AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


quarta-feira, 7 de setembro de 2016

UMA ANIMAÇÃO ESPECTACULAR E QUE DIZ MUITO !



VÍDEO


CAIA FORA PRESIDENTA DESGRAÇADA (INCLUI VÍDEO COM O POEMA)


CAIA FORA, PRESIDENTA DESGRAÇADA.

caia fora
presidenta desgraçada
antes que seja tarde
e eu não consiga
domar
a minha empregada
que agora deu
pra ler 
e querer ser
bem remunerada
caia fora
presidenta desgraçada
que minha calça cara
e minha temporada
em Miami
está ameaçada
por causa
dessa sua mania
infame
de ajudar 
a pau de arara
a ficar bem alimentada
caia fora
presidenta desgraçada
que eu não vou a NY
desde a semana passada

Resultado de imagem para dilma de costas

que o meu porteiro
agora não quer mais
a macarronada
estragada
que sobrou
do almoço de domingo
retrasado
caia fora
sua comparsa
do diabo
que agora
tá cheio de viado
travesti
e sapatão
beijando na boca
e você fazendo a loca
achando que tudo isso é normal
caia fora, presidenta imoral
antes que o favelado
ache que é igual a mim
e invente de frequentar
cinema
teatro
e fazer turismo em Berlim
caia fora 
presidenta desgraçada
que meu patrimônio
não é capim
pra eu ter que pagar
direitos trabalhistas
de um filho da puta chinfrim
pra ser eu obrigado a vender 
o meu rim
se eu quiser gozar
do meu conforto
e ter cozinheira
lavadeira
faxineira
e motorista
caia fora
presidenta vigarista
que por sua culpa
a economia
virou essa baderna
e o pobre
decidiu
protestar
e não quer mais esperar
pela felicidade eterna
vê se tem cabimento, 
presidenta boçal
o filho da minha manicure
agora se atreve
a ler meu jornal
não tem condição
graças a sua porra-louquice
andar de avião
está pior que uma feira
acredita
que ontem fui no mesmo voo
que uma moradora
de Madureira?
caia fora
presidenta encrenqueira
que minha família
tem um padrão a zelar
e prevejo
descermos de vez a ladeira
se você continuar 
no poder
daqui a pouco
minha querida
vai ter miserável
jurando
que tem direito
a qualidade de vida
e quem se ferra
é meu filho
pois graças a sua insensatez
presidenta desgraçada
o meu caçula de cinco anos
não vai ganhar iphone 6
porque você 
insiste
nesse atrocidade
de que pobre
merece
até frequentar
faculdade
caia fora
e me deixe em paz
enquanto ainda 
há conserto
para todo o mal
que você me faz.

almanaqueiras.blogspot.pt


VÍDEO



NASCIMENTO – MIGUEL TORGA


NASCIMENTO

Nascem os homens como deuses pobres:
Nus e de um ventre que desesperou
De os guardar
Sagrados e secretos no seu lago.
Nascem disformes, sem nenhum afago
Da raiva desabrida que os expulsa
E das mãos aterradas que os recebem.
Bebem
O ar do mundo aos gritos.
Olham sem ver, e são
Surdos e transitórios mitos
Da nossa devoção.


MIGUEL TORGA
in Diário VII, p. 203


Via: voar fora da asa http://bit.ly/2cpe42I

em rota de despedida


WOODSTOK O FESTIVAL ONDE TUDO ACONTECEU



Que tal voltar no tempo e mergulhar no Festival de Woodstock, ocorrido em agosto de 1969, nos Estados Unidos? O festival marcou uma geração de jovens ligados aos ideais do movimento hippie e principalmente a consolidação do Rock”n Roll. Vamos mergulhar neste momento histórico da contracultura.
woodstock-women-fashion-1969-45__880Nos dias 15, 16 e 17 de agosto de 1969, ocorreu, na fazenda de Max Yasgur, nas imediações da cidade de Bethel, Estados Unidos, um dos maiores festivais de música da história, o Woodstock. O Festival possuía um vínculo direto com a contracultura que se desenvolveu exponencialmente nos anos 1950 e 1960 e, sobretudo, com o principal eixo contracultural, o Movimento Hippie. Esse festival aconteceu em uma época em que o mundo estava no auge da bipolaridade geopolítica, isto é, na ambiência da Guerra Fria.
richie-havens-woodstock-691Primeiro nome a se apresentar o cantor e musico Richie Havens e a musica Freedom.
Para entender a importância e a magnitude do Woodstock, é necessário saber que, após a Segunda Guerra Mundial, houve um surto de desenvolvimento tecnológico voltado para a vida doméstica, sobretudo nos Estados Unidos. Era a época do “American Way of Life” (o modo de vida americano), que se tornava um modelo para todo o mundo ocidental. Essa época ficou conhecida também como a “era dos eletrodomésticos”. O fato é que, ao mesmo tempo em que havia esse otimismo social ligado ao consumo, os EUA estavam envolvidos em um dos confrontos mais dispendiosos desse período: a Guerra do Vietnã.  Mais do que nunca abria-se a vez da roqueira do Texas Janis Joplin colocar seu protesto em seu Piece of my heart.
vietnan4A contracultura nasceu como contestação dos jovens ao clima de rivalidade fomentado pela Guerra Fria. A Guerra do Vietnã tornou-se um dos principais alvos desse movimento. As formas de protestos encontradas pelos jovens desse período eram a música, sobretudo o Rock n’ Roll, e as drogas – principalmente as sintéticas, como o LSD e a mescalina. Por meio do som e das letras do rock e também das performances no palco, a contracultura começou a penetrar na sociedade como um todo. Neste clima se apresentou Creedence Clearwater Revival e seu rock rural, também em grande ebulição pelo meio oeste americano.
bab0556O Woodstock representou o ápice dessa era contracultural. O projeto de um grande festival que reunisse os principais representantes do rock daquele período partiu de quatro jovens: John Roberts, Joel Rosenman, Artie Kornfeld e Michael Lag. A proposta era oferecer ao público interessado (a maioria esmagadora de hippies) um festival de três dias completamente voltado ao rock e às práticas contraculturais adjacentes: sexo e drogas.
Alguns autores que estudaram a história do festival dizem que a declaração dos organizadores de que era esperado um público de 60 mil pessoas não procede, haja vista que foram vendidos 180 mil bilhetes bem antes da realização. De toda forma, o evento contou com mais que o dobro de pessoas que haviam garantido sua vaga antecipadamente. Vivendo esse momento do Festival, 400 mil pessoas deliravam na apresentação do grupo Folk  – Crosby, Still, Nash, e Young  com Southern Man.
janisA cidade não suportou a demanda por comida e outras formas de mantimentos para tamanha quantidade de pessoas e teve que recorrer à ajuda das cidades vizinhas. Os organizadores tentaram fazer um evento com as principais personalidades do rock da época, mas nem todos puderam selar o compromisso. Nomes como Jim Morrison, Led Zeppelin e Frank Zappa, apesar de cogitados, não foram ao festival. Entretanto, os três dias contaram com artistas da estirpe de Janis Joplin, Santana, Jimi Hendrix, além de muitos outros que fizeram o sucesso do evento. E com Jimi Hendrix em um dos grandes momentos deste festival – Purple Haze.
henfrixO Woodstock ficou marcado ainda pelas imagens registradas em vídeo tanto dos shows quanto do público e por acontecimentos fatídicos também, como a morte de três pessoas, vitimadas, respectivamente, por atropelamento, rompimento do apêndice e overdose de heroína. Mas, o que ficou para a história foi o acontecimento que marcou um dos mais importantes momentos de uma época que contestou, criou e definitivamente se tornou inesquecível, principalmente para o Rock and Roll. Já no final desta memorável comemoração naquele agosto de 69 em uma tarde de domingo terminava o Festival de Woostock que jamais foi  esquecido por futuras gerações. Volte no tempo e ouça a voz rouca de Joe Cocker cantando ao pôr do sol sua “ With a littlle help from my friend.”

DEPOIS DE  VISUALIZAR TOA A PUBLICAÇÃO VOLTE AQUI E
CLIQUE NO NOME DOS CANTORES E SERÁ DIRECIONADO PARA OS VÍDEOS
jukeJukebox
                                        Joe Cocker – With a litlle help from my friend

www.cidadaocultura.com.br



A MODA DOS FESTIVAIS: WOODSTOCK




Se você for mergulhar a fundo na história da moda, você irá ver e entender que praticamente (ao meu ver) tudo que usamos hoje que é dito como “moda”, não passa de uma releitura do que já foi considerado “moda” décadas atrás. E, inspirada por essa enxurrada de looks do Lolla nas redes sociais, pensei: por que não falarmos então do maior festival de música de todos os tempos: Woodstock, e como ele refletiu na moda os anseios, ideologias e comportamentos de toda uma geração?!


Vamos viajar no tempo?!


Os anos 60, também conhecidos como “os anos rebeldes”, não leva esse nome à toa. Imaginem o contexto daquela época: em 1959, é iniciada a guerra do Vietnã, uma das mais sangrentas da história mundial com mais de 1 milhão de mortos entre civis e militares e o dobro de mutilados e feridos; em 1961, Yuri Gagarin é o primeiro homem a viajar pelo espaço, acirrando ainda mais a corrente espacial disputada entre a antiga União Soviética e os Estados Unidos, também nesse mesmo ano é construído o muro de Berlim; em 1963 John F. Kennedy, então presidente dos EUA, é assassinado em Dallas; em 1968, Martin Luther King é assassinado, no mesmo ano aconteceu uma rebelião estudantil nos EUA contestando as chamadas ”fábricas de conhecimento”, assim chamadas as universidades bem como aumentou-se o número de protestos contra a guerra no Vietnã; e, em 1969, Neil Amstrong é o primeiro homem a pisar na lua.

Ufa! Muita informação para absorver em 1 minuto..haha...mas se faz necessária já que Woodstock aconteceu no final dessa década, em 1969, em uma fazenda localizada em uma cidadezinha  perto de Nova York, chamada Bethel. Onde se esperava em torno de 200 mil pessoas durante os 3 dias de festival, só que mais de meio milhão apareceram para compartilhar 3 dias de paz e música.



Considerado também um festival onde a contracultura era a regra, na roupa não poderia ser diferente. O ecletismo marcante dessa época é expresso na rota hippie e espiritual Marrocos/Índia muito explorada nas estampas de  caftãs floridos, além das estampas psicodélicas impressas em vestidos, macacões, etc. A calça boca de sino, franjas em tudo que você imaginar, as chamadas headbands, um dos acessórios mais usados pelos hippies e óculos com lentes circulares, ou em formato de coração (love Always in the air), marcaram a vestimenta dos participantes desse festival que fez história.  A geração do baby boom, os “babies” do período pós-guerra, batiam de frente com o regime, pedindo o fim das guerras, da violência, da segregação social e racial através de paz e amor.

Jimmy Hendrix sendo a lenda das guitarras com franjas a perder de vista.
Janis Joplin sendo Janis Joplin com seus óculos redondos característicos ;)
Calça floral de diferentes estampas


Fofuras como essa também estavam presentes no festival.
Referências psicodélicas, indianas, marroquinas super coloridas faziam parte do ecletismo daquela época, principalmente em Woodstock. 
Caftã com estampa florida com referências indianas e marroquinas.
Esse chapéu te lembra alguma coisa?! Modinha de hoje que foi moda na década de 60.


E franjas e mais franjas. Adorei o look dela! ;D

Sobreposição de colares que hoje bomba assim como em 1969.
As headbands tão usadas no estilo boho chic de hoje.
Diante do público surpresa e bem além do esperado, se formaram longas filas de carros, onde muitos decidiram seguir o resto do caminho a pé ou tocando um violão sentados na traseira de um carro.
Ônibus símbolo do movimento hippie bem como a Kombi daquela época. Quem nunca quis tirar foto em um ônibus desses?! Eu adoraria! ;D 
Woodstock, a meu ver, foi não só um festival, mas um movimento de contracultura, onde as ideologias capitalistas, a ganância pelo poder, o preconceito e a violência desapareceram, não existiam fronteiras, julgamentos ou padrões a serem seguidos, as pessoas estavam celebrando ali o que é mais genuíno no ser humano: o nosso espírito livre.


www.dresstorun.com.br

A história da moda e as influências no mundo


Créditos Pixabay

A moda vai além das tendências de cores e cortes. Ela evidencia gerações e marca a identidade de personalidades. Pode-se analisar a construção histórica do homem e da sociedade pelas suas vestimentas e pelo seu comportamento. No universo feminino, a moda era ditatorial, os vestidos longos e pesados eram desconfortáveis e nada práticos, usava-se várias saias, formando diversas camadas.
O homem bem-vestido era aquele que usava paletós e calças, mas o tecido era grosso e quente, ainda haviam os coletes, lenços e chapéus.
Com a Primeira Guerra Mundial (1914-1918), as mulheres passaram a integrar o mercado de trabalho, assim, as saias encurtaram e proporcionaram praticidade e leveza. As calças se popularizaram alguns anos depois, nos quadris da estilista Coco Chanel.
Fatos históricos participam de toda a trajetória da moda, como o biquíni (grande impacto para a moda praiana da época), nomeado assim, devido ao nome de uma ilha bombardeada na Segunda Guerra Mundial. Até os anos 20, as classes sociais podiam ser identificadas pelas roupas que as pessoas usavam. Mas uma aceitação bem-sucedida por parte das mulheres em aderir peças práticas ao armário, tornou a moda mais acessível e atraiu um grande número de adeptas.
Estilistas renomados e inovadores
Os estilistas não criam apenas modelos, eles criam ideologias, inventam e reinventam. Conseguir combinar os elementos que a sociedade precisa em determinado momento histórico, exige estudo e visão no segmento de moda.
Confira a relação de alguns estilistas que revolucionaram a moda. Inspire-se e tire as suas próprias conclusões:
cocochanel1
– Gabrielle Chanel, a “Coco Chanel” (1883-1971): revolucionou a moda com a criação de roupas soltas e livre de amarrações, como o espartilho. Incorporou algumas peças masculinas ao armário feminino, a calça foi uma delas. A década de 20 foi exclusivamente de Coco e do seu icônico “pretinho básico”, que perdura até hoje.
CD
– Christian Dior (1905-1957): e seu New Look (1947) renovaram os ares marcados pela Segunda Guerra Mundial. Saias plissadas, cintura delineada, feminilidade, sofisticação e luxo fizeram dele um estilista da alta costura.
VELENTINO-e-i-suoi-abiti
– Valentino Garavani (1936): chamado de “vermelho Valentino” pela grande quantidade do tom vermelho em suas peças, detém o V (seu símbolo) mais reconhecido da moda. Seus modelos possuem cortes diferenciados que realçam a feminilidade.
mary quant
– Mary Quant (1934): ousada e revolucionária, a criadora da minissaia causou um boom nos anos 60. Mary considerava a moda terrível, e sua loja Bazaar foi símbolo da vanguarda das décadas de 60 e 70.
1966-Catherine-Deneuve-avec-Yves-Saint-Laurent2
– Yves Saint Laurent (1936-2008): o “Le Smoking” feminino, de 1966, foi uma grande inovação para todas as mulheres. O famoso terninho é usado em todas as ocasiões, trabalho, festas e até nos eventos mais sofisticados.
A democratização da moda no decorrer dos anos, trouxe para o novo século um leque de opções. Desde o início dos anos 2000, as lojas diversificaram as suas araras: de um lado você encontra vestidos para festas, formaturas e eventos requintados e do outro lado calças jeans.
Há algumas peças que regem o estilo de cada pessoa e que são insubstituíveis no guarda-roupa, mas ninguém está preso a uma regra, a não ser a do próprio gosto. O cinema, a televisão e as novas mídias impulsionam e repercutem as tendências.

VÍDEOS


www.primecursos.com.br