AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


segunda-feira, 4 de janeiro de 2016

Isabel dos Santos em guerra com BPI







Isabel dos Santos avança para a compra de 10% do BFA. 

A guerra entre Isabel dos Santos e a equipa de gestão do BPI voltou a aquecer. A empresária angolana, segunda maior acionista do banco através da Santoro, quer avançar com a compra de 10% do Banco de Fomento de Angola (BFA) por discordar da solução que a equipa de Fernando Ulrich traçou – a cisão dos ativos de África. 
Além da participação no banco português, Isabel dos Santos é também a segunda maior acionista do BFA, através da Unitel. 
 .

Numa carta dura, ontem tornada pública, Isabel dos Santos considera "desrespeitoso que o BPI, tendo um processo negocial em curso com a Unitel, tenha decidido abandonar esse processo aprovando a solução que sabe não ser aceite pelo seu parceiro do BFA". E fê-lo, diz a angolana, "sem dar uma palavra prévia". 

Isabel dos Santos não queria que a solução para o BFA passasse por uma cisão simples, entendendo que a melhor opção era dispersar o capital em bolsa até 30%. Segundo a empresária, a gestão do BPI terá alegado falta de tempo para rejeitar esta segunda hipótese. 

Agora, Isabel dos Santos vem dizer que esta sua "posição de não aceitação da solução proposta [cisão dos ativos africanos] não está condicionada a qualquer negociação, sendo final e definitiva". Mais: a empresária diz que a contraproposta de compra do BFA por 140 milhões só está em cima da mesa até ao final deste mês. 

CM

Fisco e Segurança Social proibidos de penhorar casas

 Económico

Parlamento aprova projetos-lei na quinta-feira. Só são excluídos imóveis de muito elevado valor tributário.
Fisco e Segurança Social proibidos de penhorar casas

O parlamento vai aprovar na quinta-feira os projetos da esquerda que impedem que seja retirada a casa de morada de família aos cidadãos que tenham dívidas ao Fisco ou à Segurança Social, escreve o jornal i.
O novo projeto-lei do PS estabelece que, independentemente da dívida fiscal ou à Segurança Social, são proibidas as vendas de casas de morada de família em processo de execução fiscal, seja qual for o montante.
A única exclusão é para as casas com muito valor tributário, para evitar que os contribuintes com elevado património se coloquem intencionalmente ao abrigo desta proteção. Só as casas com valor superior a 574 mil euros podem ser penhoradas e vendidas.
Nos últimos dois anos quase 5.900 famílias perderam a casa em penhoras por dívidas à Autoridade Tributária.

CRÓNICA É A IMPUNIDADE COM QUE SE LIDA COM QUEM É CULPADO DE TODAS ESTAS MORTES - São José tinha indicação para transferir doentes com aneurisma





Segundo um relatório publicado esta segunda-feira no seu site, o regulador abriu um processo de inquérito para averiguar o que se passava no Hospital de São José, na sequência de notícias divulgadas em janeiro de 2015 que davam conta de que os doentes que entravam naquela unidade com rutura de aneurisma cerebral, a partir das 16 horas de sexta-feira, teriam de esperar até segunda-feira para serem tratados.
 .
Foi o que aconteceu em dezembro do ano passado, quando foi conhecido que um jovem de 29 anos transferido numa sexta-feira do Hospital de Santarém para São José acabou por morrer com uma hemorragia cerebral enquanto esperava tratamento.

Este problema deve-se à suspensão das escalas de prevenção aos fins-de-semana da Neurocirurgia-Vascular desde abril de 2014 e da Neuroradiologia de Intervenção desde 2013, no Centro Hospitalar de Lisboa Central (CHLC), que engloba o Hospital de São José.

Tendo avaliado as circunstâncias do que foi noticiado em janeiro, a ERC emitiu uma recomendação ao CHLC, hoje noticiada pelo jornal Público, para que "nas situações em que constata não possuir capacidade para a prestação de cuidados de saúde específicos, nomeadamente, realização de cirurgias em situação de rotura de aneurisma cerebral por falta de recursos humanos especializados, essenciais à sua realização, os utentes sejam encaminhados para unidade hospitalar que garanta a prestação dos cuidados de saúde necessários".

Dos factos apontados no relatório, lembra a ERS que "quando um aneurisma rompe, os doentes devem ser tratados nas primeiras 24 horas pela equipa de neurorradiologia ou pela neurocirurgia", o que "deixou de acontecer" nos últimos dois anos aos doentes que entram em São José ao fim de semana.
E sublinha que, "apesar de o Hospital de Santa Maria ter intervenção ao fim de semana, os doentes não estão a ser encaminhados".

O CHLC reconheceu ser comum em situações de emergência e dificuldade assistencial o contacto inter-hospitalar, incluindo com Santa Maria, mas alegou não ter conhecimento de "situações fatais", "sequelas graves" ou "reclamações de familiares ou doentes".

Acresce que a transferência para outras unidades hospitalares destes doentes é limitada pelo facto de a mobilização e transporte na fase aguda não ser a mais adequada conduta médica, justificou o CHLC.
"Além do mais, existem neurocirurgiões 24h sobre 24h no Hospital de São José", acrescenta.

Mas a presença destes especialistas não é suficiente, como reconhece o próprio hospital, que afirma que a indisponibilidade de outros profissionais para integrarem as escalas de prevenção inviabiliza a construção de equipas para o tratamento desta patologia.

Assim, face a estes constrangimentos, o hospital instituiu como prática "manter os doentes sob ativas medidas de controlo clínico e terapêutico, até ao tratamento específico do aneurisma, sem complicações significativas", ou seja internados nos cuidados intensivos em "permanente monitorização e avaliação da sua evolução".

O regulador entendeu arquivar o processo de inquérito por o comportamento do hospital não ter, naquela altura, violado os direitos e interesses legítimos dos utentes, designadamente o direito de acesso os cidadãos aos cuidados de saúde no âmbito do SNS.

A PINTURA DE ALBERTO PANCORBO











































































ALBERTO PANCORBO nace en Soria (España) el 18 de abril de 1956. Pinta desde muy temprana edad en su ciudad natal trasladandose a Barcelona a la edad de 18 años con el único fin de dedicarse solo a la pintura.
En 1980 entra a ser artista exclusivo de Sala Gaudí (Barcelona) la cual expone sus cuadros por primera vez en la feria internacional de arte de Basilea (suiza). Empieza su periodo de exposiciones por diferentes ciudades de España y extranjero. Obtiene varios premios en concursos de arte. 1985 primera exposición en Madrid y es premiado como Artista revelación del año por la revista Correo del Arte de Madrid.
El primer libro sobre la pintura de Pancorbo es editado en Barcelona en el año 1986, después fija su residencia en Bogota (Colombia) donde empieza a hacer numerosas exposiciones incluyendo Estados Unidos ,Mexico y otros países de America. Participa en numerosas ferias de Arte y subastas como Sotheby's (New York).
En 1994 se edita el libro Pancorbo ( Laberintos del Alma ) recopilando gran parte de sus pinturas. Es incluido en varios libros de arte realista, y publicaciones.
Sus obras se encuentran en diferentes colecciones de America y Europa. El año 1998 se traslada a vivir a Miami donde vive en la actualidad, ciudad en la que ha realizado numerosas exposiciones desde el año 1990.
La base del dominio técnico de Pancorbo consiste en una educación tradicional del arte, un método de entrenamiento que produjo disciplina, y una comprensión total de la pintura. Con este conocimiento y un talento extraordinario para la pintura, Pancorbo crea su propio estilo original y personal fuera de la formalidad de la tradición académica