AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


sábado, 26 de novembro de 2016

26 de Novembro de 1504: Morre Isabel I de Castela, "A Católica"


Rainha de Castela, Isabel nasceu a 22 de Abril de 1451 em Madrigal de las Altas Torres, Ávila. Foi responsável no seu reinado por uma política que favoreceu os descobrimentos e a expansão territorial, bases da formação do império espanhol. Filha de João II de Castela e de Isabel de Portugal, quando tinha três anos, o seu meio-irmão Henrique IV ascendeu ao trono e ela foi posta sob sua custódia. 

Henrique IV reconheceu-a como herdeira do trono de Castela  pelo pacto dos Toros de Guisando, contra as pretensões de Joana, a Beltraneja, filha do próprio Henrique IV. Assumiu o trono, após uma guerra civil contra Joana, decorrida depois da morte de Henrique. Casou-se com o seu primo em segundo-grau, o príncipe Fernando de Aragão e, devido ao seu parentesco próximo, tiveram de pedir permissão ao Papa. Com a morte de João II de Aragão, Fernando, marido da rainha, assumiu o trono aragonês, unindo-se assim os dois reinos. É conhecida como Isabel, a Católica, título que lhe foi concedido a ela e ao marido pelo papa Alexandre VI mediante a bula Si convenit no dia 19 de Dezembro de 1496. 

A expansão territorial de Castela sob o mando dos Reis Católicos, iniciou-se com a anexação do arquipélago das Canárias e terminou (1492), com a conquista de Granada, último reino muçulmano da península ibérica. O evento mais marcante do seu reinado foi a descoberta da América por Cristóvão Colombo, no qual participou activamente do financiamento da viagem e, depois, da evangelização e implantação da igreja nas novas terras.

O seu reinado também  favoreceu a pecuária ovina em Castela e o comércio de lã, centralizou e fiscalizou as operações mercantis com as Índias e saneou a moeda castelhana. Politicamente  fortaleceu as instituições reais, aumentou o controle sobre as ordens militares, a fazenda real, as Cortes, a justiça. No campo religioso e cultural, efectuou uma extensa  reforma do clero, com a ajuda do cardeal Francisco Jiménez de Cisneros, e terminou o processo de unificação religiosa, com a expulsão dos judeus não-convertidos (1492) e a imposição do cristianismo à população árabe. Para fiscalizar o cumprimento dessas medidas, fortaleceu o tribunal da Inquisição. Isabel criou  uma escola palaciana, que elaborou a primeira Gramática castelhana (1492). Morreu em Medina do Campo, Valladolid, a 26 de Novembro de 1504. No seu testamento, reflexo de uma concepção patrimonial do reino, não legou os direitos sucessórios a Fernando, mas à filha Joana a Louca, mãe do futuro imperador Carlos V (I da Espanha), que deu início a uma nova dinastia espanhola, a dinastia dos Habsburgos.

wikipedia (Imagens)

Ficheiro:Isabel la Católica-2.jpg
Possível imagem de Isabel, a Católica
Ficheiro:Isabeldecastilla.jpg
Arquivo: Losreyescatolicos.jpg
Fernando e Isabel com os seus súbditos - Autor desconhecido
Ficheiro:Emanuel Gottlieb Leutze - Columbus Before the Queen.JPG
Cristóvão Colombo apresenta-se a Isabel I de Castela - Emanuel Gottlieb Leutze

MATEMÁTICA


Enquanto isso todos têm a vã ilusão de que as coisas irão mudar sem que mexam os braços, sem que lutem para melhorar a sua vida e a dos seus esperando que se o seu candidato for eleito não precisarão lutar jamais. Não conseguem vislumbrar que a força está nos seus braços, na unidade de todos para combater as esparrelas de poucos.
A LUTA SERÁ SEMPRE ENTRE EXPLORADOS E EXPLORADORES E O CONFRONTO TEM QUE EXISTIR SENÃO FICA SEMPRE TUDO NA MESMA.
Senão houver desobediência, revolta contra as leis. as práticas de exploração, passando quase despercebido enquanto nos vamos digladiando, o ‘sistema’ lucra, e lucra muito e nós perdemos muito até perder tudo.
António Garrochinho

Biografia de Um Monstro do Blues – Sonny Boy Williamson




Sonny Boy Williamson foi, de muitas maneiras, a última lenda do blues. Na época de sua morte, em 1965, ele havia tido tempo suficiente para ter tocado com Robert Johnson no início de sua carreira e com Eric Clapton, Jimmy Page, e Robbie Robertson ao final da mesma. Neste hiato, ele bebeu muito uísque por todo os Estados Unidos, teve um programa de rádio de grande audiência por 15 anos, excursionou pela Europa com grande sucesso e simplesmente escreveu, tocou e cantou alguns dos maiores blues de todos os tempos gravados em vinil. Suas canções eram cheias de humor mordaz, com letras em grande parte autobiográficas. Embora ele tenha “emprestado” seu nome artístico de outro gaitista muito conhecido, ninguém realmente tocava como ele. Era tido como mal-humorado, como um homem amargo e suspeito, e ninguém teve mais confusão e desinformação sobre sua vida como Sonny Boy Williamson II. Mesmo a sua data de nascimento (ou 1897 ou 1909) e nome verdadeiro (Aleck ou Alex ou Willie “Rice” Miller ou Ford) são fatos que não podem ser verificados com certeza absoluta. De seus dias de infância no Mississippi absolutamente nada se sabe. O certo é que, por meados dos anos 1930, ele estava viajando para trabalhar sob o pseudônimo de “Little Boy Blues”, com lendas do blues como Robert Johnson, Nighthawk Robert, Robert Lockwood Jr. e Elmore James como intercambiáveis ​​parceiros de palco. Ao início dos anos 1940, ele foi a estrela da KFFA, uma rádio de blues com apresentações ao vivo. Como um dos principais artifícios para entrar de vez na história do blues, seu patrocinador sentiu que poderia vender mais seus produtos se associasse sua marca com Miller posando como a estrela de Chicago, John Lee “Sonny Boy” Williamson. Hoje em dia onde todo mundo sabe tudo, é difícil pensar que tal idéia funcionasse e muito menos prosperasse. Afinal, o Sonny Boy real era uma estrela discográfica nacional, e Millers tinha um estilo vocal e gaita que de nenhum modo derivava dele. Mas naquele tempo bastava Williamson não ir ao Sul para que a “farsa” não fosse descoberta. Quando John Lee foi assassinado em 1948 em Chicago, Miller tornou-se finalmente, em suas próprias palavras, “o Sonny Boy original.” Entre seus colegas músicos, ele geralmente era ainda referido como Rice Miller, mas para o resto do mundo ele, de fato, tornou-se o “verdadeiro” Sonny Boy Williamson.

Outra contribuição importante para a história do blues ocorreu quando Sonny Boy trouxe como convidado o ator Elmore James ao estúdio para uma sessão. Com Williamson na gaita e um baterista, Elmore gravou a primeira versão do que viria a ser sua canção de assinatura, de Robert Johnson, “Dust My Broom”. Neste momento, Sonny Boy tinha se divorciado de sua primeira esposa (irmã do bluesman Howlin “Wolf”) e se casou com Mattie Gordon. Em duas ocasiões diferentes Sonny Boy se mudou para Detroit e contribuiu para fazer a terra tremer com solos ao lado de Warren em 1954.

Para um artista de renome nacional, Williamson tinha uma propensão notável em desaparer por meses. Às vezes, quando as reservas de shows em Chicago ficavam muito magras, ele voltava para o Arkansas, para fazer programas de rádio patrocinados, por períodos breves. 
Em 1963 ele estava indo para a Europa pela primeira vez, como parte do Festival American Folk Blues. O boom da música popular norte americana estava em pleno andamento e os europeus estavam trazendo mais e mais artistas de blues, para enfrentar plateias brancas pela primeira vez. Sonny Boy lançou mão de seu saco de truques e roubou o show a cada noite. Ele amava a Europa e ficou na Grã-Bretanha quando a turnê acabou. Começou a trabalhar no circuito de clubes adolescentes, turnês e gravações com os Yardbirds e da banda de Eric Burdon, a quem ele sempre se referia como “Mammimals”. Nos passeios da Folk Blues, Sonny Boy era sempre muito digno e descontraído. Mas no cenário Beat Club, com bandas jovens de brancos, ele usava todos os truques juke-venture que possuia. “Help Me” se tornou um hit surpresa na Grã-Bretanha e na Europa. Em seus meados dos anos 1960 (ou possivelmente mais), Williamson foi verdadeiramente apreciado e teve toda a atenção do público, então se mudou para a Europa de forma permanente. Mas depois de receber sapatos arlequim de dois tons e terno de cavalheiro da cidade (com chapéu-coco, guarda-chuva enrolado e uma maleta cheia de gaitas), ele voltou para os Estados Unidos e foi ao Chess Studios para algumas sessões finais. Quando retornou à Inglaterra em 1964, era como um herói conquistador. Uma de suas gravações finais, com Jimmy Page na guitarra, foi intitulado “I’m trying make London my home”

Em 1965, ele finalmente voltou para casa, no Mississippi, pela última vez. Ainda vestindo o terno feito sob medida ele regalou os locais com histórias de suas viagens por toda a Europa. Alguns ficaram impressionados, outros que o conheciam há anos sabiam que poderia ter muito bem substituído o nome da Europa por “Marte”, para explicar suas façanhas, tão habituados que estavam aos contos fantasiosos de Sonny Boy.

Quando Ronnie Hawkins e seus ex-companheiros de banda, os Hawks, foram tocar na área, ele fez questão de procurar Sonny Boy e passou uma noite inteira apoiando-o, pois Sonny Boy tinha problemas nas articulações. Durante toda a noite, Williamson continuava cuspindo em uma lata de café ao lado dele, e quando Robbie Robertson se levantou para sair do palco durante uma pausa, ele percebeu que a lata estava cheia de sangue. Em 25 de maio de 1965, Curtis e Stackhouse estavam esperando nos estúdios da KFFA para Sonny Boy fazer sua transmissão diária, mas Williamson não apareceu, Curtis então dirigiu-se à pensão onde ele estava hospedado e o encontrou deitado na cama, morto, vítima de um aparente ataque cardíaco Ele foi enterrado no Cemitério Whitfield em Tutwiler, MS, e seu funeral foi à altura de seu renome nacional. 

Ele foi eleito para a  Blues Foundation Hall of Fame em 1980.
Seu legado e seu talento inconfundível ficaram para sempre marcados na alma dos verdadeiros amantes da Blues Music.


VÍDEOS










socoisaestranha.wordpress.com

PORTUGAL NA GUERRA COLONIAL (I)



A INÚTIL GUERRA DE PORTUGAL NA ÁFRICA



Destruição de reduto de guerrilheiros em 1973 – Foto – Mário Ferreira da Silva – Fonte – http://ultramar.terraweb.biz/index.htm

Autor – Rostand Medeiros
Quando trabalhava como Guia de Turismo, na época do auge da vinda dos visitantes estrangeiros para Natal, tive oportunidade de manter muitos contatos com espanhóis e portugueses.
Normalmente os turistas ibéricos retornavam para as suas terras com uma boa impressão de Natal e região e o trato era normalmente mais fácil com os portugueses.
Mas de vez em quando, entre os portugueses, apareciam alguns senhores que por mais que tentássemos atende-los da melhor forma possível, sempre se mostravam insatisfeitos. Normalmente se apresentavam irritados, nervosos, muitas vezes fumando muito e denotando um constante stress. Em uma ocasião, em um hotel na Via Costeira, uma colega teve um problema com um casal de portugueses e houve uma alteração. Na companhia de um colega tentamos buscar ajudar, mas não teve muito jeito e o Senhor subiu para o seu quarto chateado com uma questão que depois soube ser uma coisa simples.

Perto de Sanza, Angola – Foto – Fernando de Sá Ferreira – Fonte – http://ultramar.terraweb.biz/index.htm

Tanto assim que logo a sua Senhora, com muita gentileza típica da maioria dos portugueses, se dirigiu até a nossa colega e pediu desculpas pelo ocorrido. E argumentou para justificar a reação do seu esposo que ele era um “neurótico de guerra”.
Na hora nós três não compreendemos muito bem o que ela quis dizer, mas me recordei que quando era criança, ouvi falar que os portugueses haviam tido sérios problemas em suas antigas colônias africanas.
Procurei então aprender um pouco mais sobre este assunto.
ANTECEDENTES 
Após o fim da Segunda Guerra Mundial, a imagem política africana sofreu uma alteração profunda em vinte anos. Surgidos nas primeiras décadas do século XX, foi no final da Segunda Guerra Mundial que os pequenos movimentos nacionalistas e pro-independência ganharam força, levando à queda das potências colonizadoras. Vários países colonizados principalmente por ingleses e franceses buscaram se libertar de suas Metrópoles, muitas vezes utilizando o conflito armado em busca deste desejo de liberdade.

1914 – Hasteamento da bandeira portuguesa em Angola – Fonte – http://angola-luanda-pitigrili.com

O fim do colonialismo na África passou por várias etapas até que os países sob a influência estrangeira conseguissem alcançar a tão sonhada independência. As principais organizações que contribuíram para o arranque deste processo foram a Sociedade das Nações, sucedida pela ONU, que após a Segunda Guerra Mundial começou a pressionar a Europa no sentido de pôr termo às tradições colonialistas.
Mas enquanto as nações colonizadoras europeias deixavam suas antigas colônias livres, Portugal, que não havia participado da Segunda Guerra Mundial, não dava mostras de abrir mão de comandar os destinos em Angola, Guine Bissau, São Tomé e Príncipe, Cabo Verde e Moçambique.

Salazar – Fonte – http://marcomoreiras.blogspot.com

Desde 1932 comandava o Presidente do Conselho de Ministros de Portugal o  nacionalista Antônio de Oliveira Salazar, que havia implantado o chamado Estado Novo, uma ditadura antiliberal e anticomunista, que se orientava segundo os princípios conservadores autoritários. Interessante era que o povo português elegia Presidentes da República, regularmente eleitos por sufrágio universal, mas que tinham na prática funções meramente cerimoniais. O detentor real do poder era o Presidente do Conselho de Ministros e era ele que dirigia os destinos da Nação.
Durante o seu regime Salazar afirmava que Portugal era um país “Pluricontinental e multirracial” e isso era passado aos portugueses desde a tenra idade. Um senhor de Leiria me comentou que na década de 1940 era normal nas escolas mostrarem aos alunos um mapa da Europa, onde se admitia que Portugal fosse uma pequena nação naquele continente. Mas os professores faziam questão de sobrepor no mesmo mapa, desenhos com os contornos das quatro colônias portuguesas na África e assim mostrar aos garotos que daquela forma, Portugal passava a ser “A maior nação da Europa Ocidental”.

Tropas seguindo para a África em 1972 – Foto – Mário Ferreira da Silva – Fonte – http://ultramar.terraweb.biz/index.htm

Salazar não daria a tão sonhada liberdade aos africanos sem uma luta.
Depois de mais de 400 anos de colonização ininterruptas, em meio a uma ditadura nacionalista que não tinha intenção de abandonar a sua fonte de riqueza africana, somado a toda uma verdadeira “lavagem cerebral” que transmitia a ideia que as colônias eram parte indelével de Portugal e que os jovens militares portugueses estavam defendendo aquilo que era considerado parte do seu território nacional, estava montado o palco de uma grande tragédia.

Soldados portugueses prontos para embarcar para a África – Fonte – http://ultramar.terraweb.biz/index.htm


GUERRA AFRICANA
Por iniciativa do MPLA (Movimento Popular e Libertação de Angola) começa a guerra colonial em Luanda, com o ataque à prisão de São Paulo. Guine seguiu o exemplo em 1963, Moçambique em 1964. Já no arquipélago de São Tomé e Príncipe em Cabo Verde, segundo fui informado, não chegou a existir uma luta armada mais intensa, mas houve muita movimentação política em prol da independência destas colônias.

Tropas portuguesas participando de uma festa com moradores e Cabuca, Guine Bissau – Foto – Antonio Manuel da Silva Barbosa – Fonte – http://ultramar.terraweb.biz/index.htm

Estava iniciada a “Guerra Colonial”, “Guerra em África”, ou “Guerra do Ultramar” (designação oficial portuguesa) Para os africanos seria tão somente a sua “Guerra de Libertação”.
Com o início dos conflitos, Salazar não poupa esforços e começa a reforçar seus contingentes militares nos três teatros de operações e logo os combates começam a tomar proporções enormes para um país de recursos limitados como Portugal.

UM comboio de tropas motorizadas – Foto Manuel Alves B. – Fonte – http://ultramar.terraweb.biz/index.htm

Para se ter ideia deste crescimento, no final do ano de 1960, o dispositivo militar português em Angola limitava-se a três regimentos, dois batalhões de Caçadores (infantaria), um grupo de reconhecimento e um batalhão de Engenharia, num total de 6.500 militares, dos quais 1 500 eram oriundos de Portugal. Um ano depois este número saltou para 33.000 militares, valor que foi subindo sempre até 1971, quando o efetivo era de 65.000 combatentes portugueses em Angola. Em Moçambique as forças de Portugal foram reforçadas em 1961 com 11.000 homens, aumentando até 1973, ano em que esta cifra chega a 51.000. Na Guine, de cerca de 5.000 homens, os portugueses chegaram a ter 32 mil homens dez anos depois.

Decolagem de avião Texan T-6, de combate a guerrilha – Foto – Mario Arteiro – http://ultramar.terraweb.biz/index.htm

Até 1974, ano final de todos os conflitos, serão mobilizados mais de 800 mil combatentes.
O regime do Estado Novo nunca reconheceu a existência de uma guerra, considerando que os movimentos independentistas eram apenas terroristas. Os africanos por sua vez, diante de limitações bélicas, sendo profundos conhecedores do terreno, utilizam em larga escala a guerra de guerrilha como forma de combater os portugueses, provocando inúmeras baixas nas tropas metropolitanas.

Descanso em Mueda, Moçambique – Foto – Sérgio Faustino das Neves – Fonte – http://ultramar.terraweb.biz/index.htm

As ações dos africanos eram realizadas por pequenos grupos armados e estas guerrilhas não foram facilmente contidas, tendo conseguido controlar uma parte importante do território, apesar da presença de um grande número de tropas portuguesas que, mais tarde, seriam em parte significativa recrutadas nas próprias colónias.
Durante o conflito, uma das estratégias das forças portuguesas foi igualmente caracterizada por uma forte ação psicológica junto à população local. O objetivo era obter o apoio da população, desmoralizar o inimigo, procurando mesmo que este passasse a cooperar com o seu adversário e manter elevado a moral das próprias tropas.

Panfleto espalhado na Guine, incentivando a entrega de armas entre os guerrilheiros – Fonte – http://ultramar.terraweb.biz/index.htm

Os principais meios utilizados para a ação psicológica eram a propaganda, a contrapropaganda e a informação. Em relação às populações africanas, fazia-se o possível para lhes “conquistar o coração” através de programas de educação, ajuda sanitária, económica e religiosa, dando-lhes melhores condições de vida.

 zona de combate – Foto – Fernandos Ramos – Fonte – http://ultramar.terraweb.biz/index.htm

A política de ação social das forças portuguesas materializava-se nos “aldeamentos” e “reordenamento rural”, criando, assim, um ordenamento e controlo da população, dificultando o seu contato com os guerrilheiros. Estes “aldeamentos” eram vigiados pelo exercito português, como por uma milícia composta por elementos da própria população, que também fazia parte da rede de informação da polícia secreta portuguesa. No entanto, este sistema de concentração da população em aldeias começou a ser posto em causa por volta de 1967, quando alguns oficiais, polícia e funcionários públicos argumentaram sobre a ruptura causada à área rural abandonada e ao seu futuro desenvolvimento. No início da década de 1970, cerca de um milhão de pessoas tinham sido realojadas em Angola, e outro tanto em Moçambique, no âmbito do programa.

Guarnecendo uma vila – Foto – Domingos Pereira Martins – Fonte – http://ultramar.terraweb.biz/index.htm

Enquanto isso em Portugal, durante muito tempo, grande parte da população foi iludida pela censura à imprensa. Onde se vivia sob a ilusão de que não havia uma guerra na África, mas apenas alguns ataques de terroristas.
UM ALTO CUSTO 
Enquanto os portugueses enfrentavam os africanos, no outro lado do mundo os norte-americanos se atolavam na cruel Guerra do Vietnam.



Sob muitos aspectos os dois conflitos possuem muitas similaridades; guerra de guerrilhas, um exército mais forte que não consegue vencer um oponente teoricamente mais fraco, uso de guerra psicológica, etc. Mas se existiam similaridades, as diferenças eram enormes, pois Portugal não possuía apenas um “Vietnam”, mas três conflitos para dar conta no mesmo continente.
Uma grande diferença nestes conflitos estava no fato das forças armadas dos Estados Unidos utilizarem armamentos de última geração, enquanto Portugal possuía um equipamento extremamente obsoleto, com alguns aviões ainda do período da Segundo Guerra Mundial.

Patrulha – Foto – Fernando Ramos – Fonte – http://ultramar.terraweb.biz/index.htm

Tal como os americanos no Vietnam, na África os deslocamentos dos militares portugueses eram constantes, mas sujeitos a emboscadas ou destruição de veículos com o uso de minas terrestres de alta potência explosiva.

Outubro de 1972, guerrilheiro preso – Foto – Jaime Catarino – Fonte – http://ultramar.terraweb.biz/index.htm

A mata era a melhor proteção para os guerrilheiros, sendo necessários fortes deslocamentos de unidades portuguesas nestas regiões, com a destruição de acampamentos dos inimigos. Durantes estas guerras os portugueses fizeram largo uso de artilharia pesada e bombardeios através do uso de aviões.

Janeiro de 1973, artilharia em Canacassala, Angola – Foto – Alvaro Sacadura Nunes – Fonte – http://ultramar.terraweb.biz/index.htm

Durante os 13 anos de guerra africana, registou-se um total de 8 290 mortos nas três frentes de combate. O número mais elevado registou-se em Moçambique (1 481); seguem-se Angola (1 306) e Guine (1 240)
Já em relação aos feridos, o número é difícil de calcular, estimativas apontam para um total de 30.000. Mas talvez a pior situação seja daqueles que foram afetados pelas sequelas psicológicas das ações de combate. Acreditasse que em Portugal que são cerca de 140.000 os antigos militares com “stress de guerra”, uma doença mais grave do que se supõe.

Portugueses mortos em explosão de mina terrestre – Foto – João Petrucci – Fonte – http://ultramar.terraweb.biz/index.htm

Mas há outra ferida que as próprias autoridades procuram esconder o mais possível: os desaparecidos em combate.
Isso ocorreu devido a uma situação verdadeiramente nefasta que, segundo fui informado por um veterano, ocorreu por parte do governo português em relação aos seus soldados. Enquanto no conflito do Vietnam, os norte-americanos possuíam a política de nunca deixar um companheiro para trás e faziam questão de transportar os corpos dos caídos em combate de volta para casa. No caso dos combatentes portugueses, se a família tivesse dinheiro para pagar o caixão, traslado e as obrigações de praxe, bem, o militar era enterrado em casa. Se não, deixava o falecido enterrado no solo da antiga colônia e longe da família.

Resultado de outra explosão de mina terrestre – Foto João Petrucci – Fonte – http://ultramar.terraweb.biz/index.htm

Em meio a áreas de mata fechada, sem apoio de helicópteros (que até existia, mas em número limitado), com o inimigo rondando pela região, algumas vezes os combatentes portugueses mortos foram enterrados onde e como fosse possível. Isso se houvesse condições.
Muitas famílias portuguesas não tiveram o privilégio de prantear seus entes queridos mortos em uma guerra tão inútil.
PORTUGAL PERANTE O MUNDO DURANTE A GUERRA
No auge do conflito Portugal pagava quase 40% do seu Orçamento do Estado para sustentar a sua máquina de guerra. Situação que ajudou a manter o país extremamente pobre em relação ao padrão Europeu. Nesta época houve um forte crescimento da imigração de portugueses para outros países.

Desembarque em helicópteros no norte de Angola – Foto – Mário Ferreira da Silva – Fonte – http://ultramar.terraweb.biz/index.htm

Enquanto isso no exterior, a guerra na África tornava Portugal cada vez mais impopular perante o resto do Mundo.
A partir de 1960, com a adesão de 17 novos países a ONU, resultado das independências que ocorreram na África e Ásia, cresceu a contestação à política colonial portuguesa. Desencadeou-se, dentro e fora da ONU, um forte movimento contra Portugal que levaria à aprovação, nos diversos órgãos da instituição com sede em Nova York, de numerosas resoluções visando combater a política colonialista portuguesa. Tanto que em 1967, como forma de apoio concreto aos movimentos de libertação, começa as pressões dentro da ONU para que Angola, Moçambique e Guine Bissau, passem a ter representantes próprios nas várias instituições especializadas da organização e que Portugal fosse excluído como país membro da instituição.

Muitas fotos mostram os soldados portugueses barbudos e com aspecto pouco militar. Mas eles eram eficientes – Foto – José Piteira – Fonte – http://ultramar.terraweb.biz/index.htm

Em Setembro de 1968, ocorre a substituição de Salazar (que vem a falecer em 1970) por Marcelo Caetano na chefia do governo português. Criou-se, tanto interna como externamente, a expectativa de uma possível evolução do regime e na possibilidade de se encontrar uma solução política para a questão da luta. Mas na prática nada muda e a guerra continua.
Em Fevereiro de 1972, o Conselho de Segurança reúne pela primeira vez em África e os representantes dos movimentos nacionalistas das colónias portuguesas são recebidos.

Blindado no meio da selva – Foto – Manuel Alves – Fonte – http://ultramar.terraweb.biz/index.htm

O Conselho de Segurança da ONU reconhece a legitimidade das lutas travadas pelos movimentos de libertação para alcançar o direito à autodeterminação e independência. Para o governo português esta resolução seria objeto de repúdio, sendo considerada não obrigatória e uma inadmissível intromissão nos assuntos internos de um Estado membro. Mas logo o governo português sofre outro revés com a proclamação da República da Guine Bissau, a 24 de Setembro de 1973 e o isolamento internacional de Portugal acentua-se ainda mais. A independência da Guine viria ser reconhecida pelas Nações Unidas durante a XXVIII sessão da Assembleia-geral, pela resolução 3061, de 2 de Novembro do mesmo ano.
A REVOLUÇÃO DOS CRAVOS E O FIM DA GUERRA 
Em Portugal qualquer tentativa de reforma política era impedida pela própria inércia do regime e pelo poder da sua polícia política, a temida PIDE. Nos finais de década de 1960, o regime exilava-se, envelhecido, num ocidente de países em plena efervescência social e intelectual.

A Revolução dos Cravos de 25 de abril de 1975 – Fonte – http://www.forte.jor.br

Internamente a guerra colonial tornava-se tema forte de discussão. Muitos estudantes e opositores viam-se forçados a abandonar o país para escapar à guerra, à prisão e à tortura. Nesta época muitas família e jovens portugueses vieram para o Brasil.
Diante deste quadro, começam a existir divisões no seio do regime. Oficiais de baixa e média patente, formada e criada na guerra, que aprendera a agir com autonomia, dos três ramos das forças armadas, decidem criar o MFA-Movimento das Forças Amadas e levar adiante um golpe de estado.

Armas apreendidas com os guerrilheiros – Foto – Henrique Paulino Serrão – Fonte – http://ultramar.terraweb.biz/index.htm

Em 25 de abril de 1974 estoura a revolta que ficaria conhecida como “Revolução dos Cravos”. O Programa do MFA apresentava, de forma inequívoca, a vontade de possibilitar a independência das colônias.
Com a descolonização se reconfigurou a situação no continente africano, com a criação de novos países independentes em busca dos seus próprios rumos e afirmação nacional.

Avião PV-2 em voo rasante – Foto – Mário Arteiro – Fonte – http://ultramar.terraweb.biz/index.htmMãe Guerrilheira do MPLA de Angola – Fonte – http://www.portaldoprofessor.mec.gov.br

Uma consequência após a independência foi que uma grande massa de combatentes africanos que lutaram ao lado dos portugueses foram abandonados à própria sorte. Logo muitos destes homens sofreram perseguições e vários foram assassinados pelos seus antigos inimigos. Estima-se que (não sei se de forma exagerada), que apenas na Guine Bissau tenham sido assassinados sumariamente onze mil ex-combatentes africanos que lutaram nas forças armadas de Portugal.

As florestas africanas era o local onde os portugueses muitas vezes conseguiam carne. Aqui vemos um javali sendo abatido – Foto – Mario Ferreira da Silva – Fonte – http://ultramar.terraweb.biz/index.htm

Já em Angola foi assinado o chamado “Acordo do Alvor” em Janeiro de 1975, onde participaram além do MPLA, membros do FNLA (Frente Nacional de Libertação de Angola) e da UNITA (União Nacional para a Independência Total de Angola), os três principais movimentos de libertação do país e o governo português. Pouco tempo depois do Acordo assinado, os três movimentos independentistas envolveram-se num conflito armado pelo controle da nova nação no que ficou conhecido como a Guerra Civil de Angola, onde as perdas humanas foram muito significativas.

Artilharia – Foto – Mário Ferreira da Silva – Fonte – http://ultramar.terraweb.biz/index.htm

Já em Moçambique a FRELIMO (Frente de Libertação de Moçambique) foi o movimento que após a independência passou a controlar exclusivamente o poder na região, aliada aos países do então bloco socialista, e introduzindo um sistema político de partido único. O regime provocou a hostilidade dos estados vizinhos segregacionistas existentes na época na África do Sul e Rodésia (atual Zimbábue), que apoiaram guerrilhas oposicionistas internas. Esta situação viria a se transformar em uma guerra civil que durou 16 anos.
 INUTILIDADE
Conforme fui aprendendo cada vez mais sobre esta situação que envolveu e marcou os portugueses e os africanos, comecei a perceber o quanto aquele conflito foi totalmente inútil. Depois, com jeito e calma, buscava conversar isso com senhores portugueses, na faixa de 65 a 70 anos, ex-combatentes e pude perceber que quase todos concordavam plenamente com esta minha opinião.
Tanto sofrimento e morte em meio a tantos anos de guerra e para quê?
Hoje, em meio a uma forte crise econômica,  muitos cultuam Salazar. Se esquecendo que na época em que ele estava no poder não havia liberdade democrática.
Já a Revolução dos Cravos, mesmo se nunca foi uma unanimidade, parece ficar cada vez mais esquecida por uma juventude que percebi pouco se importar com esta época e seus acontecimentos.

Certamente a população nativa e civil, foi quem mais perdeu – Fonte – http://ultramar.terraweb.biz/index.htm

tokdehistoria.com.br


Guiné 63/74 - P7580: As minhas memórias da guerra (Arménio Estorninho) (20): Coluna auto de Aldeia Formosa ao Saltinho


1. Mensagem de Arménio Estorninho (ex-1.º Cabo Mec Auto Rodas, CCAÇ 2381,IngoréAldeia Formosa, Buba eEmpada, 1968/70), com data de 8 de Janeiro de 2011:

Camarigo Carlos Vinhal, cordiais saudações guinéuas.
Comentando “estórias” da sorte e das vicissitudes do Soldado Alzira que fez parte dos efectivos da CCaç 2381, Guiné 1968/70, e que teve
presença efémera no Teatro Operacional.

Com um forte abraço do tamanho do Rio Corubal.
Arménio Estorninho
Ex-1º Cabo Mec. Auto, C.Caç.2381 “Os Maiorais”


AS MINHAS MEMÓRIAS DA GUERRA (20)

Coluna auto de Aldeia Formosa ao Saltinho

Situações passadas durante uma coluna, efectuada no segundo semestre do ano de 1968 no troço Aldeia Formosa – Contabane – Saltinho - Aldeia Formosa. Com a valia de imagens de parte do que eu vi, em que o seu uso foi devidamente autorizado, pelo ex-Capitão Carlos Nery, Cmdt da CCaç 2382 e pelo ex-Fur Mil Mec José Luís Reis, CCaç 2701, Saltinho 70/72, que foi meu colega de Curso na Escola I. C. de Silves.
Sendo o dispositivo das forças de 01 GRCOMB da CCaç1792, 01 GRCOMB da CCaç 2381, 01 Esq do Pel Mort 1242, 01 Sec Fox 2022 e 02 Sec do Pel Caç Nat.

A deslocação ao Aquartelamento do Saltinho tinha o fim da entrega de uma viatura, de um motor e de equipamento diverso.
A operação deu-se num dos primeiros dias do mês de Agosto, quando eram cerca das 07h e 30m, saindo de Aldeia Formosa pela estrada que tinha inicio na pista de aviação e na coluna seguiam 06 viaturas. A escolta militar dispunha-se de forma em que na frente seguiam 02 Secções a picar, 02 Secções nos flancos conjuntamente com guias Caç Nat e os restantes distribuíam-se na protecção às viaturas.
A progressão decorria cadenciadamente com as viaturas a trilharem a picada, que desde o abandono de Contabane pelas NT e população, a mesma não era usada. Assim, havia forte suspeição da existência de engenhos explosivos.

Foto 1 - Guiné> Região de Tombali> Contabane> 1968 > Parte da Tabanca de Contabane, verificando-se a estrada que passa de permeio e em direcção ao Saltinho. 
Com a devida vénia para a Enfª Pára-quedista Ivone, por ter obtido este recorte fotográfico e assim como ao Camarigo ex - Cap. Carlos Nery, Comandante da CCaç 2382, por autorizar a extrair a foto do P6489 e facilitando o seu uso.

Deu-se a passagem por Contabane, que apresentava um estado de destruição das instalações militares e da Tabanca, após o ataque IN, em 22/06/68. Tendem ficado quase reduzidos a escombros, ainda se viam de pé a Mesquita e algumas moranças. Ao tempo, a defesa era composta pela CCaç 2382 e por Caçadores Nativos, que após os acontecimentos efectuaram a total evacuação para Aldeia Formosa.

Foto 2 – Guiné> Região de Tombali> Contabane> 1968 > Como eu vi as moranças incendiadas e reconhecendo-se a Mesquita. 
Com a devida vénia, para a Enfª Pára-quedista Ivone e para o ex - Cap. Carlos Nery, pela autorização de extrair a foto do P6479 e facilitando o seu uso. 

Antes de chegarmos ao Saltinho, ao prosseguirmos por uma clareira deu-se um estrondo seguido de um matraquear de batidas e com imenso fumo na frente de uma viatura. Fica no ar uma suspeição, que a viatura teria accionado uma mina AP. A coluna fez alto.
Foram tomadas as providências, seguindo próximo da viatura imobilizada fui dos primeiros a chegar junto e verificando que o Soldado Alzira era quem a conduzia.
Logo, chega o Cabo Enfermeiro, não havia feridos mas dois militares estavam todos sarapintados de negro. Os picadores que seguiam na frente de imediato compareceram, para tornarem precauções e confirmaram não haver necessidade.

Foto 3 – Guiné> Região de Bafatá> Saltinho> 1970 > Vista para a margem oposta ao Quartel, Ponte Craveiro Lopes sobre o Rio Corubal.
Foto gentilmente cedida pelo o ex-Fur Mil Mec José Luís Reis, CCaç 2701.

Como estávamos próximo do Saltinho, parte do dispositivo da coluna estacionara enquanto a outra parte seguira para o objectivo e feita a entrega, suponho, que à CCaç 2406. Iniciando-se o retorno com o reagrupamento, chegamos a Aldeia Formosa. A coluna realizou-se sem outro qualquer outro incidente, não sendo detectado engenho explosivo e nem havendo contacto com o IN.

Foto 4 – Guiné> Região de Bafatá> Saltinho> 1970 > Belo recorte que eu apreciara do Rio Corubal, tende pela dirt. a Ponte submersível, pela esq. a Ponte Craveiro Lopes e na margem direita o Aquartelamento do Saltinho. 
Foto gentilmente cedida pelo ex-Fur Mil José Luís Reis, CCaç 2701. 

A causa da avaria foi, ter-se desapertado os parafusos da chumaceira da cabeça de uma biela do motor obrigando esta a desprender-se da cambota. No movimento de rotação, a cambota levou a biela ao impacto no bloco, partindo-o. Da fenda emanava óleo que em contacto com as peças mecânicas da zona do motor que estavam a alta temperatura, dai adviera uma fumarada e que exalava imenso cheiro a óleo queimado.

A viatura estava distribuída a um Soldado, que no momento não a conduzia, devido a que o Soldado Alzira tinha-lhe solicitado para o substituir na condução e aquele não se fazendo rogado cedeu-lhe o lugar (tendo-me apercebido da situação).
Lembrando, que numa coluna auto o lugar do condutor era deveras dos mais perigosos, dadas entre outras situações as minas AC e/ou os fornilhos.

Foto 5 – Guiné> Região de Bafatá> Mampatá – Saltinho> 1970 > Sentado na cabine o Fur Mil Mec José Luís dos Reis, de pé o Fur Mil Pires e a clicar para recordar, ambos são da CCaç 2701.

E agora a moral da “estória". Pela situação de avaria da viatura, teria de haver relatório e quem a conduzia não estava habilitado para o efeito. A fazer-se participação da ocorrência, seriam levantados processos disciplinares a ambos os militares por indisciplina e uso com prejuízo da fazenda militar.
Tendo eu feito ver a ambos o acontecimento, que o mesmo iria proporcionar uma situação gravosa, por isso teríamos de dar a volta ao texto. Assim, fazíamos um pacto em que eu nada vi e o relatório da avaria era feito de forma de quem tinha a viatura distribuída era quem a conduzia. Tudo acertado e ficamos mais amigos.
Da minha parte o segredo ficara até hoje, ao Comandante da CCaç 2381 ao tempo, Capitão Jacinto Aidos (hoje Coronel na Reserva) que desculpe o seu subordinado pelas “trocas e baldrocas” e dado que aquela avaria se daria em qualquer momento.

O Soldado Alzira ficou feliz, como gostava de cantar o fado e então era o ex-1.º Cabo Franklin (paz à sua alma) dando os seus belos acordos de guitarra portuguesa e havendo festa rija. Eu, com a minha guitarra dava uns toques e só atrapalhava o andamento da música.

Foto 6 – Guiné> Região de Bafatá> Saltinho> 1970 > Ponte Craveiro Lopes sobre o Rio Corubal, zona balnear do Saltinho em que o ex-Fur Mil Mec José Luís dos Reis, CCaç 2701, está a saltar para a fotografia.

27 de Agosto/68: 
Durante uma coluna Aldeia Formosa – Nhala - Buba, foi accionada uma mina AC por uma viatura que ficou destruída,  provocando ainda um ferido às NT.
Quando se procedia à reparação do pontão de Uane, foi deflagrada uma mina AP por um elemento das nossas forças, que o feriu gravemente. Tratou-se do Soldado Alzira, que pisara e accionara a dita mina, tendo-lhe causado a perda de um pé.

Solicitada a evacuação por meios aéreos (Helicóptero Alouette III), chegado, o piloto disse que  não havia condições (tecto) naquele local para a evacuação dos feridos (TEVS) e que a mesma só seria possível em Nhala. Dado que se estava em época das chuvas, nas bolanhas as viaturas ficavam em atoleiro diversas vezes o que retardava a progressão da coluna.
Era premente a evacuação do ferido devido à perda de sangue, tendo por isso 01 GRCOMB da CCaç 2382, que dava apoio logístico, vindo de Nhala ao encontro da frente da coluna e imediatamente regressara levando os feridos.

E assim, se salvou o Soldado Alzira, que posteriormente foi evacuado para a Metrópole. Ficou grato à Companhia irmã, a CCaç 2382 e à Força Aérea por assim ter saído daquele inferno.
É do conhecimento, que o Alzira continua alegremente a cantar o Fado pelas Casas de Lisboa.


Com um forte abraço do tamanho do Rio Corubal. 
Arménio Estorninho 
Ex-1.º Cabo Mec Auto,
CCaç 2381 “Os Maiorais”
blogueforanadaevaotres.blogspot.pt

Guiné 63/74 - P9123: Se bem me lembro... O baú de memórias do José Ferraz (11): Uma cena do Júlio, em combate: Furriel, os meus t... ?!



Guiné > Zona Leste > Sector L1 (Bambadinca) > Xime > António Fernando Marques e Arlindo Teixeira Roda, dois camaradas da 1ª geração da CCAÇ 12 (1969/71), junto ao monumento da CCAÇ 1550 (1966/68),  unidade de quadrícula do Xime que  antecedeu a  CART 1746 (1968/69), a CART 2520 (1969/70), a CART 2715 (1970/71), a CART 3494 (1972/73) e a CCAÇ 12 (1973/74)... A CCAÇ 12 conheceu bem e duramente, o subsetor do Xime, entre 1969 e 1974... (LG)

Foto: © Arlindo Roda (2010)/ Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné. Todos os direitos reservados.




1. Texto do Zé Ferraz, português radicado nos EUA desde 1970 (vive atualmente em Austin, Texas), ex-Fur Mil Op Esp, CART 1746 (Xime, 1969; CCS/QG, Bissau, 1969/70):


Curiosamente fui eu que fiz os prisioneiros na tal [Op Baioneta Dourada, iniciada em 2 de Abril de 1969, às 0h00, com a duração prevista de dois dias, e com o objetivo de se completarem as destruições dos meios de vida na área, executadas aquando da Op Lança Afiada (8-18 de Março de 1969), na região de Poindon]...

Íamos a sair da mata para uma abertura com capim,  talvez de meio metro de altura,  e um trilho que cruzava essa abertura em sentido perpendicular ao nosso sentido de marcha... Se bem me lembro,  eram dois [turras] e não um... Quando nos demos conta que eles vinham na nossa direcção a conversar e, portanto sem se darem conta de nós ( ainda bem que tinha ensinado ao meu pessoal balanta os sinais aprendidos em Lamego...),  dei ordens para que se alapassem e eu deitei-me de costas para o chão, ao lado desse trilho.


Eles [, os turras,]  só se deram  conta de mim talvez a um par de metros donde eu estava deitado. Levantei o torso,  apontei-lhes a G3 e disse:
A boó firma aí!

Tremiam como se tivessem visto um fantasma e eu ri-me... Foram então levados para junto do comandante dessa operação, e interrogados. O resto da história vocês já sabem. 


Também me lembro agora de mais uma história com o  Júlio que,  como responsável pelos dilagramas, andava sempre ligado a mim. Quando o contra-ataque se desencadeou,  ele e eu abrigámo-nos atrás de um  bagabaga enorme. Começámos a responder, o Júlio por um lado do baga baga e eu pelo outro. 


Tivemos, entretanto,  que nos desabrigar,  disse-lhe para onde atirar os dilagramas e e nisto dou-me conta de que o Júlio está de joelhos no chão a disparar dilagramas e que cai prá frente,  redondo. Atirei-me para junto dele com terrível ansiedade porque estava convencido que ele tinha sido ferido, mas dei-me conta de que felizmente estava vivo. A primeira coisa que me perguntou, foi:
- Furriel,  os meus tomates? !


Houve mais tiroteio,  acabou o contacto,  levanto-me,  ajudo o Júlio a levantar-se e, quando de pé ele puxa as calçaas debaixo dos tomates,  vejo que aí estava um buraco de bala... Uns centímetros mais a cima... e pobre do Júlio!  Disse-lhe,  em descarga nervosa:
- Ah, Júlio ainda bem ..senão nunca mais comíamos galinha!
____________

Nota do editor:


Último poste da série > 30 de Novembro de 2011 > Guiné 63/74 - P9116: Se bem me lembro... O baú de memórias do Zé Ferraz (10): Júlio, o pilha-galinhas do Xime 
blogueforanadaevaotres.blogspot.pt

(...) Quando estava a recordar vendo as fotos da RTX [, Rádio Televisão do Xime,] lembrei-me de outra história do Júlio,  homem desenrascado e esperto até dizer chega...Ora bem,  havia um acordo tácito de que galinha que entrasse para dentro do arame farpado era nossa e ia para o tacho  (...) 



Operação "baioneta dourada"

Guiné 63/74 - P9095: Se bem me lembro... O baú de memórias do Zé Ferraz (6): Não matem a bajudinha...

1. Texto de José Ferraz  (ex-Fur Mil, Op Esp, CART 1746, Xime e Bissau, 1968/70;  radicado nos EUA há desde 1970):



(i) Falando de acção psicossocial, de que sempre fui partidário, lembrei-me que durante uma operação de penetração ao sul do Xime, aprisionámos 2 elementos IN (*). 

Depois de interrogados, guiaram-nos a uma tabanca IN. Fizemos um assalto e durante esse combate ferimos uma miúda, bajuda, com um tiro por detrás do joelho que lhe destroçou a patela [ ou rótula].
- Mata a miúda... - disse alguém.
- Não mata nada - disse eu [, que estava a comandar o pelotão].

E ordenei ao meu pessoal para fazer uma liteira, trazendo a bajuda para o Xime de onde foi posteriormente helitransportada para o hospital em Bissau. Oxalá ainda seja viva. 


Nem tudo na guerra é destruição. Talvez alguém dos meus tempos no Xime se lembre deste episódio. 

(ii) Mas ainda a respeito desta bajudinha do Xime, alguém que não tenha estado nesta situação, é capaz de não perceber o que me levou a fazer o que fiz.... Por outro lado,  se alguém que tenha estado  lá comigo se lembrar [deste episódio], seguramente dirá que o tempo que levámos a preparar a liteira, deu tempo ao IN para começar a mandar morteiradas para dentro da tabanca e tiroteio de armas ligeiras como eu nunca tinha visto. De facto, poderia ter causado sérios problemas, mas graças a Deus tudo correu bem.

A minha intenção é apenas a de dizer publicamente que nós, no mato, e em situações de perigo, tínhamos coração e respeito pela vida humana, nem sempre tudo era ronco e destruição de tudo por onde pássavamos - a [alegada política da] "terra queimada".

José Ferraz (**)

________________

Notas do editor:



(*) Muito provavelmente) trata-se da Op Baioneta Dourada, iniciada em 2 de Abril de 1969, às 0h00, com a duração prevista de dois dias, e com o objetivo de "se completarem as destruições dos meios de vida na área, executadas quando da Op Lança Afiada [8-18 de Março de 1969], na região de Poindon".

As NT eram constituídas por dois 2 destacamentos: 

(i) Dest A: CART 1746 (Xime) (a 3 Gr Comb) + CCAÇ 2314 (Fulacunda ou Tite) (1 Gr Comb); 

(ii) Dest B: CCAÇ 2405 (Galomaro) (a 2 Gr Comb) + CCAÇ 2314 (Fulacunda ouTite) (1 Gr Comb).

Podemos publicar, oportunamente, um excerto do o relatório desta operação, em que foi capturado um elemento IN,  desarmado. Na exploração imediata de informações dadas pelo prisioneiro, o Dest A fez uma batida à zona, surpreendendo "9 homens sentados acompanhados de 2 mulheres" (sic).  Aberto fogo, foram capturadas as duas mulheres, feridas. Os restantes elementos fugiram, com baixas prováveis. 

Entretanto, "ao serem prestados os primeiros socorros às mulheres feridas, um grupo IN de efectivo não estimado flagelou as NT durante cerca de 6 minutos com LGFog, mort 60 e cerca de 6 armas automáticas", sem consequências para as NT. 

(Fonte: BCAÇ 2852, Bambadinca, 1968/70. História da Unidade. Cap II, pp. 78/79).
blogueforanadaevaotres.blogspot.pt