AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


quarta-feira, 16 de novembro de 2016

QUANDO OS PORTUGUESES ERAM REFUGIADOS

Todas as fotos são de emigrantes portugueses em França


Diário de um Parisiense1969
“São esquisitos, baixos e com bigodes e barbas. Chegam, na esmagadora maioria, homens. Elas, quando vêm, cobrem os cabelos com panos e não usam saia acima do joelho.

Muitas são proibidas pelos maridos de cortarem o cabelo. Por vezes, eles ameaçam-nas com uma chapada ou um murro; elas, subservientes, baixam a cabeça e colam as mãos ao ventre. Trazem com eles uma paixão fervorosa pela religião.
Usam colares com o símbolo das suas crenças e são capazes de dar mais do que têm para que o seu local de culto, na sua terra natal, tenha um relógio ou um telhado novo. Rezam, pelo menos, de manhã e à noite. Se puder ser, ao final da tarde, cumprem mais um ritual.



Pagam milhares para saírem do seu país e vêm ficar na miséria. Alguns têm muitos filhos, muito mais do que aquilo a que estamos habituados. Deixam-nos sozinhos ou com os irmãos mais velhos, que não vão à escola. Mas são muito trabalhadores.
Bem, na verdade, não roubam exactamente o nosso trabalho, porque aqui há leis que não nos permitem trabalhar 18 horas diárias, embora isso exista e dê jeito a alguns patrões. Mas de certeza que nos roubam qualquer coisa. São diferentes de nós e isso causa-nos má impressão.
Não são muito limpos, cospem para o chão e as suas maneiras em público deixam muito a desejar. Vivem em bairros de lata que mais parecem campos de refugiados. Não sei como conseguem. Se é para viverem na miséria, mais valia ficarem na terra deles.”








A Super Máquina de Espionagem da NSA e o Totalitarismo Instantâneo


NSA
Um artigo sobre um tema que passa muito ao lado da população portuguesa, mas que levanta cada vez mais preocupações nos Estados Unidos (embora ainda não a suficiente).
É o tópico de Turnkey Totalitarianism. Traduzido à letra dá algo como Totalitarismo de Chave na Ignição. Mas uma tradução mais agradável à língua portuguesa seria algo como Totalitarismo Instantâneo.
Qual é a grande dificuldade com que temos de lidar antes de conduzir um carro?
Construí-lo, claro está! Presentemente, nos Estados Unidos, as agências de espionagem já fizeram essa parte. A NSA (National Security Agency / Agência de Segurança Nacional) ergueu um conjunto de infraestruturas cujo objectivo é recolher, armazenar e organizar toda a produção colectiva das comunicações humanas. Telemóveis, telefones, email, media social, pesquisas na Internet, SMS… tudo o que passe por um sistema informático, em todo o mundo.
A primeira parte é a recolha. Esta é feita através de salas de monitorização nas principais companhias de telecomunicações dos Estados Unidos e da intercepção de sinais internacionais que viajam via satélite ou nos cabos de fibra óptica que transmitem a maior parte das comunicações mundiais.
A seguir é feito o arquivamento. Estes centros são também especializados em quebrar cifras (vulgarmente chamadas encriptação, apropriado do inglêsencryption). Um ficheiro ou documento cifrado/encriptado, mesmo que interceptado, é supostamente ilegível sem a palavra-passe correcta. Mas esse poderá ter deixado de ser o caso, se acreditarmos no que nos dizem os funcionários que saíram da NSA por motivos de conflito moral.

VÍDEO (INGLÊS)


Novas técnicas e supercomputadores vão possibilitar quebrar as cifras vulgarmente usadas como a AES. Isto significa que as comunicações bancárias deixaram de ser seguras. Ou as comunicações diplomáticas e governamentais. Significa que os activistas que dependem da encriptação para a sua segurança passam a estar expostos. E mesmo se utilizarmos formas de encriptação mais seguras e complexas, a NSA irá simplesmente armazenar essas comunicações até o próximo avanço tecnológico permitir quebrar a cifra usada. A longo prazo, nenhum segredo poderá estar a salvo. No entanto, isto ainda não é certo, e uma boa cultura de encriptação continua a ser a nossa melhor salvaguarda.
Mas surge a pergunta óbvia. Estamos a falar de quantidades massivas de dados. Mas um Império tem bolsos fundos… O alvo para o Departamento de Defesa americano é uma capacidade de yottabytes. Tendo em conta que se prevê que até 2015 o tráfego global de Internet seja 966 exabytes por ano (e seria preciso um milhão deles para encher um yottabyte) há espaço quanto baste.
A última parte é a organização. Aqueles que desconsideram estas tecnologias usam o raciocínio de que é impossível fazer sentido destas quantidades gigantescas de informação. Mas isto não é o tempo da Stasi. Não precisa de haver um pequeno troll dos serviços secretos a vigiar em tempo real o que o Zé e a Maria dizem e depois armazenar o relatório num ficheiro (daqueles à antiga). O que realmente acontece é que são usados programas de gestão da informação (criados por empresas privadas) que estabelecem ligações entre os dados através de elementos como números de identificação, nomes, datas, pontos de contacto (este telemóvel falou com este, esta conta de email enviou para aquela), localização geográfica, entre outros, de forma a criar uma teia de informação.
Depois imaginem que o Zé e a Maria participam num protesto contra a guerra no Iraque. São ambos identificados pela polícia e colocados numa lista qualquer de “subversivos” (algo que já acontece). Eis que a NSA procura pelos seus nomes na base de dados e xaram: idade, historial médico, emails, informação bancária, rede de contactos, família, amigos e quantas vezes por dia se coçam. Toda a enormidade de informações sobre cada indivíduo que foi introduzida no sistema à distância de uma tecla.
Parece-vos improvável mesmo assim? Considerem a forma como tantas vezes o Google adivinha o que iam escrever com base em meia palavra. Consegue fazê-lo porque construiu uma teia semelhante de informações sobre todos nós através do que introduzimos no seu sistema. As secretas americanas têm acesso a tudo o que o Google tem (não se esqueçam de quão porosa é a relação entre as grandes corporações e o Estados capitalistas – muitas delas ajudam activamente a criar e manter estes sistemas, facilitando o acesso às suas infraestruturas, criando equipamento, disponibilizando técnicos, etc.) mas ainda a muito mais. Para além disso, possuem recursos praticamente ilimitados. Não fica pintado um cenário muito agradável.

VÍDEO (INGLÊS)
O carro está quase montado. Mas ainda faltam umas peças para poder colocar a chave na ignição.
Saber tudo sobre toda a gente é sem dúvida importante, mas isso apenas não garante o totalitarismo instantâneo. No entanto (e não me vou alargar nesta parte) sabemos que os Estados Unidos estão transformados numa nação de polícia militarizada, com a maior taxa de encarceramento do mundo e onde a Constituição e a Lei são cada vez mais letra morta(lembra-vos alguma coisa?), onde o Imperador Bush tornou legítimo levar a cabo guerras de agressão com a experiência do Afeganistão e Iraque e onde agora o Imperador Obama, como o bom burocrata que é, tornou as coisas mais eficientes com uma rede global de drones que circula o planeta à procura de terroristas para lhes largar um míssil na tola. O que é um terrorista? Quem quer que ponha em causa os interesses da cleptocracia em controlo dos Estados Unidos, inclusive cidadãos americanos, que podem ser pulverizados sem julgamento se o Imperador assim o decidir. No melhor dos casos, podem só meter o vosso nome numa lista por engano, o que fará com que sejam raptados e torturados algures num país do terceiro mundo. Se pertencerem a uma organização, talvez façam como fizeram à Wikileaks e lhes cortem o acesso ao sistema bancário mundialou à Internet.
O que tudo isto demonstra é: estamos a lidar com um Império que é um autêntico comboio desgovernado, sem qualquer respeito pela Democracia e Justiça, pronto a usar a morte e a tortura para manter o seu poder, e esse Império irá em breve terminar os preparativos finais na maior máquina de espionagem alguma vez vista pela Humanidade, capaz de a qualquer momento entregar todos os detalhes que passem por um sistema informático de qualquer pessoa no planeta.
Sentem-se confortáveis? O carro está montado. A chave está na ignição. Tudo o que é preciso para varrer os últimos vestígios moribundos da Democracia é virar a chave. Totalitarismo Instantâneo


.casadasaranhas.wordpress.com

CÂNDIDO DE OLIVEIRA NÃO BEBEU PELA SUPERTAÇA - Em Março de 1942, em duas ou três semanas, a PVDE faz uma razia entre portugueses e estrangeiros. São presas 500 pessoas. Todas têm um ponto em comum: são suspeitas de trabalhar para a espionagem britânica. Algumas delas terão em comum ainda outra circunstância, que é a de pertenceram aos quadros clandestinos do PCP e fazerem oposição activa ao governo, em simultâneo com as operações da espionagem britânica. Entre esses elementos detidos está Cândido de Oliveira, conhecido homem do futebol.



                                                                                                   
                                               
                                     


         Em 1941 estaria iminente a invasão da Península pelas tropas do Reich, invasão essa que eventualmente se combinava com a invasão de Portugal pelas forças espanholas conluiadas com Hitler. Lisboa era então, como se sabe, um formigueiro de exilados, refugiados judeus em trânsito para a América e espiões ingleses e alemães.

E se os agentes da Gestapo procurariam criar as condições subjectivas e objectivas para uma invasão, os homens da intelligence inglesa, sob a direcção do chefe das operações secretas para a Península do MI6 - um homem que viria a tornar-se famoso alguns anos depois, Kim Philby, o traidor, o desertor para URSS; por acaso assessorado por outro homem então ainda não tão famoso como viria a ser, Graham Greene, o romancista; e tendo às suas ordens (e este a residir no Hotel Palácio do Estoril) outro romancista que viria a ser famosíssimo, Ian Fleming, o criador de James Bond – seria a organização de pontos de resistência, linhas de comunicação telefónica e radiofónica, desmascaramento de agentes da Gestapo e segurança de circulação dos seus elementos, tudo, enfim, que pudesse ser útil aos ingleses para enfrentar o invasor alemão.

                



A polícia política portuguesa, ao tempo a PVDE (Polícia de Vigilância e Defesa do Estado), antecessora da PIDE, persegue encarniçadamente as organizações subversivas a trabalhar no país, com especial predilecção pelas redes de espionagem aliada – mais especificamente a rede inglesa do SOE (Secção de Operações Especiais). 

                                                                                    

A PVDE, pejada de oficiais corruptos e germanófilos (ao que se dizia nos meios secretos, a começar pelo seu chefe o capitão Agostinho Lourenço), mantinha colaboração estreitíssima com a sua congénere espanhola que era abertamente nem mais nem menos do que uma dependência da Gestapo. Mas o mesmo se poderia dizer da PVDE. 


Entre os mais notórios agentes duplos (PVDE/Gestapo) estavam o Henrique de Sá e Seixas – que tantas vezes eu vi muitos anos depois a tomar café na Brasileira; mais tarde guarda-costas de Salazar (ao que se dizia nos anos 60) e chefe do campo de concentração do Tarrafal; um tal capitão Cumano, homem forte da polícia – Cumano que era a adaptação para português do apelido da sua ascendência germânica, Kuhlman, ou coisa assim, e que despachava directamente com Von Kasthorf, o número um dos serviços secretos alemães em Lisboa; um Sidónio Vilasboas; um António Simões especialista de acções de propaganda; um Correia de Almeida – que torturava à base de longos duches gelados (estaria hoje na moda); um capitão Gaspar de Oliveira – que chegou a capturar e a submeter a interrogatório uma telefonista da embaixada inglesa, querendo saber: 1) onde era a sala dos telefones da embaixada e se era de acesso fácil; 2) se era fácil escutar as conversas; 3) o número de chamadas confidenciais recebidas do exterior; 4) quanto ganhava Miss Maria Silva, a telefonista.


Lisboa fervilhava de tensões. 

                                                                   

Os boatos circulavam a grande velocidade e o mais temido deles era os alemães estarem a preparar acções de sabotagem em pontos estratégicos, inviabilizando as defesas da cidade.


As tarefas essenciais da espionagem alemã (e italiana, não esquecer) em Lisboa incluíam a penetração quanto possível intensa dos círculos afectos aos Aliados, com vista a obter informações de tipo militar e a criar condições para o envio de agentes para as colónias, sem falar, evidentemente, das acções de contra-espionagem que comprometessem ou contrariassem as acções dos serviços aliados.


Especial atenção davam os agentes da Gestapo às casas de prostituição do Cais do Sodré.


Por estranho que pareça, fundaram e geriam (indirectamente) algumas. Mas não seria tão estranho assim, posto que o movimento do porto de Lisboa era muito, marinheiros de todas as nacionalidades chegavam e partiam, e, antes de partirem, iam a essas casas, obviamente, pôr a sua escrita sexual em dia, sempre deixando cair uma ou outra informação, sobretudo se estavam bêbedos, de onde vinham, para onde se dirigia o navio, como se chamava o navio, e por aí fora, informações que eram logo transmitidas aos submarinos alemães que infestavam o Atlântico e afundavam sem rebuço qualquer navio mercante com pavilhão aliado.  


De sociedade com os serviços espanhóis de fronteira, os alemães também contrabandeavam à vontade para fora do país, e em escala considerável, produtos de todo o género, alimentares, algodão, couro, minérios diversos (volfrâmio incluído, e sem prejuízo do que era exportado legalmente), óleos, lãs.

                                                                      

Em Março de 1942, em duas ou três semanas, a PVDE faz uma razia entre portugueses e estrangeiros. São presas 500 pessoas. Todas têm um ponto em comum: são suspeitas de trabalhar para a espionagem britânica. Algumas delas terão em comum ainda outra circunstância, que é a de pertenceram aos quadros clandestinos do PCP e fazerem oposição activa ao governo, em simultâneo com as operações da espionagem britânica. Entre esses elementos detidos está Cândido de Oliveira, conhecido homem do futebol.


        Na imprensa portuguesa nem uma linha a noticiar a leva de prisões.


Em Fevereiro de 1941, Cândido de Oliveira e mais dois companheiros jornalistas do Diário de Notícias e do Diário de Lisboa tinham sido convidados pelo British Council a deslocar-se a Londres para intercâmbios relacionados com o jornalismo desportivo. Eram tempos de guerra e os serviços ingleses de informação interna, o MI5, autoriza-os a entrar no país. Quem não os deixa sair é o portuguesíssimo Secretariado da Propaganda Nacional, personalizado em António Ferro.

                                                                                         

        Enfim, a temática desportiva era uma capa para assuntos mais sérios e secretos, porque o verdadeiro sentido da viagem eram os contactos políticos e uma provável formação em técnicas de espionagem, contra-informação e sabotagem. Além disso, a viagem de conceituados jornalistas desportivos portugueses à Grã -Bretanha servia a propaganda aliada num Portugal onde os germanófilos eram em número considerável (a Alemanha ainda estava a ganhar a guerra e o português, por atavicamente desinteressado do que é importante e sempre sem condições para pensar, gosta de alinhar ao lado do vencedor) e particularmente enquistados ao nível do aparelho de Estado e entre a média/alta burguesia.
     Dessa viagem constariam ainda – segundo o informador da Legião Portuguesa que espiava Cândido de Oliveira na redacção da revista Stadium – encontros com Churchill e De Gaulle, e do relato dela seriam editadas 1.000 cópias destinadas a serem apreendidas pela PVDE, e sendo um único exemplar enviado para o Brasil para então ser feita a partir dele uma edição em grande escala.
        É nesse ínterim do ir e não ir a Inglaterra que Cândido de Oliveira é preso.


        Foi no dia 1 de Março já de 1942, em casa, eram 5 horas da manhã. E diz ele que nada sabia dos motivos da prisão. Ninguém se dera ao cuidado de o avisar de que a PVDE tinha dado início a uma vaga de prisões visando elementos da rede secreta do SOE – serviço de operações especiais controlado pelos serviços secretos britânicos do MI6 – com quem ele estaria em contacto.
                                                                 

    
     Objectivamente, a acusação que pesa sobre Cândido de Oliveira é a de organizar comunicações rádio e alugar apartamentos para encontros secretos de agentes e base de acções de espionagem.
    Na realidade, Cândido de Oliveira é um categorizado agente do SOE (ramificação do MI6), com responsabilidades numa rede secreta na área das comunicações, para a qual tinha a vantagem prática de ser inspector superior dos CTT em Lisboa, podendo por isso fornecer caixas-postais para o movimento clandestino de informação.


    Na PVDE, Cândido de Oliveira recusa-se a responder a quaisquer perguntas. E leva um primeiro tratamento… violentamente agredido por quatro agentes que me partiram os dentes do maxilar superior e me racharam um lábio e a cabeça com um banco… é o que ele alega em carta aos seus contactos.

       
    (Atenção, que me estou a basear numa leitura recente do livro de Rui Araújo O IMPÉRIO DOS ESPIÕES – edição Oficina do Livro -, e porque achei piada à ligação bizarra e de todo imprevisível de um nome histórico do futebol português a acções de espionagem já de um certo coturno. E por essa leitura também fico a saber que o acervo documental referente a Cândido de Oliveira, passados tantos anos, ainda continuava classificado no arquivo dos serviços secretos de Sua Majestade, e só desclassificado por diligência do autor do livro.)


      Depois do tratamento da PVDE, Cândido de Oliveira acaba por admitir uma ligação acerta rede secreta, porque percebe que um elemento dessa rede, preso e provavelmente torturado, o denunciara. Cândido de Oliveira fica portanto identificado como importante chefe de um sector de operações clandestinas sob o pseudónimo de Dr. Menezes – um Dr. Menezes que a polícia internacional até aí se esfalfara para identificar e não conseguira.
        A outra identificação de Cândido de Oliveira no trabalho secreto era PAX. E os relatórios do SOE continuavam a mencioná-lo… a organização PAX continua intacta à excepção da arreliadora prisão do próprio PAX, denunciado por um contacto que foi preso.
        E um PAX recalcitrante vai dar com os ossos no segredo. Nove dias – segundo a espionagem britânica. Depois, é posto incomunicável. Atiraram com ele (segundo conta) para uma cela húmida onde a escuridão era total e onde diz que viveu dez dias como um bicho, comendo no chão, sem assistência médica…a polícia pensava que eu era um comunista, um traidor que queria derrubar o governo – e se calhar, digo eu, até pensava bem…
O estado de saúde dele agrava-se e mandam-no para o hospital prisional de Caxias. Estamos, contudo, em contacto com ele desde o dia em que foi preso. E esse contacto é feito por carta ao chefe operacional do SOE, o major John Grosvenor Beevor, adido militar à embaixada inglesa, e intermediado por um dos guardas prisionais metido na conspiração.

                                                                             

        Fui ontem interrogado desde as 15 até às 5 horas da manhã. Ficou tudo na mesma porque eu nada mais sei nem posso acrescentar.
        O que Cândido de Oliveira gostaria de saber era quem estava também preso, para se poder precaver nos interrogatórios. Gostaria de saber, mas o seu chefe não solta essa informação para ele.
      Quem se mexe é a embaixada inglesa. Um protesto em forma ao Ministério dos Negócios Estrangeiros contra a brutal agressão a Cândido de Oliveira.  


   As acusações contra Cândido de Oliveira discriminadas pela PVDE incluem ainda a organização de grupos de resistência activa e passiva na eventualidade da temida invasão alemã; a oposição às actividades ilegais dos serviços secretos alemães em Portugal – bombas a colocar em navios ingleses e montagem de emissores clandestinos; o envio para a Alemanha e territórios ocupados de propaganda dos Aliados. Uma questão crucial ocupava entretanto o espirito de Cândido de Oliveira na prisão… compreendo que não vou ser libertado já, porque as provas demonstram que participei na preparação de uma acção em nome dos Aliados para o caso de a Alemanha invadir Portugal. Mas, sublinho, é importante determinar se essa acção seria executada caso a entrada dos alemães fosse solicitada pelo governo português. Esta hipótese tem, obviamente, que ser encarada, mas não me ocorreu antes…
        E o que os da polícia política portuguesa mais queriam com os tratamentos dados a Cândido de Oliveira era que ele confessasse, pelo meio das actividades a favor da espionagem inglesa, outras actividades possíveis, a saber: a preparação de um golpe de Estado contra o governo português que coincidisse com o também possível desembarque em Portugal (talvez nos Açores) de tropas anglo-americanas. O que seria bem pensado, diríamos nós hoje, mas que Cândido de Oliveira negara com a veemência que lhe terá custado alguns dentes e o lenho na cabeça.


Digo “lhe terá custado”, porque a PVDE, sabedora do protesto de YP (embaixador inglês Sir Ronald Campbell), imediatamente refuta as acusações que lhe são feitas. É falsa a afirmação de que o nacional Cândido de Oliveira foi agredido, e mais falsa ainda a afirmação de que o brutal tratamento era para conseguir a confissão de que as actividades referidas se destinavam a preparar um golpe de Estado contra o governo português.

                                            

A PVDE atira com a informação de que a revista desportiva Stadium (fundada pelo próprio Cândido de Oliveira) era financiada pelos serviços secretos ingleses, era um cóio de espiões e era por conseguinte uma capa para actividades de espionagem cuja caixa de correio que havia na porta não serviria para outra coisa senão para a circulação de mensagens secretas.

  

(Porque que é que o desinteressante e pretensioso cinema nacional não aproveita estas histórias reais.)
        Num dia de Maio desse fatídico ano de 1942, John Beevor, o contacto dos serviços secretos ingleses, prevê para breve a libertação de Cândido de Oliveira. Previsão errada. Tal não acontece. 


De relevante importância seria a pessoa de Cândido de Oliveira para os ingleses, pois a 21 de Maio, o directório do SOE propõe ao Foreign Office o suborno de alguns guardas da prisão de Caxias, admissivelmente no sentido de preparar a fuga do seu agente PAX. O Foreign Office não diz que não a uma ajuda ao prisioneiro, mas não concorda com o suborno. Ou pelo menos não concorda sem o parecer de Sir Ronald Campbell, YP, o embaixador, e assim os planos de evasão ficam em águas de bacalhau.
Nada lhe fora solicitado, ou sequer sugerido, que não tivesse por motivação a esperada invasão de Portugal pelas tropas de Hitler, a acontecer em concatenação com um ataque a Gibraltar. Uma invasão que só não passou dos planos por consequência das derrotas na frente russa.


Mas será que Salazar pediria ajuda aos Aliados se a Alemanha invadisse de facto Portugal? Ou, inversamente, será que Salazar pediria socorro as forças do Eixo se se desse o caso de serem os Aliados a invadir Portugal?
Questões que lhe martirizavam o espírito em dias de solidão cativa. 
        No dia 18 de Junho, pelas vias de comunicação clandestina habituais, é Cândido de Oliveira quem informa o seu controleiro do SOE da sua próxima deportação para o Tarrafal. Muito agradeço o auxílio à minha família. Eu parto com 5.000$00. Deve chegar-me por algum tempo, pois no campo de concentração não devo ter grandes despesas.
     Cândido de Oliveira parte a 20 de Junho no paqueteMouzinho. A revista Stadium é encerrada e o SOE paga as dívidas e os salários em falta.


        A 28 de Julho, do Tarrafal, Cândido de Oliveira escreve à irmã… minha boa Maria, do coração desejo que estejas bem; eu continuo em tão óptima disposição e excelente saúde que nada admira que obtenha uns cem quilos. Ao menos algo ganho e, quando voltar, estarei mesmo a pedir uma entrada para a troupe de lutadores do Coliseu! Diz-me também algo da bola, o que fizeram, etc., quem ganhou a Taça de Portugal (o Benfica: 5-1 ao Vitória de Setúbal na final – nota minha) e o que eles projectam para o futuro.
     No Tarrafal, Cândido de Oliveira goza de um regime especial, em comparação, claro, com o dos presos anti-fascistas (ou só anti-fascistas e sem protecção de embaixadas estrangeiras). Vive fora do arame farpado e não está sujeito a trabalhos forçados. Ele e os outros, já se vê, porque havia outros também integrantes da rede do SOE. Passeiam. E só são confinados entre as 8 da noite e as 5 da manhã. E é muito devido a esse regime de excepção, compreende-se, que ele pode montar uma linha de comunicação com os serviços ingleses. 
      Mas os serviços ingleses não descansavam quanto ao destino do seu agente feito prisioneiro. E decidem raptá-lo. Não são de modas. E o plano é alinhavado. Contam com a colaboração de um navio francês fundeado ao largo da ilha de Santiago.


     Entretanto, intervém o irmão de Cândido de Oliveira, Leonel, que capitaneia um navio mercante português, oAlferrarede, e que sente o dever moral de ter parte activa na libertação do irmão. Entrava o ano de 43. A ideia era levá-lo para Bathurst, capital do que é hoje a Gâmbia, e daí regressar a Lisboa.
        Os homens do serviço secreto inglês pressionam o seu embaixador quanto à situação do agente PAX. Estará YP (o embaixador) na disposição de falar na libertação de PAX no seu próximo encontro com H.001 (Salazar)? Era uma questão de humanidade, mas questão de humanidade essa que YP considera irrelevante para o caso num contexto mundial em que tantos milhares estavam a morrer de morte violenta. 
      
                                                   

      
     E também seguramente que H.001 levaria isso à conta de ingerência nos assuntos internos de um país (apesar de tudo) soberano. O outro óbice era o seguinte: se YP tencionava pedir a H.001 para suster a actuação dos serviços secretos alemães e italianos em Lisboa, que moral teria se logo a seguir lhe solicitasse a libertação de um elemento dos serviços secretos ingleses? H.001 replicaria sem dúvida que, nesse caso, e dada situação portuguesa de neutralidade, teria de libertar igualmente os agentes alemães e italianos detidos – que pelos vistos também os havia...
        O que H.001 faz é considerar o homem do SOE, e adido militar britânico, John Beevor, persona non grata e expulsá-lo do país – teso aquele H.001…
     Leonel, o capitão de navio irmão de Cândido, borrega nas suas intenções de libertar o preso, mas os serviços ingleses não desarmam e esboçam um plano de rapto alternativo em que Cândido e mais uns quantos seus companheiros de cativeiro fugiriam do Tarrafal com a ajuda de um guarda entretanto subornado chamado Gonzaga, e tendo à espera deles na baía um vaso da Royal Navy, nem menos. Era a Operação Disgorge.


        O MI6 mandara um emissário, um tipo grego, ao Tarrafal, para ver como era e contar como foi. E o emissário elabora um relatório. O comandante do campo é um anglófilo que fora substituir um cruel germanófilo e autorizou o emissário dos serviços secretos ingleses a visitar o campo, incluindo o avistar-se com Cândido de Oliveira. As condições do campo haviam melhorado com a mudança de comandante. A alimentação era suficiente, apesar de básica – não sei se eles estavam habituados a lagosta e caviar – e os prisioneiros recorriam a produtos clandestinamente introduzidos no campo pelos guardas. Agora quanto à fuga a coisa fiava muito fino, fino de mais, era muito difícil fugir dali, o campo era constantemente patrulhado…
    Mas os serviços ingleses continuam a não desarmar. A certa hora previamente combinada da noite, um navio da marinha inglesa estaria fundeado na baía do Tarrafal. Cândido e outro safar-se-iam num bote salva-vidas, iriam ter ao navio e seriam embarcados. O bote seria abandonado de casco virado para cima, sugerindo que os fugitivos teriam morrido no mar. Tudo deveria passar-se depois do meado de Junho, por causa da ondulação forte no Atlântico por essa época. 


        Diz o relatório da abortada Operação Disgorge: quando constatámos que muitos outsiders, incluindo o guarda, tinham conhecimento do plano, vimo-nos obrigados a propor a sua anulação. Logo que os ânimos apaziguarem poderá ser possível fazer escapar Oliveira sozinho. Mas nada se poderia fazer antes do outono.
        Era muita gente a querer pôr-se ao fresco dali, compreende-se. PAX informava que poderiam ser uns seis. E as repercussões políticas não seriam de desprezar. Tudo dependeria da importância das relações que a Grã-Bretanha pretendesse manter com Portugal. E quando H.001 concorda com as facilidades que os Aliados pediam nos Açores, o plano de fuga de Cândido de Oliveira é imediatamente cancelado pelo SOE.
        Em princípios de Dezembro de 43, a embaixada britânica em Lisboa transmite para o Foreign Office a probabilidade da próxima libertação do agente PAX. Afinal, tinha funcionado a pressão diplomática. Cândido de Oliveira poderia chegar a Lisboa no dia 20 de Dezembro, e se assim fosse os ingleses estariam prontos a compensar monetariamente o seu agente PAX pelos dois anos de cativeiro, pela sua acção enquanto agente do SOE, pelos maus tratos e pela perda do emprego.
        E assim acontece. No dia 13 de Dezembro de 43, Cândido de Oliveira e mais quatro embarcam para Lisboa com escala em Bissau.
        Cândido de Oliveira chega a Lisboa a 31 e vai recambiado para o Hospital Júlio de Matos de quarentena, por precaução contra a febre amarela.
        Mas libertado ainda ele não foi.
        Nem a prisão, nem o desterro, nem o paludismo, nem a maldita black-water fever (vi morrer 14, um dos quais tinha ido comigo), nem as ameaças e torturas me modificaram senão no sentido de ter ainda mais ânimo para a luta. Você contará comigo como antes – e como sempre.

                                                      

        Do Júlio de Matos, Cândido de Oliveira vai para a cadeia do Aljube, e da cadeia do Aljube segue direitinho novamente para o forte de Caxias. Andava de Herodes para Pilatos por causa da mesma temática da correlação de forças e liberdades entre agentes ingleses e alemães e italianos a operar em Lisboa.
     Da PVDE, um capitão Catela manda dizer que faziam tenções de libertar Oliveira quando ele regressasse do Tarrafal, mas o embaixador inglês tinha voltado a protestar junto de H.001 contra a ordem de libertação que fora dada para os homens da Gestapo, ao que H.001, teimoso como um corno, havia replicado a YP “pois então, os homens da Gestapo vão continuar presos e o Oliveira e os outros também”.


        Cândido de Oliveira está cheio de dívidas e foi demitido das funções de inspector superior dos CTT. Quando sair finalmente da prisão vai ficar na vida com uma mão atrás e outra à frente.
        Vibrando ligeiramente, na minha opinião, uma corda fadista, continua em comunicação com o seu contacto secreto… nem você nem os nossos amigos têm pois qualquer compromisso formal comigo. Sou o primeiro a reconhecer que os meus sacrifícios, nestes dois anos de prisão, nada são ao pé do sacrifício daqueles que já morreram na luta, dos que combatem nas frentes e dos que estão prisioneiros dos alemães…pois sim, mas também refere que saiu do Tarrafal com a vida completamente arruinada…a polícia, como deve saber, apreendeu todas as minhas economias (cerca de 35 contos) com a alegação de que devia ser dinheiro da Organização…


        
   Cândido de Oliveira, alentejano de Fronteira e casapiano, foi de facto um homem excepcional e uma personalidade das mais importantes do desporto português.


                                                                                               
Foi jogador de futebol, médio-esquerdo, no Casa Pia (cujo clube de futebol fundou) e no Benfica. Foi o primeiro teórico português de futebol – devem-se-lhe algumas máximas ainda hoje citadas: “o treinador quando ganha é bestial e quando perde é uma besta”; ou, por exemplo, que o avançado-centro (no tempo não se falava ainda em pontas de lança) pode passar o jogo todo sem tocar na bola, mas se toca uma única vez e com esse tocar marcar o golo que dá a vitória à sua equipa, pode ser considerado o melhor em campo. Estas e outras, que não conheço ou de que já me esqueci. 


Foi o impulsionador da selecção nacional, de que vem a ser o primeiro capitão num Espanha-Portugal disputado em Madrid em 1921. 

                                              

É o seleccionador nacional no primeiro brilharete do futebol português, nos Jogos Olímpicos de Amsterdão, 1928. Foi treinador, Académica (onde institui as tabelinhas, ou, acho eu, um tiki-taka avant la lettre), Belenenses, F.C.Porto, Atlético e até do Flamengo do Rio de Janeiro. É ele o treinador (talvez o primeiro) do mais histórico Sporting, o dos cinco violinos.
    Na outra vertente importante da sua vida desportiva há o jornalismo, Diário de Notícias, Século, Diário de Lisboa, talvez mais um ou outro¸ e fundador de jornais, a revista Stadium, e o mais importante de todos, com o seu grande amigo Ribeiro dos Reis, A Bola, em 1945 – acabadinho de sair do Tarrafal, como se viu.

                            

        Enfim, Cândido de Oliveira é libertado. 27 de Maio de 1944. Cinco meses depois de ter regressado do degredo no Tarrafal. E vai para casa de um irmão na Figueira da Foz.
 O SOE vai pagar-lhe daí a pouco uma indemnização de 150 contos. O que na época era dinheiro.
     Mas Cândido de Oliveira quer continuar no trabalho secreto e pede uma transferência para onde fosse possível. O Brasil, por hipótese. Permanecer em Portugal é que não, tudo lhe traz más recordações, maus momentos, má vida. A menos que o SOE ainda precisasse dele – fora de questão, acho eu, visto que era um elemento queimado e provavelmente vigiado pela polícia, e que nenhuma utilidade poderia ter para uma organização secreta. E ele sabe disso, com certeza que sabe. Pensa prosseguir uma actividade subversiva e clandestina mas sabe que tal actividade… de novo me levará às mãos da Gestapo luso-alemã…
        Porém, quando lhe propõem a ida para o Brasil que ele tanto almejava e havia sugerido, recusa. 
        É condecorado pelos ingleses. Condecoração que ficará no esquecimento por motivos de ordem política.
        Para não aceitar a proposta para o Brasil – onde já tinha colocação à espera dele, aliás providenciada pelos serviços secretos ingleses a operar no Rio de Janeiro - alega razões de saúde.
         Não sei mais nada da vida secreta de Cândido de Oliveira. Só sei qualquer coisita da actividade desportiva de que falei atrás, a actividade que o tornou realmente prestigiado e famoso no país e impôs o seu nome para uma competição maior do futebol nacional, a Supertaça Cândido de Oliveira. Uma super-taça onde Cândido de Oliveira nunca seguramente bebeu, pelo menos entre 1941 e 1945.
        E sei que morreu a 23 de Junho de 1958, com 61 anos, em Estocolmo, onde, como enviado especial do jornal A Bola, cobria o campeonato do mundo de futebol – pneumonia e complicações cardíacas…


  questoes-de-moral.blogspot.pt