadas fixadoras, sapatos limpos e novos e ternos. A grande influencia na moda dos anos 70, ficaram a cargo de grandes subculturas que surgiram na época, variavam entre motociclistas à hippies... Logo, esse jamais seria um traje para ser visto nos palcos do Opry. (Não iremos ignorar a dupla "The Country Cavaleers", cabelos longos, música tradicional na ponta da língua, letras "leves", afinal, o seu fudador foi um artistas que fez Pop, Country e Gospel. Há uma de que eles estão no Outlaw Country do bem, o Outlaw Country "anti-drogas". De todo modo, não deixamos eles de lado, como prometido).


VÍDEO



O nome "Outlaw Movement", como muitos imaginam, não foi dado quando as primeiras estrelas do movimento nasceram, muitas pessoas falaram ser o responsável por nomear o tal movimento como "Outlaw Movement". Porém, se foi usado o termo "Outlaw" no final dos anos 60 e começo dos anos 70, não foi a ponto de que um dia o movimento teria esse nome. Pois o que consta é, o nome "Outlaw Movement" foi derivado nada mais nada menos que da canção "Ladies Love Outlaws", de Lee Clayton, que logo viria a ser a canção titulo do álbum de Waylon Jennings, lançado em 1972. Jennings foi a figura chave para o movimento. Quando Jennings viu a sua carreira afundar em Nashville, por ele simplesmente buscar ser dono de suas canções, contextualizando elas da maneira que ele bem queria fazer, entrando inclusive com um processo contra sua gravadora da época, para que ele pudesse estar livre de Nashville, Jennings foi praticamente um dos primeiros a abrirem a porta do movimento para os outros que também sentiam o peso de Nashville. O Outlaw Movement foi muito além do que apenas um Honky Tonk de letras afogadas em whisky e a vida de um "fora-da-lei", o Outlaw Movement veio para principalmente dar ao artista os seus reais direitos sobre as suas criações. Junto aos renegados, estava também o "criador de tendências" outlaw, Tompall Glaser, que juntamente a Jennings lutou contra a indústria de música em Nashville.

Além de Jennings e Willie Nelson, outras figuras importantes do Outlaw Movement foram: Jerry Jeff Walker, Billy Joe Shaver, Guy Clark, David Allan Coe, Michael Martin Murphey, Hank Williams Jr., Emmylou Harris, Tom T. Hall, Bobby Bare e Jessi Colter, não é que esquecemos de Townes Van Zandt, como muitos sabem, o mesmo foi um das peças fundamentais para o movimento, porém, Van Zandt cresceu mais no cenário Folk. O período principal da popularidade para o Outlaw Country foi em meados dos anos 70 e 80, embora algumas estrelas continuaram no estilo nas décadas seguintes. Vários outros artistas da música Country, principalmente Johnny Cash, Merle Haggard, Kris Kristofferson e Johnny Paycheck, fizeram parte de grandes movimentos dentro do cenário Country, mas se chegaram ao Outlaw Country bem no seu ápice, esses artistas foram bem recebidos pelos membros e fãs.

VÍDEO



Emmylou Harris
Embora os homens dominassem o Outlaw Country, algumas mulheres, como citadas acima, ganharam direitos de serem chamadas de "outlaws". Além da mais conhecida, Jessi Colter, vieram também Tanya Tucker, Sammi Smith e Emmylou Harris. Elas soavam como os pioneiros do movimento, elas foram ao limite usando seu charme e seus dotes líricos, sempre acompanhadas de belo instrumental, sem soar nada clichê.

O Outlaw Country, no entanto, abriu as portas para a definição de que é dar um grande passo dentro da música Country. O movimento "Neo-tradicionalista", que começou em meados dos anos 80, teve uma grande influência do que havia sido feito nos anos 70, eles levaram o Honky-Tonk de volta para a vanguarda, baseando-se no cenário de Nashville, porém, com novas caras e talvez, fracasso na certa. Embora a música Country continuasse com seus flertes com a música Pop, o Honky-Tonk continuava sendo sua principal assinatura em suas canções Country. Talvez um dos maiores legados dos outlaws, foi de fato ajudando o Honky Tonk a reconquistar o seu lugar dentro da música Country.

Cody Jinks
Após a chegada do novo milênio, a música Country já havia passado por várias mudanças, inclusive um novo subgênero havia surgindo, o Alt-Country. Hoje em dia, é muito corriqueiro alguns fãs intitularem seus artistas preferidos de Outlaw Country, mesmo eles apresentando Alt-Country ou Americana, por exemplo. Com a vinda desse novo subgênero e a fração de como esses artistas tornaram-se conhecidos graças a internet, uma certa confusão existe para o fã. Com o avanço da internet, o crescimento dos fãs e novos artistas, colocar o termo "Outlaw Country" em artistas que nem mesmo faz Honky-Tonk, é um erro? Bom. Hank Williams III, neto de Hank Williams, toca Honky-Tonk, traz influências do Metal (Gênero) e não descarta as "Strings" de sua música, ele é um artista Alternativo, porém, intitulado por "Outlaw". Muitos outros astros existem nesse meio e os mesmos usam o subgênero "Outlaw Country", mesmo sendo artistas de Roots (Americana). Não é que seja confuso entender o movimento Outlaw Country, mas se estamos falando do resgate do Honky Tonk em tempos modernos e a forte influência do Outlaw Country feito por Waylon Jennings, Willie Nelson, Hank Williams Jr., David Allan Coe e uma "porrada" de artistas daquela época, podemos dizer que nos tempos de hoje nos tempos os "fieis" ao estilo, são esses: Whitey Morgan and the 78's, Sturgill Simpson, Cody Jinks, Jackson Taylor & The Sinners, Nikki Lane (Sim, Nikki Lane!), Whey Jennings e Wayne Mills Band.

Nos tempos de hoje, definir tudo o que não envolve ao Country Pop, é taxado por Outlaw Country. A música Country tem vários subgêneros, Outlaw e Pop não são os únicos dela. Quando o "Outlaw Movement" aconteceu por meio dos anos 70, a razão era clara. Hoje em dia, estamos apenas nas sombras do que esse grande movimento foi, porém, muitos artistas resgatam com suas almas toda a época onde a música Country era respeitada e lutaram pelo seu direito de permancer aplicando seu estilo próprio em suas canções, assim como fizeram nos anos 80, nos anos 90 e consequentemente, agora. Outlaw não se trata apenas de artistas renegados por grandes indústrias e nem cantar sobre beber e praticar desordem, Outlaw Country significa manter viva a chama da REAL música Country.



VÍDEO

Sem comentários:

Enviar um comentário