AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


segunda-feira, 30 de maio de 2016

DESTAQUE


ALDRABÕES, ALDRABÕES, ALDRABÕES

UM "CANAL PÚBLICO" QUE É UMA VERGONHA
Ao serviço dos Pafiosos. (NEM QUINHENTAS...)
No jornal da tarde da RTP (28/05), uma reportagem das
"MAIS DE - MIL - PESSOAS" que ontem estiveram numa vigília em Fátima pelos contratos de associação.
No jornal da tarde da RTP, uma reportagem das "mais de mil pessoas" que ontem estiveram numa vigília em Fátima pelos contratos de associação. Infelizmente, não foi possível captar mais do que planos de pernas, braços, tshirts e velas. Nenhuma panorâmica da multidão.
No facebook do movimento "Defesa da Escola.", uma foto esclarecedora:

Febre amarela - Vêm padres bispos e freiras Cardeais párocos e sacristães vêm beatas noviças regateiras







Vêm padres bispos e freiras
Cardeais párocos e sacristães
vêm beatas noviças regateiras
vêm a Lisboa todos os mamões
Os donos dos colégios privados
de limusina Mercedes e Jaguar
vêm todos que estão habituados
na grande teta do estado a mamar
Vêm moços de fraldas e de chupeta
que nos últimos dias não têm calado
para irem habituando a mamar na teta
como os pais sempre têm mamado
Vêm tias de Cascais e de todo o país
com ar superior e todo sorridente
pessoas de raça, que se sente feliz
mamando sugando o que é da gente
Vêm os da direita e extrema direita
uns vêm a pé e outros vêm correndo
é gente que só se sente satisfeita
quando vê o pais todo ardendo
Que pena eu tenho dessa gente
que agora vai deixar de mamar
caso para dizer neste momento
vão mas é todos todos trabalhar
Jose Filipe

Tudo ligado.


 



Capitalismo monopolista de Estado 

Não é só a ex ministra das finanças. 

a) Teixeira dos Santos (ex-ministro do PS que, por acaso, nacionalizou e vendeu o BPN).
vai ser presidente executivo do Banco Luso Angolano BIC Portugal, onde Isabel dos Santos domina com 42,5% do capital,

b)Também  Vitorino e Cunha, ex-ministros do PS, foram contratados pelo Santander.

A imprensa dominante justificou dizendo que eles já estiveram ligados ao Santander!

É evidente que estes dois magníficos socialistas estarão do lado do Estado Português nos diversos conflitos que este tem com o banco que os contratou, designadamente nos Swaps, Banif e quejandos!


Os amarelos!

Os colégios privados não são de bétinhos nem de meninos ricos, dizem eles, mas são seguramente dizemos nós, dos directores e donos desses colégios. 

Quanto ganharam ao longo destes anos? 

Quanto receberam do erário público? Estarão os respectivos donos disponíveis para nos mostrarem a sua declaração de IRS?

A igreja, também ela dona de vários estabelecimentos, apoia os colégios privados!


 Está contra uma lei que admite, e até apoia os privados, onde o público não existe, não chega ou não é suficiente! 
É a igreja, que só sabe o «padre nosso», até ao venha a nós o nosso reino .É a igreja dos que estiveram contra a Escola de Mileto; contra o evolucionismo, é a igreja da «Terra centro do mundo», mas ela move-se! 

É a igreja da fogueirinha, da inquisição, do banco do Vaticano, dos vendilhões dos santuários e templos vergastados no seu tempo pelo homem Jesus Cristo. 

Mas há outra igreja. Esperemos que ela se demarque, sem equívocos, da igreja dos negócios.

O ex reitor da Universidade católica com toda a demagogia  e de balãozinho amarelo na mão grita na manifestação
«Liberdade de educação, que é uma liberdade de instituir escolas, de ensinar e aprender»

Mas quem é que põe em causa essa liberdade? 

Que a exerçam ,mas com o o vosso dinheiro, não com o dinheiro público.

Mais clara foi Assunção Cristas, que  «quer sacrificar escolas públicas». Onde há uma privada e uma pública deve ficar a privada. Nem mais.

 Neste caso o dinheiro dos contribuintes já não conta…
Na verdade com todo o cinismo e falta de vergonha o CDS e o PSD dizem agora que as medidas deste governo levam ao despedimento de professores.

Grande descaramento pois são aqueles que no governo anterior com os respectivos cortes, fecharam as portas a 28 mil professores…
A ofensiva contra a escola pública, que Portas e Coelho, realizaram com cortes de mais de 3 mil milhões de euros e encerramento de milhares de escolas, abriu o espaço e serviu de pretexto para o governo PSD/CDS galopar na privatização da escola pública, na multiplicação dos contratos de associação com estabelecimentos de ensino privados e cooperativos, desviando recursos e alunos da escola pública, criando expectativas nos trabalhadores, alunos e pais relativamente à continuidade do ensino privado, financiado pelo Estado, que este não pode assumir.

 Não pode nem deve!



Via: FOICEBOOK http://ift.tt/22uxeGG

SEM ESCOLA PÚBLICA NÃO HÁ LIBERDADE A SÉRIO


Fascismo é quando um homem quiser







ANTÓNIO ARAÚJO 



O texto de José Rodrigues dos Santos representa um lamentável exemplo de como uma amálgama confusa de referências e factos históricos pode conduzir a conclusões erradas.

Em 2016, o panorama editorial português fica marcado pela publicação de dois best-sellers altamente tóxicos: O Pavilhão Púrpura, de José Rodrigues dos Santos, e A Minha Luta, de Adolf Hitler.
Em O Pavilhão Púrpura, Rodrigues dos Santos sustenta que o "fascismo alemão" se chamava "nacional-socialismo" por uma razão muito simples: o sufixo "socialismo" significa que o nazismo é um movimento de origem marxista.  
Em A Minha Luta, logo no segundo capítulo, Adolf Hitler descreve os seus tempos em Viena, e diz: "Foi nessa altura que os meus olhos se abriram para dois perigos que eu mal conhecia e cuja assustadora importância para a existência do povo alemão eu estava longe de suspeitar: o marxismo e o judaísmo".
Um pouco mais à frente, Hitler confessa: "Fiz um esforço sobre mim próprio e tentei ler as produções da imprensa marxista, mas a repulsa que elas me inspiraram acabou por tornar-se tão forte que procurei conhecer melhor os que urdiam estas canalhices". Eram os judeus, obviamente.    

"Contudo, dos milhões de palavras proferidas por Hitler de que há registo, nenhuma indicia que se debruçou sobre os escritos teóricos do marxismo, que tenha estudado Marx ou Engels, ou Lenine (que esteve em Munique não muito antes dele), ou Trotsky (seu contemporâneo em Viena). Fosse em Munique ou em Viena, Hitler não lia para se cultivar ou aprender, mas para confirmar os seus preconceitos", escreve Kershaw na sua monumental biografia do líder nazi (cf. Ian Kershaw, Hitler, Vol. 1 – 1889-1936: Hubris, Londres, 1998, pág. 84).
Adolf Hitler, portanto, nem sequer leu Karl Marx antes de se proclamar anti-marxista. E José Rodrigues dos Santos, pelos vistos, nem sequer leu Adolf Hitler antes de proclamar que o nacional-socialismo tem origem no marxismo.  
Quanto ao fascismo em termos mais genéricos, recomenda-se-lhe a leitura de um livro saído entre nós em 2011. Logo nas primeiras páginas de Fascistas, Michael Mann tem um capítulo chamadoPara uma definição de fascismo (pp. 34ss). Aí, passa-se em revista a abundante literatura académica que tem sido produzida pelos maiores especialistas mundiais sobre o tema. Certamente por lapso ou lamentável distracção, não se menciona o nome do doutor Rodrigues dos Santos, nem os seus recentes trabalhos de filosofia política, como As Flores de Lótus e O Pavilhão Púrpura, ambos demonstrativos da tese de que o fascismo tem origem no marxismo. Mas Michael Mann cita, por exemplo, o insuspeito Ernst Nolte, que, num clássico de 1963 (Der Fascismus in seiner Epoche), identificou um "mínimo fascista", o qual combina três "antis" ideológicos: o antiliberalismo, o anticonservadorismo e… o antimarxismo. No esmagador History of Fascism (1995), Stanley Payne considera a definição de Nolte insuficiente, mas adere à sua ideia de que o antimarxismo constitui uma das características essenciais do fascismo.

O texto de Rodrigues dos Santos publicado neste jornal representa um lamentável exemplo de como uma amálgama confusa de referências e factos históricos pode conduzir a conclusões erradas, sobretudo quando se pretende, com pontinha de imodéstia, apresentar um sound biteprovocatório, estratagema promocional que, de resto, já fora usado pelo autor no lançamento de outros títulos da sua pavorosa bibliografia. Concedendo-lhe um piedoso benefício da dúvida, podemos até pensar que o autor acreditamesmo naquilo que diz, julgando ter feito descobertas revolucionárias, assombrosas, como os heróis dos seus romances. Nesse caso, o problema será de outro foro, mais grave, surgindo geralmente diagnosticado com o epíteto de mitomania. Metendo-se por caminhos sinuosos e veredas que não conhece, o autor de O Pavilhão Púrpura julga que descobriu uma "verdade" onde afinal só existia uma ignorância – a sua. Como se estivesse perante um júri académico ou numa sala de audiências, convoca as "provas que apresento nos meus romances". Infelizmente, nada apresenta de novo. O socialismo juvenil de Mussolini, por exemplo, foi minuciosamente descrito por Renzo de Felice em Mussolini il revoluzionario, 1883-1920 (Turim, 1965, pp. 1-200), por Luciano Dalla Tana em Mussolini massimalista (1964), por Emilio Gentile em Mussolini e "La Voce" (1976) ou por Gerhardo Bozetti emMussolini direttore dell’Avanti (1979). A esta excelsa bibliografia deveremos juntar, a partir de agora, dois romances de José Rodrigues dos Santos, que, ao contrário da presunção do autor, nada acrescentam ao que já consta de publicações respeitáveis como a Wikipedia, quer sobre a influência de Sorel e de Michels, quer sobre as metamorfoses do sindicalismo revolucionário em Itália. A complexa e turbulenta evolução dos movimentos políticos italianos, aliás, passa completamente ao lado do nosso romancista de sucesso. Não se tem presente, por exemplo, que na fundação, em 1919, na Piazza Santo Sepolcro de Milão, dos Fasci Italiani di Combatimento, é já bem notório o predomínio do sindicalismo nacionalista sobre o sindicalismo revolucionário.
Dizer que "o fascismo tem origem no marxismo" estará correcto, num certo sentido, mas é o mesmo que dizer nada, absolutamente nada, do ponto de vista historiográfico e politológico. Como observa Ernst Nolte, é óbvio que sem o marxismo não existiriam o fascismo e o nazismo, justamente porque estes se afirmaram como anti-marxistas (e, para ser coerente, entre as "provas" que revela nos seus romances Rodrigues dos Santos deveria ter apresentado declarações a favor do ideário marxista feitas por Mussolini na sua fase fascista pós-1920 ou por Adolf Hitler nas páginas de Mein Kampf).  
Em suma, para o ponto que interessa – a classificação tipológica dos regimes políticos – qualificar o fascismo como um movimento de origem marxista é um erro, pois as supostas "raízes marxistas" do fascio não caracterizam a essência do seu perfil. Pegando no texto de Rodrigues dos Santos, também poderemos dizer, se quisermos, que o fascismo tem origem no evolucionismo de Darwin ou que o nazismo se inspirou nas leis de Newton. Entra-se no vale-tudo, pois, de facto, isto anda mesmo tudo ligado. Com jeito e audácia, poderemos até sustentar que o Benfica foi campeão de futebol este ano porque o Beira-Mar falhou aquele penálti decisivo contra o Leixões nas semifinais da Taça de 1967. Já agora, e porque nestes últimos livros se aventurou por terras do Oriente, Rodrigues dos Santos deveria ter referido o "fascismo japonês", de que os soviéticos começaram a falar em 1934. A esse propósito, poderia até ter citado o nome do jornalista nipónico Motoyuki Takabatake (1886-1928), antigo anarquista que traduzira O Capital em 1924 e, pouco depois, abraçava a causa nazi – mais uma prova irrefutável de que "o fascismo tem origem no marxismo".

À defesa, Rodrigues dos Santos vem agora dizer que o pensamento dos fascistas "continuou a evoluir", o que é próprio dos seres humanos e doutros animais. Todavia, não esclarece os leitores que, na sua etapa plenamente fascista, Mussolini já havia rompido com o socialismo de juventude. Rodrigues dos Santos afirma, por último, que os fascistas se declararam como antimarxistas, "o que, a partir de certo ponto, realmente aconteceu". É nesse ponto que bate o ponto. Foi precisamente a partir daí que o fascismo se afirmou, cresceu e alcançou o poder, florescendo como um movimento que não só não era marxista como se manifestava, na teoria e na prática, como militante e combativamente antimarxista. Como nota Stanley Payne, só no Outono de 1920 o termo "fascismo" se tornou uma expressão corrente, servindo para designar os cada vez mais violentos Fasci di Combatimento, que se afirmavam nas ruas como vanguarda agressiva e nacionalista de uma "guerra contra o bolchevismo". O número de filiados passou de 20.000, em finais de 1920, para 100.000, em Abril de 1921, quase duplicando esta cifra no mês seguinte. Em Novembro, os Fasci tinham já 320.000 aderentes. Eram agora um movimento de massas, com muitos membros que, sobretudo nas zonas rurais do Norte de Itália, passaram directamente da CGL socialista para o fascismo. As eleições de 1921 foram um triunfo pessoal de Mussolini, tendo os socialistas descido de 32% para 24% e o novo partido comunista obtido uns ínfimos 2,8%. A campanha eleitoral foi de enorme violência: de acordo com um relatório policial, nos primeiros quatros meses de 1921 houve, no mínimo, 206 assassinatos políticos. A violência era tanta que Mussolini foi instado a controlar as suas hostes, expulsando do movimento criminosos de delito comum e outros militantes particularmente agressivos. No dia a seguir às eleições, foram mortos 10 socialistas. Estes reagiram com igual violência, matando 18 "camisas negras" em Génova, em Julho de 1921. Devendetta em vendetta, foi impossível alcançar a paz; e Mussolini percebeu que era melhor organizar a violência a seu favor do que tentar controlá-la. Transformados os Fasci no Partito Nazionale Fascista, este configura-se como uma organização paramilitar e, em Outubro de 1922, marcha sobre Roma, sendo dispensável contar o resto da história. De há muito que os socialistas eram os alvos principais da violência dos fascistas (e vice-versa, note-se), pelo que dizer que o "fascismo tem origem no marxismo" é não perceber nada da sequência temporal dos factos. Numa síntese arriscada, quando o fascismo verdadeiramente surge, quando emerge como autêntico fascismo, de há muito tinha abandonado as suas origens sindicalistas-revolucionárias; e, mais ainda, agora perseguia a tiro e a golpes de navalha os socialistas e os membros de outros grupos de esquerda.
De permeio, é certo, muitos dirigentes fascistas das zonas rurais gritaram "a terra a quem a trabalha". Talvez num próximo romance José Rodrigues dos Santos nos traga a revelação sensacional de que as ocupações no Alentejo em 1975 tiveram origem em Mussolini e nos seus adeptos. Que Deus lhe perdoe.
Jurista e historiador

www.publico.pt

O nosso homem em Berlim a tentar convencer a dona da Europa






«O nosso homem chegou ontem a Berlim, ao fim da tarde, com uma missão muito difícil, mas não confidencial. Todos sabemos que vai tentar convencer a dona da Europa a não aplicar sanções a Portugal por não ter cumprido o défice de 3% em 2015. E que vai também tentar sensibilizá-la para a ideia de que não faz sentido o Estado português, único acionista da Caixa Geral de Depósitos, não poder proceder ao aumento de capital da instituição.

Confiamos todos que o nosso agente em Berlim tenha sucesso na sua missão. A sua capacidade argumentativa e a sua simpatia são seguramente trunfos importantes com que jogará. Mas só no final de junho, após as eleições legislativas em Espanha, é que se saberá se o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, teve êxito na sua missão junto da chanceler alemã, Angela Merkel. (…)

Marcelo é suficientemente diplomata para não lembrar a Merkel que, se vamos por aí, também a Alemanha deveria ser sancionada por acumular excedentes comerciais excessivos, acima do previsto pelos tratados europeus, desde há vários anos. Esperemos, contudo, que diga à senhora que manda na Europa que o anterior Governo português aplicou integralmente e para lá do que a troika, Bruxelas e Berlim queriam, a política de austeridade que preconizaram – pelo que sancionar Portugal pelos resultados de 2015 é sancionar também essa política. (…)

Terça-feira já teremos de volta o nosso enviado a Berlim. E nessa altura começaremos a saber se a sua missão foi coroada de sucesso.»

Nicolau Santos, no Expresso 


Falta de voluntários afetou recolha do Banco Alimentar no Algarve


Banco alimentar3

























A falta de voluntários levou o Banco Alimentar a fazer a recolha, este fim de semana, em apenas 125 lojas em todo o Algarve, menos 15 que as inicialmente previstas.
Com isso, a quantidade recolhida também diminuiu, tendo atingido apenas as 125 toneladas de géneros alimentícios. Na campanha de Maio do ano passado, tinham sido angariadas 134 toneladas.
Desses alimentos não perecíveis, o Leite, o Arroz e as Massas tiveram bastante relevância, atingindo cerca de metade do que foi recebido.
Nuno Cabrita Alves, presidente da direção Banco Alimentar contra a Fome do Algarve, realça o trabalho do grupo de voluntários, quer em loja, quer nos dois armazéns, que conseguiram, «com muito esforço pessoal, fazer com que esta campanha fosse bem-sucedida».
A falta de voluntários foi colmatada em parte, pela participação, na campanha de recolha em loja, de membros das instituições apoiadas e dos seus beneficiários.
nível nacional, o Banco Alimentar Contra a Fome recolheu 1.921 toneladas de géneros alimentares durante o fim de semana, numa campanha que envolveu 2.015 superfícies comerciais de Norte a Sul e mais de 40 mil voluntários.
No entanto, este total de recolha representa uma quebra de 8% nos alimentos recolhidos, em relação à mesma campanha em maio do ano passado.
Isabel Jonet, presidente da Federação Portuguesa de Bancos Alimentares, justifica esta quebra com o menor fluxo de clientes das lojas «por ter sido um fim de semana de ponte», devido ao feriado da passada quinta-feira. Ainda assim, tendo em conta essa condicionante, Isabel Jonet considerou os resultados como «muito positivos».
A campanha prolonga-se até 5 de junho através da modalidade “Ajuda Vale”, em lojas do Pingo Doce, Continente, Minipreço, Makro, Jumbo, Pão de Açúcar e Lidl, e no portal de doação online www.alimentestaideia.net.

www.sulinformacao.pt

A MAL AMADA

https://pracadobocage.wordpress.com

30MAI2016 - O MUNDO MARAVILHOSO DOS GRAFFITIS