AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


sexta-feira, 1 de abril de 2016

chapa 5


BANIF - era um banco muito, muito mau



BANIF

Uma pessoa ouve e lê e fica atónita. A sessão de ontem da Comissão de Inquérito ao Banif pôs a nu a realidade do banco da família Roque: «É preciso contar o que era o Banif em 2012, e era um banco muito, muito mau. Era péssimo. Tinha uma estratégia errada. Mais do que duplicou a presença no país, tinha feito investimentos disparatados no Brasil, em Espanha e em outras latitudes. Estava concentrado em meia dúzia de grandes clientes e em investimento imobiliário. Não tinham sistema informático. Não tinham sistema de avaliação de risco...», etc.

Quem o disse foi António Varela, o administrador que Vítor Gaspar convidou para representar o Estado no Banif. Mas Varela foi também, até ao passado dia 7, vice-governador do Banco de Portugal, com o pelouro da supervisão entre 2014 e a sua demissão.

Lembrar que, em 2013, o Governo PSD/CDS injectou 1,1 mil milhões de euros no Banif. Em 20 de Dezembro de 2015, já com o Governo PS em funções, o Banif foi alvo de Resolução antes de ser vendido ao Santander por 150 milhões de euros. Nos termos em que foi feita, a venda terá sido imposta pelo BCE. Na prática, Varela chamou mentirosa a Maria Luís Albuquerque — «Longe de mim chamar mentirosa à senhora ex-ministra» —, que terá «edulcorado a verdade» junto das instituições europeias.

Líder da Câmara de Comércio luso-saudita envolvido em desvio de fundos


O tribunal aceitou uma providência cautelar que acusa Rodrigo Ryder da Costa de ter esvaziado a conta bancária da Câmara de Comércio e Indústria Luso-Saudita, desviando 70 mil euros para gastos pessoais. O empresário acompanhou Paulo Portas em duas visitas oficiais a países árabes e foi delegado no recente congresso do CDS.

Rodrigo Ryder trouxe um empresário saudita à Azambuja e foi notícia no site da Câmara. 
A sentença da Instância Central Cível de Lisboa, citada pela agência Lusa, diz que ficou “suficientemente indiciado” que no ano passado o presidente da Câmara de Comércio e Indústria Luso-Saudita (CCLS) “ficou na posse” de 45.500 euros, levantados em maio (30.500 euros) e julho (15.000 euros) de 2015 da conta da instituição para supostamente pagar faturas. Além destas verbas, terá levantado 15.700 euros em notas e fez pagamentos de cerca de 4.700 euros em estabelecimentos comerciais com o cartão da associação.
O tribunal acrescenta que também a sua esposa terá usado o cartão da CCLS para levantar 1.600 euros entre novembro e dezembro de 2015, com o conhecimento do marido. E conclui que a ação do responsável pela associação levou a conta bancária “a um ponto de não ter fundos suficientes para fazer face ao pagamento dos encargos/despesas com a sua atividade e ao pagamento de faturas pendentes”.
Rodrigo Ryder da Costa dirige a associação fundada no fim de 2014 e criada para facilitar negócios entre empresários portugueses e sauditas. A troco de uma quota anual que segundo o “Correio da Manhã” varia entre 1650 e 40 mil euros, os 22 associados que a CCLS angariou beneficiam de serviços de lóbi e representação que facilitam negócios na Arábia Saudita e em Portugal.
O líder da CCLS foi presença assídua nas visitas de Paulo Portas à Arábia Saudita e aos Emirados Árabes Unidos, junto com dezenas de empresários. Na primeira visita, em abril de 2013, Portas era ministro dos Negócios Estrangeiros e Rodrigo Ryder apresentava-se na brochura do AICEP como gestor de vendas da Engiprumo, empresa do ramo imobiliário. 

Na segunda visita, o líder do CDS já era vice-primeiro-ministro e Rodrigo Ryder surge como diretor comercial da empresa de rações Agrolex. 
Rodrigo Ryder da Costa foi eleito como único delegado pela Azambuja ao congresso do CDS que elegeu Assunção Cristas para suceder a Paulo Portas.
Para já, Rodrigo Ryder da Costa viu cancelado o cartão de débito da CCLS e está proibido de movimentar qualquer conta da associação, depois do saldo bancário se ter reduzido a 6.15 euros em novembro passado. A providência cautelar foi apresentada nessa altura pela vice-presidente da CCLS, Ana Ribeiro, que entregou também queixa para o Ministério Público. O advogado de Rodrigo Ryder da Costa afirmou que vai recorrer da sentença.

www.esquerda.net

AS MAIS BELAS PINTURAS DO MUNDO - PINTORES FAMOSOS - NASREDDINE DINET

 Nasreddine Dinet, as suas pinturas incidem sobre pessoas e temas orientais


Nasreddine Dinet (nascido como Alphonse-Étienne Dinet em 28 março de 1861 - 24 dezembro de 1929, Paris) foi umfrancês orientalista pintor.

Biografia 

Dinet nasceu filho de um proeminente juiz francês.
A partir de 1871, ele estudou no Liceu Henrique IV, onde o futuro presidente Alexandre Millerand também estava entre os estudantes. Após a formatura, em 1881, matriculou-se na Ecole Nationale Superieure des Beaux-Arts e entrou no estúdio de Victor Galland. No ano seguinte, ele estudou com William Bouguereau e Tony Robert-Fleury na Académie Julian . Ele também exibiu pela primeira vez no Salon des Artistes Français .
Dinet fez sua primeira viagem para Bou Saâda pelo Ouled unha Gama , no sul da Argélia em 1884, com uma equipe de entomologistas . No ano seguinte, fez uma segunda viagem COM uma bolsa do governo, desta vez para Laghouat . Na época,  pintou suas duas primeiras pinturas argelinas: les Terrasses de Laghouat el'après l'Oued M'Sila Orage .

Em 1903,  comprou uma casa em
 Bou Saâda e passou três trimestres de cada ano lá. Ele anunciou sua conversão ao Islão  numa carta privada de 1908, e completou sua conversão formal em 1913, sobre a qual se mudou seu nome para Nasr 'Eddine Dinet.  Em 1929, ele e sua esposa assumiu o Hajj para Meca  O respeito que  ganhou dos nativos da Argélia foi refletida pela 5.000 que compareceram ao seu funeral em 12 de janeiro 1930 em Bou Saâda. Lá, ele foi elogiado pelo ex- governador-geral da Argélia Maurice Viollette . Ele ganhou a medalha de prata para a pintura na Exposição Universal em 1889, e no mesmo ano, fundou o Société Nationale des Beaux-Arts , juntamente com Meissonier , Puvis de Chavannes , Rodin , Carolus-Duran e Charles Cottet . Em 1887 ele fundou com  Léonce Bénédite , diretor do Musée du Luxembourg , a Société des Peintres Orientalistes Français .

FOTOGALERIA


As imagens foram recolhidas da net por António Garrochinho










auto retrato