NOTA


Os textos assinados por outrem ou retirados de outros blogs ou sítios não reflectem necessáriamente a opinião ou posição do editor do "desenvolturasedesacatos"

terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Carrilho "ameaçou contratar atirador furtivo para matar Bárbara Guimarães"



Carrilho "ameaçou contratar atirador furtivo para matar Bárbara Guimarães"
    Diretora de programas da SIC e guionista dizem que apresentadora recebia SMS antes de diretos.


    Manuel Maria Carrilho terá enviado mensagens de telemóvel à ex-mulher, Bárbara Guimarães, já depois do divórcio e com ameaças de morte. A revelação foi feita, segunda-feira, por um guionista da SIC e confirmada pela diretora de programas do canal de televisão, durante mais uma sessão do julgamento em que o antigo ministro da Cultura é acusado de violência doméstica.
    João Vieira contou ao tribunal que a apresentadora de televisão recebia as mensagens "dois ou três minutos" antes de começar programas em direto. "O remetente eram números desconhecidos, mas toda a gente sabia que vinham do ex-marido", disse o guionista. João Vieira garantiu ter lido "muitas" dessas SMS e revelou que uma dizia que "iria ser contratado um "sniper" para matar" Bárbara Guimarães. "Outras diziam que o corpo dela era feio, que estava velha ou esquelética, que era uma puta, uma cabrona, que nunca mais iria ver os filhos ou voltar a casa", contou ainda o guionista, acrescentando que a apresentadora "chorava" antes de entrar nas galas em direto. "Depois recompunha-se, fazia a apresentação do programa e no intervalo voltava a chorar", relatou.
    Esta versão foi corroborada por outra testemunha do Ministério Público ouvida segunda-feira. Gabriela Sobral contou que Bárbara Guimarães estava "com medo" de apresentar a primeira gala do "Factor X". "Recebeu uma mensagem que dizia que ia estar uma pessoa na primeira fila que lhe iria dar um tiro", contou. A diretora de programas da SIC acrescentou que um dia se encontrou com Carrilho na "Pastelaria Versailles", em Lisboa, quando este estava com os dois filhos. "Levantou-se, chamou-me imbecil e outros nomes, apontou-me o dedo de forma agressiva e tive medo que me agredisse", contou Gabriela Sobral.



    Sem comentários:

    Enviar um comentário