AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


terça-feira, 2 de agosto de 2016

Uma pérola de Assunção Cristas


por Amato
Confesso: adoro estas pérolas de Assunção Cristas! Adoro!

Podia ter posto ali trabalho político numa delas, porque fui ver o jogo da seleção portuguesa contra a Hungria, e estive lá com o senhor Presidente da República. Talvez muitos o tivessem feito, mas eu entendi que não se justificava. Eu não minto.
— Assunção Cristas in DN, a propósito das três faltas injustificadas que deu ao longo do ano parlamentar às quais se juntam mais nove justificadas por “trabalho político”.

Que pérola! “Eu não minto”! Porque o jogo da seleção era mais importante do que o seu trabalho no parlamento! Como se um trabalhador comum pudesse fazer o mesmo, dar uma falta injustificada para ir ao futebol! Que lindo! Que pérola! Que exemplo!

Mas ela não mente! Estejam descansados, tudo se desculpa, porque ela diz a verdade! Esqueçam lá isso! “Eh pá, desculpe lá, chefe! Estou-lhe a dizer a verdade: faltei ontem para ver a seleção na tasca com os amigos!” e estou mesmo a ver o chefe, compreensivo e, até, enternecido, a dar uma palmadinha nas costas do seu funcionário e a dizer: “Esqueça lá isso! Para a próxima, faça igual que eu não me importo.”

Tudo isto vindo do partido da meritocracia, da excelência, da mão pesada sobre os trabalhadores preguiçosos, é muito elucidativo. Já se sabia que o CDS era um dos partidos menos trabalhadores em sede da Assembleia da República, com menos projetos-lei ou propostas apresentadas. Já se sabia. Agora sabemos porquê. Porque há eventos como jogos da seleção cuja importância se sobrepõe à importância da função parlamentar.

A talhe de foice, faz-me lembrar aqueles patrões que, por um ou dois minutos de atraso a picar o ponto fazem questão em descontar ao fim do mês no pagamento ao funcionário, ao mesmo tempo que, eles próprios, reservam-se no direito de pagar ao dia que querem e de se “enganarem nas contas” as vezes que entenderem.

No fundo, é a lei dos dois pesos e das duas medidas que é advogada: uma para a burguesia reinante e, por defeito, virtuosa; outra para o proletariado trabalhador, ordinariamente corrupto.

portodeamato.blogs.sapo.pt

NAS PRAIAS

SEM VERGONHA ALGUMA JÁ ANDAM NAS PRAIAS A PERSEGUIR ALGUNS DESGRAÇADOS QUE LUTAM PARA GANHAR O PÃO.
CUIDADO ! QUALQUER ENTRAM PARA O HOTEL EM QUE VOCÊ ESTÁ HOSPEDADO, INVADEM-LHE O QUARTO À PROCURA DA FACTURA DO CINTO DAS CALÇAS !
OS GATUNOS, OS VERDADEIROS, ESSES CONTINUAM O SAQUE.
AG

A cidade de Varsóvia se congela todos os anos no 1º de agosto e não é porque faça muito frio.



A cidade de Varsóvia, capital da Polônia, se congela todos os anos no 1º de agosto e não é porque faça muito frio. Milhares de habitantes saem às ruas neste dia para lembrar às milhares de pessoas que morreram durante a ocupação da Alemanha na Segunda Guerra Mundial em um dos episódios mais cruéis deixado pela guerra: "Revolta de Varsóvia". Assim como o "Dia da Lembrança" do holocausto em Israel, as pessoas guardam um minuto de silêncio e deixam de fazer o que estão fazendo em sinal de respeito a todas as pessoas que morreram nesta rebelião contra os invasores alemães. A cidade completa se congela deixando um belo postal.

A homenagem é feita em 1º de agosto pois nesse mesmo dia em 1944, ao redor das cinco da tarde, o exército territorial polonês, Armia Krajowa, decidiu libertar a Polônia da ocupação alemã que tinha começado em 1939. Apesar de que conseguiram retomar o controle de grande parte da cidade, o poderio do exército alemão era muito superior e com a chegada de reforços os superaram amplamente em números. Então Varsóvia se transformou em um grande campo de batalha onde os poloneses se defenderam com unhas e dentes. Depois de dois meses de uma cruel batalha, terminaram rendendo-se.

O final da contenda cobrou a vida de 250.000 civis, a maioria vítima de massacres conduzidos por tropas do Eixo, e mais de 85% dos edifícios da cidade destruídos. Hitler, em represália à rebelião, ordenou que destruíssem a cidade e por isso ficou quase em ruínas.

VÍDEO
www.mdig.com.br

CONHEÇA O TUBARÃO DE METAL Seabreacher X







www.arnolds.com.br
Com um motor Rotax com 1500cc a 4 tempos, com capacidade de sobra para colocar esse verdadeiro monstro marinho para bombear 260 cavalos de potência, O Seabreacher X pode atingir uma velocidade de 25 milhas por horadebaixo de água, a uma profundidade de até 50 metros.
Além todos os impressionantes dados técnicos, o que chama a atenção é o seu design. Com formas de vários peixes, o Seabreacher X consegue mergulhar e saltar da água. Realmente impressionante!
VÍDEO




27 fotografias para restaurar a fé na humanidade


O homem que lê para o colega analfabeto, a menina solidária para o professor homossexual, o rapaz que joga com o amigo separados por um vidro. 27 imagens que provam que o mundo não é um lugar mau.


A humanidade tem vivido tempos problemáticos: estamos a lidar com a maior crise de refugiados desde a II Guerra Mundial, o terrorismo parece espreitar em todas as esquinas e as desigualdades e discriminações sociais ainda são uma realidade no mundo moderno. Será que a bondade e a solidariedade desapareceram da face do planeta Terra?

Talvez tenhamos andado a procurá-las nos sítios errados. O Observador encontrou vinte e sete imagens que restauram a nossa fé na humanidade. Nelas podemos ver a generosidade dos adultos, a franqueza das crianças e os simples gestos que podem mesmo mudar (para melhor) a vida de quem nos rodeia. Veja-as na fotogaleria e conheça a histórias dos heróis cujo maior super poder é ter um grande coração.























































observador.pt