AVISO

OS COMENTÁRIOS, E AS PUBLICAÇÕES DE OUTROS
NÃO REFLETEM NECESSARIAMENTE A OPINIÃO DO ADMINISTRADOR DO "desenvolturasedesacatos"

Este blogue está aberto à participação de todos.


Não haverá censura aos textos mas carecerá, obviamente, da minha aprovação que depende da actualidade do artigo, do tema abordado, da minha disponibilidade, e desde que não contrarie a matriz do blogue.

Os comentários são inseridos automaticamente, com a excepção dos que o sistema considere como SPAM, sem moderação e sem censura.

Serão excluídos os comentários que façam a apologia do racismo, xenofobia, homofobia ou do fascismo/nazismo.


segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

ESPECIAL - 23 covers de Leonard Cohen que talvez não conheçam

Le­o­nard Cohen sempre foi um cri­ador lento. Exas­pe­ra­da­mente lento, nas suas pró­prias pa­la­vras. Certa oca­sião, em me­ados da dé­cada de 80, Cohen foi tomar um café com Bob Dylan de­pois de ter as­sis­tido, em Paris, a um ex­ce­lente con­certo do atual Prémio Nobel da Li­te­ra­tura.
Dylan es­tava es­pe­ci­al­mente in­te­res­sado em falar do tema «Hal­le­lujah». A canção es­pi­ri­tual que o for­mi­dável Jeff Buc­kley ele­varia à es­tra­tos­fera do re­co­nhe­ci­mento, al­guns anos de­pois, já era in­ten­sa­mente ad­mi­rada por Dylan.
«Quanto tempo de­mo­raste a fazê-la? — Quis saber. «Dois anos», mentiu Cohen. Na ver­dade tinha de­mo­rado cinco, mas não quis par­ti­lhar os so­li­tá­rios mo­mentos pas­sados em quartos de hotel, de pi­jama, a bater in­dig­na­mente com a ca­beça nas pa­redes até a dar como aca­bada.
«Gosto muito da tua canção ‘I and I’» — disse, por sua vez, Cohen. — «Quanto tempo de­mo­raste tu a fazê-la?» «Uns quinze mi­nutos», res­pondeu Dylan.

CLIQUE NO LINK ABAIXO A AZUL PARA SER CONDUZIDO AO SITE


Sem comentários:

Enviar um comentário