AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


domingo, 27 de dezembro de 2015

VÍDEO - PINTANDO BORBOLETAS





VÍDEO



Agasalhe-se. Vento forte chega esta segunda-feira


O Instituto Português do Mar e da Atmosfera colocou 12 distritos sob aviso amarelo, devido à previsão de vento forte entre hoje e segunda-feira, com rajadas de 70 a 100 quilómetros por hora.

O aviso amarelo, o terceiro mais grave numa escala de quatro níveis, alerta para situações de risco para determinadas atividades dependentes das condições meteorológicas.
Os distritos assinalados pelo IPMA são Bragança, Viseu, Porto, Guarda, Faro, Vila Real, Viana do Castelo, Leiria, Castelo Branco, Aveiro, Coimbra e Braga.
Para o distrito de Faro, o aviso deve-se à agitação marítima esperada, com ondas de dois e três metros de altura. Neste caso, o instituto colocou o aviso amarelo em vigor até às 03:00 de segunda-feira.
No resto do país, estão previstos ventos fortes de sul, com rajadas que poderão atingir os 100 quilómetros por hora nas terras altas e 70 a 80 quilómetros a altitudes inferiores.
Nos 11 distritos em aviso amarelo devido ao vento, o alerta dura até às 15:00 de segunda-feira.

Partido Democrático Muçulmano?

GRAÇA CANTO MONIZ

.


Partido
Democrático
Muçulmano?

O leitor está lembrado de um livrinho, bastante incómodo para algumas almas mais “humanistas”, chamado “Submissão”, escrito por Michael Houellebecq? Em “Submissão”, o autor, ficcionava a pátria da “liberdade, igualdade e fraternidade” entregue, por via democrática, nos braços do islamismo graças à vitória presidencial de Mohammed Ben Abbes, fundador da Fraternidade Muçulmana.

Pois bem, a passos largos, a realidade tem vindo a aproximar-se da suposta ficção. Em 2012, em França, surgiu o Partido Democrático Muçulmano, que, por exemplo, já obteve mais votos que o Partido “os Verdes” e vai mesmo apresentar um candidato à presidência da república francesa, segundo os media franceses. Entre as suas bandeiras políticas encontra-se o ensino na língua árabe nas escolas, a defesa do sistema bancário islâmico, a obrigatoriedade da comida Halal nas escolas, a defesa do uso da burca em locais públicos e a defesa da poligamia. Em caso de vitória, “Submissão”, será afinal uma profecia do autor.

O livro de Houellebecq não contém nenhuma referência ofensiva ao islamismo é antes uma reflexão sobre a falta de “fé”, sobre o esgotamento religioso e espiritual da Europa, em linha com o conceito de “liquidez moderna” apregoado por Bauman. Não posso deixar de concordar com alguns vozes que atribuem as culpas a uma certa “ideia” de Europa pós-nacional que rejeita laços de pertença à nação e à religião. Uma Europa que renega a sua identidade judaico-cristã será, a breve prazo, uma Europa incapaz de se reconhecer em si própria.

IN "i"
22/12/15
 http://apeidaumregalodonarizagentetrata.blogspot.pt


Agressão a Chico Buarque foi gota dágua; advogados se mobilizam contra fascismo

VÍDEO


:
Antes de adentrar o assunto principal, vale conferir a resposta que Chico Buarque deu no Facebook aos fascistas que o agrediram (vide informações abaixo). Vale explicar, porém, esse caso, se porventura alguém ainda não souber do que se trata. Confira, abaixo, o vídeo da agressão que Chico sofreu na segunda-feira ao sair de um restaurante no Leblon.A causa, como você já sabe, é a militância histórica de Chico a favor do PT. Esse grupo agressor, aliás, era integrado por um “rapper” que vive de produzir factoides para tentar aparecer, e que, assustado com a repercussão de sua selvageria, deu para trás.
Segundo informações do HuffPost Brasil, o rapper Túlio Dek, após agredir Chico, declarou que o compositor, cantor e escritor Chico Buarque “é um ídolo” para ele. Mais conhecido por ter namorado a atriz Cléo Pires, Dek estava no grupo que hostilizou e ofendeu Buarque na noite de segunda-feira (21), na saída de um restaurante no Leblon, na zona sul do Rio de Janeiro.
“Chico é um ídolo para mim. Só não entendo como um dos maiores ícones do Brasil continua apoiando cegamente o PT. Minha indignação foi com o cidadão e não com o artista”, afirmou o rapper, em entrevista à colunista Sonia Racy, do jornal O Estado de S. Paulo. Dek afirmou, inclusive, ter feito uma versão para Paratodos, canção de Chico Buarque, aos 10 anos de idade.
A confusão foi primeiramente noticiada pelo site Glamurama. De acordo com o site, além de Dek estava Álvaro Garnero Filho, filho do empresário e apresentador paulista Álvaro Garnero. “Petista, vá morar em Paris. O PT é bandido”, diziam os jovens, que estavam exaltados e procuraram criticar o ativismo de Chico a favor do PT, algo que data dos tempos de fundação do partido.
“Chico foi um santo, um cavalheiro. Os meninos começaram a hostilizar, do outro lado da calçada. Chico atravessou e foi lá falar com eles. Esta cena de repressão nazista é um exemplo do que está acontecendo no Brasil: a absoluta intolerância. As discussões políticas estão indialogáveis. A disputa política se transformou em duelo. Eles não queriam argumentar, só xingar”, comentou na tarde desta terça-feira o cineasta Cacá Diegues, que integrava o grupo de Buarque no restaurante.
Ironicamente, Chico Buarque não se pronunciou com palavras sobre a polêmica, preferindo apenas postar em sua página no Facebook uma de suas músicas.





Após essa quilométrica introdução, vamos ao ponto prático e principal do post.
Há algumas semanas, o Blog informou que estava sendo criada uma Frente Antifascista. O movimento conta com dezenas de advogados, juristas, parlamentares, jornalistas que se reúnem em um grupo de What’s App chamado Os “Carbonários”, um grupo que este blogueiro integra.
chico 2

O grupo se prepara para começar a atuar em 2016 através de, entre outras ações, usar uma legião de advogados militantes que pretende processar civil e criminalmente autores de agressões públicas ao vivo e na internet que grupos fascistas como o dos playboys supracitados vêm praticando contra quem tem opinião política diferente da deles.
A revolta que a agressão a Chico causou acelerou nossos planos. Vários advogados do grupo já se prontificaram a atuar em suas respectivas regiões. Eis alguns nomes.
Francisco Celso Calmon – Espírito Santo
João Ricardo Dornelles – Rio de Janeiro
Marcio Tenembaum – Rio de Janeiro
Marília Kairuz Baracat – Rio de Janeiro
Marilson Santana – Bahia
Rodrigo Mondego – Rio de Janeiro
Tarso Cabral Violín – Paraná
Vinícius de Lima Rosa – Espírito Santo
Esses são apenas alguns dos muitos nomes de advogados militantes de todo país que se propõem a atuar na militância advocatícia antifascista.
A ideia é a seguinte: as indenizações que serão arrancadas (com facilidade) dos fascistas irão reverter para um fundo que financiará as ações dessa advocacia militante para pagamento dos custos dos processos. Quem quiser ser representado por esses advogados terá que se dispor a doar ao fundo a indenização que for obtida.
Convido, assim, advogados de todo o país a se juntarem a esse movimento. A sociedade tem que reagir ao fascismo atacando onde eles mais temem, no bolso – ainda que muita gente prefira lhes dar uns sopapos.
Só há uma forma de combater o fascismo: é não se encolher diante dessa gente. Foi por falta de reação que eles dominaram a Europa na primeira metade do século XX.
Todo fascista é um covarde por natureza. Ou ataca escondido sob máscara do anonimato na internet ou em grupos nas ruas, contra pessoas sozinhas ou em desvantagem numérica. Se começarem a ter que responder por seus crimes, cortaremos o mal pela raíz. A hora chegou. Junte-se a nós, à Frente Antifascista.
Não passarão!


 http://www.brasil247.com/pt

CONTE COMIGO DR. CAVACO

SINAIS DE FOGO – CONTE COMIGO DR. CAVACO – por Soares Novais

sinais de fogo

Senhor doutor Cavaco:

Daqui a um mês fica-se a saber quem é o novo inquilino do palácio. Mas Vosselência terá de ficar por mais alguns dias. Todavia, e caso assim o entenda, estou pronto a indicar-lhe uma brigada1 que o ajude a arrumar os papeis e a embalar os tarecos. Eu, como muitos outros, só quero o seu bem e tudo farei para que volte à sua amada marquise da Travessa do Possolo, no mais curto espaço de tempo possível.

Além do mais, a sua vida de inquilino do palácio presidencial é, agora, um tremendo aborrecimento. Passa-a a fazer despedidas. E quantas mais faz mais se fica a conhecer a sua tremenda malvadez e quão odioso é o seu carácter.

Foi o que aconteceu na sua despedida do Conselho da Diáspora. O senhor falou e disse: A governação ideológica pode durar algum tempo mas faz estragos na economia e deixa facturas por pagar.”.

Os seus amigos presentes bateram palmas, trocaram sorrisos e os espertos em descodificar o seu pensamento (?) logo vieram clamar que Vosselência estava a dar mais um recado ao governo do radical António Costa.

Costa que, como sempre faz questão de sublinhar, só é primeiro-ministro com a cumplicidade do PC, Bloco e Verdes e porque o senhor doutor a isso foi obrigado pela “malvada” Constituição da República.

Ora eu interpreto os seus ditos no dito Conselho como um verdadeiro tiro no pé. E explico: foi o governo do qual Vosselência foi mãe e pai que altíssimos danos fez na economia do país. Provam-no:

– Um desemprego recorde;

– Uma dívida pública acima das nossas possibilidades;

– E, por ora que se saiba, uma factura de TRÊS MIL MILHÕES para pagar.

Uma factura que somos obrigados a liquidar por um Banif que há muito estava falido e que apenas se manteve de pé por puro interesse eleitoral dos seus amigalhaços Coelho & Portas2.

Não, senhor doutor Cavaco, não é “a governação ideológica que faz estragos na economia e deixa facturas por pagar.” A falta de seriedade é que faz estragos na economia e deixa facturas por pagar.

E como Vosselência bem sabe alguns dos seus mais dilectos amigos têm fortes culpas nesse cartório, mas para não o maçar apenas lhe relembro dois: Oliveira e Costa e Dias Loureiro.

Senhor doutor Cavaco o seu tempo, que foi muito para um génio da banalidade como disse Saramago, chegou ao fim. Agora, aproveite o sossego da sua marquise, goze a sua parca reforma e deixe-nos em paz. Definitivamente em paz.

Mas atenção: caso compre um novo “Citroen”, com o dinheiro ganho com a negociata das acções do ex-BPN, tome só o rumo da sua vivenda na Aldeia da Coelha. Nós agradecemos.

________

1 Garanto-lhe que a brigada é composta por jovens sérios e bem preparados. Muitos deles são licenciados e todos eles estão desempregados. Mais: trabalham a “recibo verde”, não são sindicalizados e auferem menos de 2€ por hora. Tal qual o senhor e os seus sócios Coelho & Portas gostam.

2 A indicação de Adriano Moreira para o Conselho de Estado é mais uma fdp. Salazarista convicto, Moreira foi o ministro fascista que reactivou o Campo do Tarrafal em 1961. Inteligente e com inegável sentido de oportunidade, Adriano Moreira, com o apoio de Mário Soares, apanhou o comboio da Democracia, atingiu o topo da carreira académica e foi deputado e vice-presidente da Assembleia da República. O facto de ser hoje um ancião não o torna respeitável nem lhe apaga o passado. O operário antifascista Domingos Abrantes e todos aqueles que foram acossados, presos e torturados dispensavam bem tal FOS (Filho da Outra Senhora) no Conselho de Estado.

 

  http://aviagemdosargonautas.net

VOTOS PARA 2016


SUFOCO NA CHINA – CHINESES ESTÃO COMPRANDO AR ENGARRAFADO PRODUZIDO NO CANADÁ

 carlosrossi


ar_enlatado
No início de dezembro de 2015, Pequim, capital da China, emitiu um alerta vermelho por causa dos altos níveis de poluição do ar. Esse sinal é o nível mais grave de uma escala que vai até quatro, e nunca havia sido utilizado na história da cidade. Em menos de duas semanas após o primeiro, outro alerta foi emitido. Ar engarrafado pode não parecer uma boa ideia, mas, segundo a start-up canadense Vitality Air, a alternativa está fazendo sucesso entre os chineses.
A garrafa com ares mais puros está disponível em duas opções: oxigênio puro, com 97% de oxigênio e 3% de outros gases, ou “ar fresco e limpo”, com 78% de nitrogênio, 21% de oxigênio e uma pequena quantidade de outros gases. Se você escolher a segunda opção, ainda pode ter o seu ar enlatado no Parque Nacional Banff, em Alberta, Canadá, ou pagar um pouco a mais para que ele seja recolhido perto do lago. Com R$ 90 reais, é possível comprar 10 litros do oxigênio puro, que garante aproximadamente 200 inaladas, ou 7,7 litros do “ar fresco e limpo”, suficientes para 150 inaladas.
A companhia diz que o produto pode melhorar a ressaca, ajudar com problemas de alerta e até facilitar a performance em atividades físicas. E, claro, ele também é vendido como “a solução para a poluição”. Levando em consideração que uma pessoa respira, em média, 25.000 vezes por dia, e que o ar que mais se aproxima da nossa composição atmosférica atual é o “fresco e limpo”, se alguém quisesse viver desse ar puro, teria que gastar cerca de R$ 15 mil reais. Por dia.
“A nossa primeira remessa de 500 garrafas de ar puro acabou em quatro dias”, diz o cofundador da marca, Moses Lam. O único problema agora é suprir a demanda, já que cada garrafa é produzida artesanalmente.

A TERRA VISTA DO ESPAÇO - VÍDEO


































VÍDEO
















GIFS ANIMADOS














ANIMAIS NOCTURNOS

ATENÇÃO ! A TRADUÇÃO É DO MOTOR GOOGLE E NÃO É A MAIS CORRETA.


27_Nocturne_PygmySlowLoris1_p114_p114-1065w
A população loris lento pigmeu no Vietnã esteve perto da 
extinção na década de 1970 e 80, após 
a queima generalizada, , e o uso de produtos químicos como o 
Agente Laranja durante 
a Guerra do Vietnã causou grande perda de habitat.
Traer Scott



17_Nocturne_GrayTreeFrog2_p79_p79-1065w
O sapo cinza raramente deixa a segurança dos galhos de 
árvores, exceto durante a época de reprodução 
e no inverno, quando hiberna. Este sapo surpreendente pode 
suportar até 80 por cento de seu 
corpo ser congelado.
Traer Scott

20_Nocturne_IndianFlyingFox1_p21_p20-1065w
A raposa de vôo indiana, uma das mais de 1.100 espécies 
de morcegos, também é conhecido 
como o morcego gigante. Encontrado principalmente em florestas 
tropicais no subcontinente
 indiano, este mamífero espetacular geralmente reside em uma 
colônia pelas copas das árvores 
com centenas de outros morcegos.
Traer Scott

39_Nocturne_SugarGlider1crop_p105_p105-1065w
Embora onívoro, planadores do açúcar são conhecidos por serem particularmente apaixonados 
por alimentos doces. Muitas vezes referido como um "animal de estimação de bolso" por 
causa de seu tamanho diminuto ea capacidade de sair em bolsas, o planador do açúcar é um 
animal de estimação exótico popular.
Traer Scott
Animais noturnos vêm em todas as formas e tamanhos e constituem uma ampla variedade de espécies, de répteis a mamíferos aos insectos. "Isso é o que realmente me manteve fascinado com esse projeto", disse ela. "Eu estava realmente impressionado com a diversidade, a partir de bugs para gatos gigantes e tudo mais. Eu vejo isso como um álbum de família das sortes. Eles não são tecnicamente família, mas todos eles compartilham essa característica. "
Muitos dos animais no livro, ao que parece, foram, na verdade, fotografado durante o dia, a fim de melhor acomodar os horários de seus tratadores humanos em jardins zoológicos, abrigos e centros educacionais em todo o Nordeste. "Às vezes, era melhor para fotografá-los durante o dia, porque eles eram um pouco mais calma", disse Scott em uma entrevista. "Dessa forma, eles não se assustou por mim ou a câmera. Os felinos estavam dormindo durante todo o dia, por isso houve um monte de espera para alguns deles para acordar. Eu não poderia exatamente entrar e picar-los e dizer: 'Ei, acorde! " "

02_Nocturne_BarnOwl1_p50_p50-1065w
Durante o dia, a suindara apropriadamente chamado tende a alojar-se em lugares calmos, escuros, 
como celeiros abandonados e árvores frondosas, emergentes somente no anoitecer para caçar 
pequenos mamíferos por voando sobre campos abertos, pântanos, e prados.
Traer Scott

31_Nocturne_River_Otter1_p113_p113-1065w
A lontra de rio norte-americana brincalhão é igualmente hábeis em terra ou na água. 
Estes membros da família da doninhas têm um revestimento repelente de água de espessura, que 
lhes permite pescar e nadar, mesmo durante os meses de inverno.
Traer Scott

sloth
Preguiças lento passar a maior parte de suas vidas pendurados de cabeça para baixo. 
A preguiça de dois dedos é encontrada principalmente nas selvas da Central e América do Sul, 
onde a sua velocidade máxima é de cerca de seis pés por minuto.
Traer Scott
Scott encontrou muitos dos animais mais pequenos em que ela chama de Little Black Box-um estúdio portátil com quatro paredes pretas e buracos de tamanho de lente-nos lados, com um flash difusa acima que permitiu que os animais se sentirem "menos ameaçado" ao ser fotografado. O resultado é um olhar e "muito controlado" "mínimo". "Eu queria que o espectador se sentir como estava vendo um animal que tinha acabado de sair da escuridão e alguém tinha brilhou uma lanterna sobre ele", disse ela.
Scott nem sempre têm acesso direto a seus súditos. No caso de alguns morcegos e grandes felinos, que teria sido perigoso para ela e os animais para tê-los removidos de seus habitats. "Com esses animais que eu era geralmente permitido uma abordagem mais perto do que o público em geral, mas o meu acesso ainda era restrito. No entanto, isso não me impediu de ter alguns encontros surpreendentes ", escreveu ela.
Enquanto fotografar os animais foi quase sempre fácil de Scott foi "coberto em algo tipo de nojento" freqüentemente durante todo o projeto, ela disse que era "uma grande honra" para ficar cara-a-cara com muitos animais que a maioria das pessoas raramente se vê. "Muitos desses animais não são animais que você vai encontrar alguma vez em sua vida ou está indo para ver representada muito. Muitos deles são criaturas raras e incomuns ", disse ela. "Espero que as pessoas ficarão maravilhados com a possibilidade de ver esses caras de perto", disse ela.

Cecropia Moth 1_p121_p121-1065w
A maior de todas as mariposas nativas na América do Norte, a cecropia possui uma envergadura 
de 6 polegadas ou mais. Como todas as mariposas na Saturniidae (ou bicho-da-gigante) família, a 
cecropia vive uma vida breve projetado exclusivamente para a reprodução.
Traer Scott

38_Nocturne_SpottedSalamander1_p57_p57-1065w
Desencadeado pela temporada anual de primavera chuvosa, um adulto manchado 
salamandra retornos para se reproduzir ao mesmo piscina a cada ano de sua vida.
Traer Scott

12_Nocturne_Cougar2_p73_p73-1065w
Como os humanos são a única ameaça predatória para 
amadurecer pumas selvagens, gatinhos 
do puma são órfãs mais frequentemente como resultado da caça 
desportiva, caça furtiva, ou abate ilegal.
Traer Scott
Jordan G. Teicher escreve sobre a fotografia para Slate 's Eis blog. Segui-lo no Twitter.

http://www.slate.com
 

Perfil: Conheça Magda Donato, jornalista espanhola que se internou em um manicômio para contar a história do lugar




Trocando de identidade para chegar aonde queria, indo a restaurantes populares públicos como uma viúva com fome ou entrando na cadeia como modista violenta, Magda Donato fez jornalismo


Não se interessava por entrevistas nem visitas. Precisava de muito mais porque com ela o jornalismo de ir, ver e contar adquiria outros matizes, outras faces. Sua verdade só podia entrar por todos os sentidos ao mesmo tempo e, para isso, é preciso ir, mentir e permanecer, antes de contar.
Carmen Eva Nelken nasceu em 1898 no seio de uma família judia. De pai alemão e mãe francesa, cresceu ofuscada por sua irmã mais velha, Margarita Nelken, que se tornaria uma das primeiras deputadas espanholas. Para que ninguém relacionasse suas conquistas com o sobrenome, Carmen decidiu assinar como Magda Donato, o pseudônimo com que ainda é (des)conhecida.
Fotos: Reprodução/Yorokobu
Para que ninguém relacionasse suas conquistas com o sobrenome, Carmen  Eva Nelken, filha de uma deputada, decidiu assinar como Magda Donato Duas paixões regiam a vida de Magda Donato: o teatro e o jornalismo. Tudo o que fez ao longo da vida foi harmonizá-las. Trocando de identidade para chegar aonde queria, indo a restaurantes populares públicos como uma viúva com fome ou entrando na cadeia como modista violenta, conseguiu fazer jornalismo sem renunciar à interpretação.
Assim começou a escrever o que ela chamava de “reportagens vividas”, textos que, voluntariamente ou não, bebiam do trabalho de Nellie Bly, a jornalista que no final do século XIX seguiu o desafio do personagem imaginário de Jules Verne e percorreu o mundo em 72 dias, além de viver em um manicômio para escrever uma reportagem.
Não, o jornalismo gonzo não foi inventado nem por Günter Wallraff nem por Hunter S. Thompson. Embora isso não seja explicado na faculdade, o jornalismo de imersão nasceu dos pés e dos olhos de mulheres como Nellie Bly e Magda Donato, as primeiras a adotarem outras personalidades para escrever suas reportagens em primeira pessoa.
'El Principe Perro', relato de Magda publicado na imprensa espanhola
'El Principe Perro', relato de Magda publicado na imprensa espanhola
Além do mais, para Magda Donato, as qualidades das mulheres as predispunham ao bom jornalismo. Assim ela explicou em La Mujer y el Periodismo (A Mulher e o Jornalismo): “Quando o ambiente tiver se livrado por completo de sua estreiteza e mesquinharia nefastas, as mulheres poderão livremente consagrar-se ao jornalismo que somente elas podem fazer chegar a seu pleno desenvolvimento. Somente as mulheres têm bastante emoção para pôr no jornalismo as doses de humanitarismo altruísta do qual é capaz”.
Magda Donato queria mudar o mundo com seu trabalho, por isso se distanciou das amarras do jornalismo da época para enriquecer seus textos com recursos literários. Tanto ela como Nellie Bly rejuvenesceram o jornalismo, não só pela obsessão de se meterem em confusão e se disfarçarem para trabalhar, mas por um estilo muito peculiar que ambas compartilhavam e com o qual conseguiram fazer com que a pessoa que as lê hoje se pergunte se aquilo realmente pôde ter sido escrito há um século, e não ontem. O humor, a ironia, a simplicidade e a introdução de descrições e diálogos transformam a obra de ambas em reportagens atemporais que parecem mais típicas do Novo Jornalismo, movimento posterior.
Aproveitando seu conhecimento de vários idiomas (por suas origens ela também falava perfeitamente francês e alemão) e seus dotes interpretativos, Magda Donato conseguiu ser quem quis, e suas “reportagens vividas” foram aparecendo, com grande êxito, no jornal Ahora entre 1932 e 1936. Foram recompilados por Margherita Bernard para a editora Renacimiento com o título Reportajes.
As outras vidas de Magda Donato
Magda Donato necessitava de um médico que certificasse sua loucura porque teimou em contar a vida das internas de um sanatório psiquiátrico. Não lhe bastava olhar ou escutar o que lhe queriam dizer: tinha que viver com elas, ser mais uma. Não é a ideia mais inusitada, já que décadas antes Nellie Bly se fez internar em um manicômio com a mesma finalidade para escrever o livro Diez Días en un Manicomio. Ambos os textos se complementam: enquanto Bly destaca o tratamento vexatório que as pacientes recebem, Donato se concentra em suas companheiras, suas manias, seu dia-a-dia e seus anseios. Todas são retratadas com respeito e carinho na reportagem Un Mes entre las Locas.

PUBLICIDADE
No manicômio, Donato chega a entender as internas: “Quem disse que perdem a razão? O que fazem é trocá-la por outra que lhes esconde, é verdade, as tristezas que existem, mas que lhes inventa, em troca, outras tão atrozes que a realidade talvez não soubesse criar”.
Uma mulher que caça ervilhas com uma forquilha que tira do cabelo, outra que regurgita por culpa do riso, e outra a quem o governo manda aviões para espioná-la até quando leva flores ao túmulo do falecido esposo são algumas de suas companheiras.
Se era difícil entrar em um manicômio dizendo a verdade (e um século atrás nada era mais fácil do que considerar uma mulher louca), previsível era o final: Magda se desfizera de sua carteira de jornalista para que ninguém pudesse descobrir sua identidade. Tentar convencer o médico de sua sanidade mental com base em argumentos tais como o de que não estava louca, que na realidade era jornalista e tinha ido ali para escrever, era algo que qualquer outra interna poderia ter contado, e ninguém a teria levado a sério.
Se há algo de que a jornalista não desdenhava, além do humor, era a lógica mais pura e a compreensão, em um mundo que para ela se apresentava mais simples do que para os médicos ou os desesperados que recorriam aos adivinhos.
Quando o diretor de Assistência Social lhe entregou os dados estatísticos relacionados com restaurantes e albergues aonde ia quem não tinha nada, propôs a ela que “desse uma voltinha” por lá. Donato foi taxativa: “Não, muito obrigada, não me interessa”. Claro que lhe interessava, mas algo tão superficial era insuficiente para uma mulher que necessitava mendigar para sentir a fome. Na realidade, já havia feito isso.

Magda e o Marido, Salvador Bartolozzi, fundaram o Teatro Pinocho em 1929
Magda e o Marido, Salvador Bartolozzi, fundaram o Teatro Pinocho em 1929
Antes daquela entrevista Donato havia passado uma semana comendo entre mendigos, com um nome falso gravado no cartão. Às vezes pouco importava o tempo de espera, conformava-se com o segundo e terceiro turno no refeitório. Do último a maioria fugia como da peste. E claro que tinham fome, mas Donato também entende: “Acho que fugir assim do último turno é uma questão de amor próprio. A pessoa pode ser pobre e não querer se contentar com as sobras dos demais, não é verdade?”. Quando preparava a reportagem En la Cola de los Hambrientos (Na fila dos Esfomeados), a jornalista se sentiu na selva, rodeada de animais, indefesa, inferior, entorpecida. Mas não perdeu o sentido do humor. Na fila só havia uma conversa possível: a comida. Uma garota afirma que no ano anterior deixou de ir ao refeitório porque encontrara uma batata rodeada de cabelos. Alguém lhe esclarece: “Agora já não há batatas, há vagens”. Magda Donato fica pensando: “Respiro tranquilizada, como se existissem menos probabilidades capilares nas vagens do que nas batatas”.
Magda Donato se fez passar por uma jovem francesa perfeitamente preparada para atender as chamadas no consultório de um suposto adivinho índio. Como mademoiselle Marie conseguiu o trabalho e descobriu que o adivinho, que a incentivava a rejeitar clientes para aparentar que estava sendo muito solicitado, nem sequer era índio, mas de Guadalajara.
Parece que gostou da experiência, porque também se infiltrou no consultório de outra adivinha. Quando Xantina “consegue” afastar a mulher do amado de sua cliente, vangloria-se de ter feito com que fiquem “juntos para sempre”. Ao que Donato faz uma ressalva: “Juntos para sempre? Isso acontecerá, sem dúvida, se na América não derem com outra Xantina, não?”
Com uma amiga, Magda Donato tramou uma falsa denúncia. Sua amiga teve de acusá-la de uma briga de rua, cuja multa Magda Donato se negou a pagar, para forçar sua ida para a prisão, onde passou fome e aprendeu como fazer uma cama de verdade.
A literatura infantil era sua outra paixão. Encontrou o par perfeito quando conheceu o desenhista Salvador Bartolozzi, no mesmo ano em que começou a colaborar com a imprensa. Ambos exploraram sua imaginação compartilhando suas vidas e trabalhando juntos: ela, escrevendo histórias, e ele, ilustrando-as. Conseguiram renovar a literatura infantil na Espanha. Em 1929, fundaram o Teatro Pinocho (Pinóquio), onde davam vida aos personagens de suas histórias.
Depois da Guerra Civil Espanhola, o casal se exilou na França. Chegaram a Paris quando irrompeu a Segunda Guerra Mundial e tiveram que recorrer a um segundo exílio, sem nem sequer se alojar na cidade. No México, Magda Donato alcançou um enorme sucesso como atriz de teatro e séries. Em 1960 viveu seu momento de glória ao interpretar o personagem da velha em As Cadeiras, de Ionesco, obra dirigida por Alejandro Jodorowsky e que ela havia traduzido do francês. Essa interpretação lhe valeu o prêmio de melhor atriz do Agrupamento de Críticos de Teatro.  Mas Salvador já não estava ali para celebrar com ela: havia morrido dez anos antes.
Concentrou-se no teatro e também escreveu algumas peças. Após sua morte (1966), no México passou a ser outorgado o Prêmio Magda Donato à melhor obra teatral, até 1973. Embora Avilés (Astúrias), Miguelturra (Ciudad Real) e Saragoça tenham nomeado ruas em sua homenagem, Magda Donato continua sendo uma grande desconhecida.
(*) Publicado em Yorokobu
Tradução: Maria Tereza Souza

 http://operamundi.uol.com.br



COPIAR OU IMITAR SEM PROBLEMAS DE MAIOR


Adivinhe quem escreveu


(…)

Sim, como os leitores não discordarão, o que acabam de ler parece mesmo no essencial  a prosa de um comunista escrita hoje ou mesmo há 20 anos. Acontece porém que é deAntónio Barreto, hoje no DN, em artigo em que diz que Portugal tem « um partido comunista que vem directamente da idade do gelo».

Conclusão: não há gelo que impeça o copianço !